Perdendo a virgindade no colégio e se tornando uma vadia


Click to this video!

Olá pessoas, eu confesso que estou um pouco nervosa escrevendo este meu primeiro conto que aconteceu uns anos atrás.
Primeiro irei me apresentar, chamo Laís (fictício) tenho 24 anos, sou loira cabelos liso, médios e um pouco cheio na raiz, olhos azuis e uma boca pequena, tenho 1,75 de altura, 53 kg bem distribuídos pelo corpo, cintura um pouco fina, busto natural, seios macios médios do biquinho rosado bem gostosos, um bumbum médio arrebitado e uma xoxota deliciosamente rosa com pêlos púbicos em forma de um triângulo pequeno e sou bissexual (descobri meu tesão sobre as mulheres ainda quando eu tinha 14 anos) além de amar um boquete num caralho gostoso e uma dá chupada na xoxota molhada, também sou meiga, carinhosa (em todos os sentidos), ao mesmo tempo que sou inteligente sou lerda pra pensar, alegre, espontânea, divertida e safada. Ás vezes me faço de difícil e tímida, mas sou completamente uma puta na cama.
O relato que vou narrar aconteceu uns anos atras, eu tinha 14 anos e cursava o ginásio. Desde os meus 14 anos eu me considerava uma vadiazinha pois eu ficava quase o tempo todo abraçado com um menino, beijo no rosto e de vez em quando eu ficava me esfregando neles, principalmente quando não tinha nenhum professor ou inspetor por perto e eu fazia isso as vezes em uma rodinha de conversa. Aos meus 14 anos eu sabia de algumas coisas relacionadas ao sexo tipo posições, sexo oral entre outras coisa que eu tive minhas primeiras experiencias com a minha prima. Com 14 anos meu corpo ainda estava em desenvolvimento mas eu tinha seios e bunda pequenas, 1,69 de altura na época e mesmo assim os meninos me chamavam de gostosa, eu curtia demais. Tinha um garoto chamado Diego ele era forte 1,72, branco e muito bonito, ao mesmo tempo que ele era esperto era burro, mas engraçado, mulherengo e muito amigo mas sempre deixava alguém na mão. Ele sempre dizia que um dia ele iria me comer e eu não sei porque eu dava um selinho nele e ainda falava ‘veremos’.
Um dia arrumando o quarto do meu irmão mais velho, eu tinha achado uma caixa com diversos filmes pornôs e coloquei no dvd e fiquei assistindo, como estava sozinha em casa passei a tarde toda me masturbando e pensando numa transa com o Diego e com os outros garotos da minha sala, Victor, Caio e etc, mas eu ainda era uma virgem e ficava bastante pensativa e nervosa sobre isso.
Num dia no colégio era aula de educação física, o colégio tinha regras muito rígidas, como usar roupas bem comportadas, andar com a camisa do colégio, roupas apropriadas para fazer educação física, e os alunos trocariam as roupas no vestiário. Como dizia era dia de educação física, no fim da aula todos foram se trocar no vestiário que sempre no vestiário feminino rolavam diversas conversas incluindo sexo, o papo tão descontraído que eu percebi que era a única a estar seminua, todas saíram do vestiário e fiquei sozinha me trocando, eu escutei um barulho na porta mas não me importei e quando chega por trás de mim me dando um puta susto ele: Diego.
Eu estava de sutiã e short jeans e nem fiquei com a “frescura” que muitas mulheres tem de ficar de sutiã e quando aparece um homem fica se escondendo. Mas então eu perguntei à ele:
– Oque você tá fazendo aqui?
– Percebi que tinha alguém aqui ainda e fui ver quem era e vim aqui!
– E se te pegarem?
– Relaxa bebê (era assim que ele me chamava) ninguém vai me pegar aqui!
– Então tá!
– Mas, hein bebê, você é mais gostosa do que eu pensei!
– Haha seu bobo!
– Quando que eu vou te comer hein?
– Não sei!
– Acho que vai ser hoje!
– Nem…
– Deixa eu ver essa bundinha, deixa.
– Não. Pra ser sincera, tenho um pouco de vergonha, pois eu tenho a menor bunda da sala!
– Mas é a menina mais bonita da sala!
– Ain brigada!
– Não tem de que, agora deixa eu ver esse popóti. – Ele falava passando a mão da minha bunda, eu tirava mas ele colocava de novo, eu estava com a minha camisa na mão, ele pegou de mim e falou:
– Então bebê vai ficar sem camisa!
– Então bebê vai ficar triste!
– Mostra a bunda neném!
– Tá eu mostro, mas para de passar a mão!
– Ok. – Abri meu short jeans fiquei de costas e abaixei deixando só a bunda empinada à mostra. Fiquei olhando pra ele e percebi que o desejo dele em mim era grande. Diego não resistiu e meteu a mão, eu tentei sair fora mas não resisti também. Ele abaixou o meu short até em baixo e ficou atrás de mim roçando seu pau duro na minha bunda suas mãos em meus seios me deixava louca de tesão, meus biquinhos estavam empinados e minha xoxota estava começando a ficar molhadinha, virei de frente pra ele com uma respiração ofegante Diego colocou o meu corpo com o dele sua mão na minha bunda e as minhas nos seus ombros e falei:
– Pode devolver a minha camisa?
– Tá mais, vai ter que mostrar seus peitos!
– Ah não. Vamos fazer algo melhor!
– Tipo oque?
– Isso. – Me ajoelhei e abaixei as calças dele que ficou de boca aberta, não acreditava que eu estava fazendo aquilo. Eu abaixava suas calças devagar, quando eu tirei as calças dele vi aquele caralho dele duro que nem pedra, tinha mais ou menos 15 cm com uma grande cabecinha pontuda. Eu masturbei ele por uns segundos e coloquei na boca, eu tinha adquirido experiencia com os filmes pornos do meu irmão. Comecei a mamar naquele caralho devagar e fui aumentando a velocidade, eu chupava com uma fome querendo o pau do Diego me fodendo, Diego me pega pelos cabelos e enfia seu pau na minha boca pressiona minha cabeça contra o seu pau. Como não tínhamos muito tempo, ele me levanta e abre meu sutiã deixando meus seios de fora, ele dá uma mamadinha nos meus pequenos seios da época, me deixa com a bunda empinada eu me apoiando nos armários, Diego coloca minha calcinha de lado e dá uma lambidinha na minha xoxotinha antes de me foder, ele ajeita seu pau e começa a meter devagar e foi aumentando a velocidade da metida, a dor era pequena, minhas pernas tremulas, de olhos fechados e nervosa sem poder gemer eu conseguia ficar me segurando, começava com dor e depois ficava gostoso. No momento em que ele metia rápido, sentia escorrer um líquido quente na minha perna, mas não vi oque era, apenas passei a mão e limpei na calcinha, ele metia com um voracidade, depois de tanto tempo dele passando a mão na minha bunda e finalmente me comer. Ele anuncia que ia gozar e falou que ia gozar na minha xoxota e eu disse que não era pra gozar na minha boca, ele tirou o pau de dentro da minha xoxota e eu rapidamente me ajoelho, ele me puxando pelos cabelos se masturba eu olho diretamente pra cara dele com a boca com sede de porra, quando ele finalmente goza e foram três jatos, o primeiro vai nos meu lábios, o segundo vai dentro da minha boca e o terceiro nos lábios novamente, coloco toda porra na minha cara dentro da boca e engulo tudo. Logo volto dar uma chupadinha no pirulito dele e para se despedir um beijão de língua. Me arrumo e volto pra sala de aula.
Na troca de professor, eu peço permissão para ir ao banheiro e vou com uma amiga a Juliana que chamarei de Ju. A Ju ela é lésbica, tem a minha altura cabelos médios e olhos castanhos tinha seios grande pra nossa idade e uma bundinha média lindamente arrebitada e é uma das minhas melhores amigas ou a melhor amiga que eu tive e foi com ela que tive minha primeira relação lésbica mas conto isso depois, mas naquele ano ela diz que não tinha se despertado interesse nas mulheres que eu discordo, sempre que rolava uma oportunidade agente dava um selinho. No banheiro Ju retocava a maquiagem e conversávamos quando eu contei à ela sobre oque rolou comigo e o Diego:
– Ju preciso te contar uma coisa!
– Que foi amiga?
– Eu perdi meu cabacinho!
– Sério? Com quem? – Ju ficou com os olhos arregalados ao ouvir isso!
– Com o Diego!
– Quando isso?
– Hoje.
– Como?
– Quando todo mundo saiu do vestiário ele entrou lá e me viu de sutiã e short, mostrei a minha bunda, ele apalpou os meus seios e metemos, mas por pouco tempo!
– E doeu?
– Um pouco, mais foi ficando gostoso!
– Meu Deus, você é uma puta mesmo né!
– Oque que ‘cê’ tá falando você perdeu com 12 anos!
– Mas o meu foi na cama!
– Com dois?
– É por isso que não fico com mais ninguém!
– Ain não fala assim, você vai encontrar alguém, você é muito nova ainda!
– Eu preciso te confessar uma coisa, mas prometa que não vai contar pra ninguém!
– Prometo.
– Ontem eu e a Karine, nós estávamos conversando rolou um escurinho acabamos nos beijando.
– Sério? A Karine é lésbica?
– Não mas acho que é bi! Será que eu sou lésbica?
– Você sente atração por mulher?
– Mais ou menos.
– Ju não importa se você for lésbica, oque importa é a sua família te amando do jeito que você é. Eu vou ser sua amiga do jeito que você é!
– Ain brigada. – Nisso nos abraçamos, mas o momento emocional acabou com o Caio (mesma altura e físico do Diego, branquelo, cabelo preto arrepiado e lindos olhos verdes) entrando no banheiro feminino.
– Meninas por favor se beijem!
– Ah Caio oque você quer?
– Loira, eu quero que role um beijo lésbico aqui, lésbicas me excitam!
– Não to afim! Te espero na sala tá? – Disse Ju, ela me deu um beijo no rosto e saiu do banheiro ficou eu e o Caio.
– É fiquei sabendo oque rolou com você.
– Oque?
– Não se faça de desentendida, o lance entre você e o Diego
– Como você sabe?
– O Diego me contou e ouvi você contar à Ju!
– Olha, eu faço tudo que você quiser mas não conta pra ninguém!
– Tudo o que eu quiser?
– Tá nem tudo.
– Você falou tudo oque eu quiser. – Ele se aproximou de mim e me agarrou, ficamos nos olhando diretamente no olho, eu sabia que o Caio queria mas eu pensava dois num dia só é demais. Ele começou a passar a mão na minha bunda e ai eu falei:
– Que se dane. – Lasquei um beijo de língua nele que retribuiu o beijo, Caio apertava a minha bunda e eu massageava o pênis dele por cima da calça, senti aquele caralho endurecendo na minha mão, fiquei louca. Caio abriu e abaixou o meu shorts só deixando a minha bunda de fora, levantei a minha camisa mostrando o meu sutiã ele sem perder tempo abaixa o meu sutiã e caindo de boca nos meus seios. Caio juntava e chupava meus seios enquanto me masturbava, fiquei molhadinha na mão dele. Caio fechou a porta do banheiro e botou seu pau pra fora logo eu vi aquele caralho curvado pra cima com uma bela glande, nem pensei duas vezes caí de boca naquele caralho, fui enfiando tudo na minha boca e tirando bem devagar, Caio pressionava a minha cabeça contra seu pau, me pegava pelos cabelos e metia sua deliciosa rola na minha boca. Ele me levanta e me beija, deixa a minha calcinha de lado e bem devagar penetra seu caralho na minha xoxota, ouvimos um barulho na porta do banheiro logo entramos num box. Caio tirou o meu short, me levantou e eu prendi minhas pernas em volta dele que começou a meter bem devagar e foi aumentando a velocidade, ficamos mais ou menos 10 minutos e ele falou bem baixinho que ia gozar, ele tirou o pau dele e gozou na minha xoxota, não dentro por fora. Eu passava a mão na minha xoxota e lambia os dedos com a porra dele. Nos arrumamos e eu fui ver se tinha alguém no banheiro, não tinha e ele saiu tranquilamente.
A última aula foi vaga, mas não nos liberaram para ir pra casa. Descemos para o pátio, eu estava acompanhada com as minhas e Victor (loiro, na época tinha um cabelo dos Beatles, 1,70, forte atlético e muito bonito) pedindo licença e para conversar comigo.
– Licença gente, Laís posso conversar com você… Em particular?
– Pode.
Subimos pra sala, enquanto estávamos subindo para sala Victor pegou a minha mochila e sem ninguém perceber subimos agarrados, eu na frente e ele atrás. Chegamos na sala sentamos e começamos a conversar, Victor jogava diversas cantadas pra mim e riamos, ele dizia que queria um compromisso sério e não uma série de ficadas, mas eu sempre pulo fora de namoro sério, pois o único namoro sério que eu tive acabou os dois magoados então eu evito esse tipo de coisa e sempre queria algo casual. Então Victor me fez uma proposta:
– Então você quer algo casual? Então vamos namorar casualmente!
– Como vamos fazer isso?
– Simples, namoramos normal mas sem que a coisa fique séria.
– Gostei. Mas como começaremos.
– Tá. Levanta. – Levantei. – Agora feche seus olhos. – Eu fechei e ele agarrou a minha bunda e deliciosamente me beijou e de língua, fiquei com as mãos em sua nuca enquanto Victor ficava com uma mão na minha bunda a outra na minha coxa. Ficamos alguns minutos se beijando e logo paramos. Fiquei com um sorriso de safada, eu olhava diretamente para os seus lábios e olhos ele sacou e falou:
– Se me permite, posso?
– Oque?
– Isso. – A mão dele subiu e deu uma pegada gostosa nos meus seios eu dei um leve gemido, ele olhou pra mim e falou:
– Tá agora, você senta e fecha os olhos. – Sentei e fechei meus olhos e ele disse:
– Amor, só sinta não abra os olhos.
– Tabom. – Victor levantou a minha cabeça e me deu um selinho e, depois de alguns selinhos nos beijamos, ele pegou nos meus seios de novo e falou:
– Você gosta amor?
– Uhum.
– Quer ver uma coisa?
– Oque?
– No três você abre os olhos ok?
– Tabom.
– Um… Dois…. Três. – Abri e vi, seu pênis pra fora totalmente ereto, fiquei de boca aberta ao ver aquele caralho grosso e grande, não muito grande mas uma boa média pra garotos de 14 anos. Eu peguei em seu pau e comecei a masturbar ele bem de leve e conduzi até a minha boca, comecei bem devagarzinho lambendo a glande e colocando até a metade. Comecei a aumentar a velocidade do boquete, fui enfiando tudo na boca, tirava lambia seu saco, ele me deixou contra a parede e foi metendo seu pau na minha boca.
Tiramos a roupa e fiquei sentada numa mesa com as pernas abertas, Victor me beijou e começou a massagear a minha xoxota que ficou molhadinha, Victor passava os dedos na minha xaninha e dava pra mim chupar pra sentir o gosto do meu melzinho. Ele ficou me olhando nos olhos enquanto ajeitava seu pau na entrada da minha xota, penetrando bem devagar e vai metendo um pouco mais rápido, eu de olhos fechados gemendo bem baixinho e pedindo pra ser fodida:
– Vai amorzinho mete gostoso, fode minha bucetinha fode.
– Tá gostando de ser fodida?
– Tô, mete gostoso amor mete.
– Você é muito gostosa que delícia de bocetinha, olha os peitinhos.
– Gosta dos meus peitinhos gosta? Quer dá uma chupada? – E ele caiu de boca, Victor metia e lambia os biquinhos do meus seios, chupava e me fazia me sentir mais excitada ainda.
Victor parou de meter e sentou na cadeira, eu fiquei de frente pra ele ajeitei o pau dele na minha xoxota e comecei a sentar naquele caralho gostoso, eu sentava e gemia muito, novamente Victor lambia os meus peitos e eu sentava gostoso no caralho dele, rebolava e gemia. Comecei a gozar no caralho dele que falou que não estava aguentando mais e iria gozar, rapidamente eu sai de cima do caralho dele, fiquei ajoelhada e ele botou pra eu mamar de novo, mas eu mamei gostoso naquele caralho que até hoje eu não esqueço. Ele bateu uma e gozou na minha boca, eu engoli toda a porra dele e lambi os meus lábios. Iniciei um pequeno boquete e ele gozou bem pouca porra
Nos arrumamos e ficamos nos beijando por pouco tempo, ele falou que queria repetir isso e queria comer meu anelzinho. Eu disse que queria repetir isso mas fiquei indecisa sobre dar meu anelzinho. Saímos e fomos pra casa nós morávamos perto então fomos juntinhos bem agarradinhos. De noite eu não lembrava mais oque aconteceu nas aulas somente das transas que tive. Eu namorei o Victor por 1 mês, não foi muito bom mas a pica dele sempre engoli quando tinha uma oportunidade.
Bom gente, essa foi a minha primeira vez, na escola e com três garotos em diferentes lugares nunca esquecerei daquele dia maravilhoso que eu tive!
Beijos e até a próxima!