Eu e minha filha a merce de bandidos


Click to Download this video!

Pedi para meu amigo passar esse e-mail para vocês. Foi uma experiencia que tive há alguns meses. Meu nome é Rafaela, tenho 32 anos e morava em São Paulo. Sou atriz e trabalhava para uma produtora de comerciais bastante conhecida. Naquele dia eu tinha ficado ate tarde gravando um comercial para um produto de limpeza. Sai, entrei no carro e fui para minha casa. Sou separada, moro com minha filha de 14 anos, que ficava todas as tardes com a empregada enquanto eu trabalhava. Entrei. A casa estava

toda escura. Achei estranho. Nem sinal da Luana (minha filha) e da Angélica (a empregada). Então ouvi um choro baixinho vindo do quarto da Angélica. Fui até lá e me deparo com uma cena que não me sai até hoje da cabeça: minha filhinha, nua, com os braços e as pernas amarrados à cama de modo que ela ficava como um “X”. Os olhos inchados de tanto chorar.
Ela não disse nada, nem ao menos me percebeu no quarto. Desesperada corri até ela perguntando o que acontecera. Aí então, quando me viu ela gritou: “Mãe me tira daqui antes que a Angélica chegue!!” “Mas o que ouve Luana, Meu Deus, foi ela que te deixou nua?” Não teve tempo de Luana responder, Angélica apareceu no quarto junta com um homem magrelo e feio segurando uma arma. A mulher riu e disse: “Dona Rafaela, que bom que a senhora chegou para se unir à nossa fantasia!” ” O que vocês fizeram com minha filha sua doida?!?!” perguntei tremendo. ” Ainda não fizemos nada, Dona, Estávamos esperando por você. Eu e o Aldair estamos chapados e eu to cansada de trabalhar o dia inteiro proce pra ganhar uma mixaria.” O homem, esse Aldair, veio até mim e disse calmamente para eu tirar a roupa toda. Eu me neguei e disse q ia chamar a policia então ele me deu um tapa, segurou-me pelos meus ombros e me chaqualhou gritando pra eu obedecer se não Luana e eu iamos morrer. Então eu obedeci. Tirei toda minha roupa, enquanto Angélica ria ao lado da porta. Eu perguntei o que eles queriam de mim e da menina.
Aldair riu, olhou para Angélica e estah foi tirando a roupa toda também. Ela ficou nua e tinha a vagina toda peluda, mal cuidada, porém um belo corpo. Ela caminhou mais perto de mim, olhou nos meus olhos e acariciou de leve meu seio. Aquela situação era terrivel. Minha preocupação maior era com Luana q não parava de chorar naquela posição absurda. Angélica se sentou no chao com as costas encostadas na parde e Aldair disse: “Vai lá tia, e chupa ela!! Chupa direito se não eu te estouro a cabeça!!” Aquele louco queria q eu chupasse a vagina da Angélica!!! Eu nunca tive nenhuma relação com mulher, tinha nojo!! Era impensável para mim, mas então ele se sentou ao lado de Luana e me apontou a arma. Não pude fazer nada, me cheguei perto de Angélica, que abriu as pernas e com as mesmas trançadas sobre meus ombros baixou minha cabeça até aquele chumaço de pelos.
O cheiro era diferente. Cheiro que não posso explicar. Minha lingua atingiu seu grelho e ele se contraiu então comecei com movimentos rapidos mas de leve. Aldair gritou para eu engolir aquele grelho se não ele estourava a Luana, então eu o fiz. O líquido da vagina de angélica tinha um gosto diferente de tudo q eu já experimentara, e escorria aos montes até seu anus. Os pentelhos ficavam meladaos e ela gritava feito louca. Lá estava eu, uma mulher linda, desejada por vários homens, atriz, de quatro fazendo sexo oral com minha empregada na frente de minha filha de 14 anos que chorava sem parar. E o pior… Eu estava exitada. E, Aldair, percebendo isso me encochou, com as calças baixas. Senti seu membro duro nas minhas nádegas. então um medo horrivel me atingiu. Eu parei de lamber Angélica e pedi pelo amor de Deus q ele não fizesse aquilo, mas ele não ouviu e colocou aquilo dentro de mim de uma vez. Minha vagina ardeu ateh com a estocada. Então lágrimas escorreram dos meus olhos enquanto ele me fodia como um animal. Meu útero doia pois ele é baixo, mas ele não parava. Não parava… Mas aí a surpresa, algo q nunca tinha me acontecido aconteceu: um orgasmo, seguido de vários outros.
Eu, q sempre fingira para meus parceiros. Eu q nunca havia tido sequer um orgasmo estava tendo naquele momento, sendo estuprada. Um sorriso me escapou e fiquei um pouco surda para os gritos de Luana q clamava por misericordia pela mãe. olhei aquela vagina peluda melada na minha frente, e sem q me pedissem a engoli, mordi seu clitoris e engoli seus orgasmos, enquanto os meus não paravam de chegar pela vagina. Minhas mãos apertaram aqueles seios fartos porém caidos. Então aldair parou e correu batendo punheta até miha filha. Angélica me agarrou e me prendeu com as pernas enquanto eu via aquele feioso gozar na cara de minha filhinha. Eu gritava para ele parar mas ele não ouvia. Gozou na cara dela e na boca que ela apertava junto com os olhos para nao engolir. Ele gargalhou olhando pra mim e disse: ” Você reclamou, reclamou mas bem que gostou de chupar uma boceta né, tia. Quero ver então você chupar a bocetinha virgem da sua filha!” Eu o xinguei, mandei-o a merda, mas então ele engatilhou a arma na cabeça da Luana. eu não pude fazer nada…
Cheguei perto de Luana. Ela me olhava com uma carinha tão tristonha, amarrada na cama. Eu cheguei perto de sua vagininha depiladinha, virgem… Aldair mandou que eu me apressasse e eu o fiz. Encostei a língua no clitóris de Luana que fechou os olhos. Eu lambia e vou lhe confessar uma coisa: tudo aquilo que senti de bom na vagina de Angélica senti mil vezes mais forte na vagininha de minha filha. Aos poucos ela foi se lubrificando. Foi ficando melada e, por mais que eu chorasse eu estava ficando muito molhada e tive um orgasmo involuntário no momento que a vagina de Luana se Contraiu como um vibradorzinho e começou a escorrer seu gozo pela vagininha. Ela estava gostando também. olhei um sorriso em seu rosto. Seu batimento cardíaco estava a mil. E ela levantava o corpo colocando a vagina mais perto de minha boca quando eu tentava me afastar. Aquilo era irreal. Angélica e Aldair riam da minha cara. Angélica chegou perto da gente e começou a chupar os peitinhos de minha filha. Lambia e chupava.
Então começou a lamber o esperma na cara de Luana. Levei um susto ao ver a língua de Luana se encontrar com a de Angélica. Ela estava gostando! Tanto ou mais do q eu. Então eu coloquei meu dedo do meio em seu anus enquanto chupava sua vargininha e ela foi ao delírio. Aldair me puxou pelos cabelos
e me tirou da Luana, então Angélica tomou o meu lugar. Aldair colocou seu penis na minha cara e me mandou chupa-lo. Ele tinha apenas uns 14cm, mas me dera todo aquele prazer. Então eu o abocanhei e chupei. Chupei melhor do que já havia chupado outro antes. Chupei seus testículos, a cabeça eu lambia e chupava. Ele gritou para angélica “Poe a menininha de quatro aí!” Eu parei assustada. Ele não podia fazer isso! Luana era virgem e foi o que eu gritei! Gritei que ela era virgem que ela não podia fazer isso.
Ele apenas riu e disse: “Tanto melhor, então não vou tirar o cabaço dela não. Não sou tão ruim assim” e riu. Foi até Luana, que estava posta de quatro e que tinha voltado a chorar colocou seu pênis entre suas nádegas e começou aos poucos a enfia-lo em seu anus. ela chorava, mas eu chorava mais do que ela. Ele não tirou sua virgindade, mas fez pior. Metia o membro no anus de minha filhinha de 14 anos e metia como um doido. Eu agradecia pelo fato dele apenas ter uns 14cm, mas mesmo assim estava sangrando e eu chorei mais que ela. Angélica ria, mas eu vi a arma posta de lado. Num ato doido eu corri até a arma e disparei, errei todos os tiros mas foi o melhor que pude, pois Angélica e Aldair fugiram feito loucos. Eu desamarrei minha filha, nos abraçamos e choramos até o dia amanhecer. Então uma semana depois vendemos tudo o que tínhamos e nos mudamos para Uma cidadezinha no Interior dos EUA para tentarmos esquecer todo esse horror que nos aconteceu, mas que por um lado foi bom…
Hoje, eu e Luana nos descobrimos e trocamos prazeres que nenhum homem nos poderia dar… Exceto John Boy, o namorado dela, o qual já participou de uma de nossas aventuras sexuais semana passada. Nós três tivemos muitos orgasmos. É isso. Um beijo meu e de Luana e um conselho: olhe bem quem vocês contratam para trabalhar na sua casa.”