Ele transformou minha esposa numa puta


Click to Download this video!

Na ultima festinha da empresa que trabalho reparei uma insistente troca de olhares entre minha esposa e o Alberto, um dos diretores da empresa.
Fiquei puto da vida, mas agüentei firme até a hora de irmos embora e não dei nenhum vexame.Não trocamos muitas palavras até chegarmos em casa e eu rapidamente me deitei, como de costume de cueca e camiseta.

Minha esposa logo também se deitou e logo começou a alisar meu pau. Era estranho porque ela dificilmente me procura, mas eu deixei e logo meu pau foi ficando duro quando resolvi perguntar:
– Vc esta alisando meu pau ou esta pensando no pau do Alberto?
Ela não se abalou e continuou alisando meu cacete e respondeu :
– Vc ta delirando Julio ? Bebeu demais??
– Eu vi vcs dois se olharem a festa inteira, não sou cego. – disse demonstrando uma certa raiva.
– E se eu estiver alisando seu pau pensando no dele, algum problema?
– Vc queria? – perguntei, mas fiquei com medo da resposta dela.
– Se disser que quero vc vai deixar? – ela perguntou com carinha de safada e nessa hora meu ciúme bateu forte mas continuei naquele jogo.
– Depende. – respondi secamente.
– Do que?
– Se eu puder ver vcs transando eu topo.
– Ta louco, vai ficar sentado na cama nos vendo transar?
– Não preciso estar no quarto, basta que eu possa ver – respondi com a garganta seca esperando que ela parasse com aquilo e fosse apenas uma provocação por parte dela.
– Vc iria espiar de onde?
– Da janela do quarto por exemplo. Fico La fora.
– Quando? – ela perguntou com carinha de muito safada, e eu gelei. Não sabia se continuava ou se acabava com aquela brincadeira ali. Mas resolvi continuar pra ver aonde chegava. Até onde ela seria capaz de me trair.
– Pode ser no sábado? – perguntei ironicamente como se eu fosse topar.
– Tá ótimo pra mim. Vc convida ele ou eu convido?

Não acreditei que ela queria ir adiante mas pelo jeito a coisa era séria. Estava num ponto onde acabava com aquilo ou então aceitava essa experiência de ser corno que muitos dizem que é deliciosa.
– Pode deixar que eu convido.
Nessa altura ela já tinha tirado meu pau pra fora da cueca e começou a lamber e perguntou:
– Será que o pau dele é gostoso como o seu , amor?
– Vc vai saber logo.- respondi.
Ela aumentou o ritmo das chupadas e novamente perguntou:
– Vc vai ficar com ciúmes de ver sua esposinha chupando o pau de outro homem?
– Acho vou. Vc esta pensando no pau dele agora?
– Sim….. ta gostoso…..
– Então chupa gostoso…..
– Chupo….. goza na minha boca….. quero seu leite…..
Nossa, eu estava tão excitado que gozei rapidinho.

Naquela noite quase não dormi. Meu ciúme me corroia mas por outro lado a excitação era enorme. No dia seguinte pela manhã tornei a perguntar pra ela se era pra seguir adiante com aquilo e ela respondeu desinteressadamente dizendo que ia até no cabeleireiro se aprontar para a festinha.
Fiquei meio puto da vida mas me conformei. Afinal eu havia começado a brincadeira e agora tinha que ir até o fim.
Na sexta levamos as crianças para a casa de meus pais e no sábado o Alberto chegou na hora combinada para tomar uns drinks.

Tinha acertado com minha esposa que ficaria alguns minutos bebendo com eles e depois, de meu próprio celular ligaria para casa e atenderia como se alguém estivesse me chamando da empresa , para que eu pudesse me ausentar. Foi o que fiz.
Depois de 3 ou 4 doses, quando todo mundo já estava a vontade eu fui ao banheiro, liguei para minha casa e eu mesmo atendi na frente dos dois. Me desculpei com eles dizendo que tinha que sair e pelo jeito a coisa iria demorar, mas recomendei que o Alberto ficasse etc.
Fui correndo para a janela do quarto que eu já havia preparado uma bela fresta para assistir minha estréia como corno.

A espera foi cruel. Passaram se quase meia hora e nada deles entrarem no quarto. Estava morrendo de ciúmes só de imaginar o que eles estavam fazendo na sala.
Eis que finalmente entram os dois. Minha esposa nuazinha e ele só de cuecas. Para meu espanto notei que ela tinha depilado totalmente sua xaninha para a ocasião. Estava lisinha e linda. Alias minha esposa é um mulher muito atraente.
Minha esposa sentou-se na beirada da cama e ele pediu :
– Sua vez de me agradar agora minha putinha.
Não acreditei quendo ele chamou minha esposa de putinha.
– Vai… chupa gostoso…

Quando minha esposa abaixou a cueca dele, saiu um cacetão de dentro dela maior que o meu. Minha esposa abocanhou aquela tora e começou a mamar feito uma putinha mesmo. Nunca vi nada igual.
– Isso vadia… chupa gostoso… assim…
Ela chupou por uns 5 minutos e eu me masturbando lá fora.
De repente ele manda:
– Agora fica de quatro minha vadia… vou experimentar essa bucetinha….

Minha esposa então ficou de quatro na beirada da cama e ele começou a introduzir seu cacete na buceta dela que devia estar encharcada.
Ela gemia e dizia:
– Que delicia de cacete… mete tudo…. aaaaiiiiiiii… assim… gostoso…
– Você gosta né putinha?! rebola no meu pau vamos…
– Assim, assim que você gosta? uuuuuuuuiiiiiiii… que deliciaaaaaaa
– Isso vadia….assim mesmo…. agora vai apanhar na bunda minha putinha….
– Bate, bate na sua vadia… aaaaiiiiiiii… isso, mais… me fode…
– Toma cadelinha, vou encher essa buceta de porra…
– Vem, me enche de porra… vou gozar amor… mete…
– Toma, sente meu cacete todinho…
– Aaaaiiiiiiiiiiiiii… estou, gozaaando… uuuuuiiiiiiiiiii
– Goza putinha, goza gostoso…

Nessa altura eu já tinha gozado na parede mas meu pau continuava duro.
O Alberto então pediu para ela se deitar de costas, se ajoelhou em cima dela e começou a bater punheta até gozar nos peitos e no rosto da minha esposa. Foi muita porra. Deixou ela toda lambuzada.
Depois ficaram deitados alguns minutos e minha esposa foi ao banheiro. Logo ele foi atrás dela e daí eu não conseguia ver nada e mal podia ouvir o que eles diziam porque o barulho da água do chuveiro encobria tudo.

Só dava para ouvir algumas coisas como ela falando alto:
– Não, aí dói muito, pára.
Logo imaginei que ele queria comer o cuzinho dela.
Depois de uns 10 minutos os dois voltaram e minha esposa foi direto na direção do meu criado mudo e pegou o tubinho de KY que eu uso quando como o rabinho dela e deu pra ele.
– Põe devagar que se pau é muito grande.
Ela disse isso e ficou de quatro na cama abrindo as nádegas com as duas mão escancarando seu cuzinho pra ele.
Nessa altura eu já estava batendo mais uma punheta.

O Alberto lambuzou bastante o rabinho da minha esposa, depois lambuzou seu próprio cacete e enterrou tudo nela. Vi seu pauzão desaparecer dentro do cuzinho da minha esposa que gemia :
– Devagar seu tarado, ta me rasgando toda seu cavalo, devagar.
– Nossa, que cu delicioso e apertado, seu corninho não te come não?
– Come, mas o pau dele é pequeno… vai devagar, assim….
– Toma vadiazinha, geme gostoso no meu cacete….
– Vaaaiiii, mete, me rasga toda… assim, mete tudo….
– Uuuiiiiiiii… que cuzinho delicioso, vou te encher de porra….
– Vem meu macho…. me da sua porra, fode sua puta….
– Toma cadelinha, assim… aaaaiiiiiiiiiiiiiiii
– Goza gostosão, isso… quero sua porra….

Claro que nessa altura eu gozei de novo vendo minha esposa gemendo no cacete do Alberto.
Nunca pensei que ela se tornasse a puta que eu estava vendo.
Esperei os dois descansarem e voltar pra sala e então resolvi voltar pra casa.
Nunca imaginei que eles ainda não tinham acabado.

Quando abri a porta e entrei na sala minha esposa estava ajoelhada no chão mamando de novo no cacete do cara.
Claro que foi uma cena muito desagradavel e tenho que conviver com isso todo dia. Sempre que encontro o Alberto fico imaginando o que ele pensa de mim.
Claro que sou um corno, mas ele não precisava saber não é mesmo??’