A gordinha e os pedreiros safados

Click to this video!

Como todo mundo já bem sabe, sou uma menina de pouca idade, não muita, e sou uma putinha das boas!!! Sou uma menina gordinha, branquinha mesmo, não sou morena, e tenho em abundância a preferência brasileira: a bunda! Por causa dela, meu pai já me comeu, meu irmão, meu primo, uns colegas da escola, e até uns pedreiros bem safadões! Essa última eu não fui muito a favor não. Foi forçado. Quase um estupro. Mas sabe como é, né, putinha não escolhe pra quem vai dar, mas de que jeito e em que posição! Pois é. Um belo dia, eu estava sendo fodida pelo meu pai no quarto, uma delícia… e de repente, um carro bateu no muro da casa. Arrebentou tudo. A gente foi ver, eu correndo com goza pelas coxas, e ele coberto com o lençol. O carro era roubado, e foi embora varado. Sobrou apenas os pedaços de muro no chão. Entramos. Papai ligou pra um amigo que conhecia uns pedreiros, e eles vieram. Dois gigantes. Um negão fortão, e um coroa barrigudo, feio demais. Papai recepcionou eles normalmente, sentaram e combinaram tudo ao som de funk proibidão. Os caras olhavam pra mim direto. Tudo ok, papai foi trabalhar, e eu fiquei em casa, pois estava gripada e nao fui pra escola. (eu tinha 15 anos). Fiquei olhando eles trabalharem. Descuidada, fiquei só de camisolinha curta.
Fui lá perguntar se eles queriam água. O coroa pôs a mão no saco e perguntou se eu não queria leite. Riram de mim pacas. Eu não gostei deles. Na hora deles almoçarem, eu tava lavando os pratos, e os dois cochichavam sobre mim. O negão falou: “Ei, garota, você não é a Daniela, a putinha que dá pro pai e pra todo mundo?” Eu sorri, elegre por ser conhecida! Eles riram, e o negão veio atrás de mim apertando minha bunda. Passou a mão debaixo da camisola e ficou se esfregando no meu rabo. Aí, ele falou pro velho: “Ô véio, ela é mansa!!!” Aí foi foda! Os filhos da puta começaram a me apertar, tiraram minha roupa, fiquei peladinha. Os dois tiraram os paus pra fora. Que horror! O coroa veio primeiro, com aquela coisa nojenta, peludão, cabeçudo, e pôs na minha boca! Enquanto isso, o negão foi por tras de mim e meteu aquela coisa gigante na minha xota. Arebentou tudo. O cara metia forte mesmo!!! Ficaram ali um bom tempo. Fodendo minha xota, e eu fazendo boquete. Aí, o coroa tirou a pica da minha boca e foi pra trás de mim. Gelei na hora! O velhote enfiou o pau no meu cu!!! Doeu pra caralhoooo!!!! Eu nem me mexia, duas toras em mim! Só pude gritar, mas o velho safado tapou minha boca. Me xingavam de puta, piranha safada, entre outras coisas. Me foderam com violência. Eu chorei, gritava pelo meu pai, mas eles riam, debochavam e tudo. Passou um bom tempo com aquele inferno. Os dois saíram, fiquei aliviada, mas eles apenas trocaram de buraco!!! De volta pra meteção dolorida e humilhante. O pau do negão no meu cu tava entalando. Era muito grosso, eu tava ficando toda arregaçada!!! As lágrimas rolavam… era quase um estupro, se não era!!! O velhote gozou na minha xota, e bateu na minha cara. Gritou comigo, falou palavrões… depois foi o negão, gozou no meu cu. Era goza que não acabava mais!!! Entupiu meu cu, escorreu pelas minhas coxas, caiu no chão… e ele era fortão, parecia um cavalo, batia mesmo na minha bunda.
Pararam. Foram trabalhar, depois de dar na minha cara, me xingar de “minha putinha safada”, e me deixar caída no chão da cozinha pelada, coberta de goza, toda esporrada. Não conseguia nem levantar direito, tava toda dolorida, meus buracos tavam arreganhados! Fui pro meu quarto, chorei, tomei banho, e fui dormir. No dia seguinte, meu pai foi trabalhar, e eles subiram no meu quarto!!! Já foram com as picas duras pra fora. Não me mexi. Já vieram rindo. O negão puxou meu cabelo, e abocanhei o tarugão dele. Comecei a chupar. Eles riam muito, debochavam. O coroa também pôs a pica na minha cara. Eu reclamei, e ele deu um tapa na minha cara, e disse “cala a boca, vadia”!! Chorei. Zoaram muito: “Ah, o bebê tá chorando, mas na hora de levar no rabo, a putinha gosta, né…” Me jogaram na cama de quatro, e o negão já foi enterrando na minha bunda. Chorava, pedia por favor, e eles riam. O velho barrigudo subiu na cama e bateu com o pau no meu rosto. Tava doendo. “Chupa, piranha, chupa!!!” Abri a boca e ele enfiou o pau. O negão socava com força, pra machucar, bem rápido!!! Aguentei aquilo por uns 15 minutos. O velhote nojento gozou na minha cara. Mandou engolir. Obedeci aos prantos. Goza fedida, gosto horrível. Enquanto isso, o negão me arrombava toda. Ele fodeu como doido, animal nojento, violento pra caralho! Até que ele puxou meu cabelo, quase arrancou minha cabeça pra trás, e começou a jorrar porra dentro da minha bunda! Gritei só “AAAAAAAHHHHHH…”… Fiquei imóvel como da outra vez. O cara só parou de socar quando eu caí com a cara na cama. E assim se seguiu por duas semanas. Pedi ao meu pai pra chamar outros pedreiros e ele trocou. Fiquei aliviada. Tomei ódio daqueles dois animais, mas não me esqueço daquelas piroconas enterradas na minha bunda. Sonho ás vezes com aquelas gozadas incríveis dentro do meu cu, coisa maravilhosa!!! Putinha mirim, projeto de piranha, tudo isso posso ser, só sei que A – DO – RO tomar nessa minha bunda grande!!! A – DO – RO levar jatos de goza dentro desse rabão. Sou louca mesmo. Devassa. Simplesmente amo. Pra quem quiser conversar comigo, pode me adicionar no msn: [email protected]… amo conversar não só com homens, mas também com meninas, mulheres, e até com travestis sobre sexo anal, essa delícia da vida!!! Beijos e obrigada por ler um pedacinho da minha vida!!!