Vendendo a esposa para terminar a ksa


Click to this video!

Eu Jonas(29) moro em Cuiabá, sou casado a dois anos com Carla(24) loira, magra, bunda farta e seios lindos siliconados. Vivíamos em lua de mel, saímos todo fds, bebíamos e fazíamos muito sexo. O tempo foi passando e meu trabalho me deixava cada vez mais ausente, mesmo assim nossos reencontros eram maravilhosos, matávamos a saudade com muito sexo.
Com essas viagens cada vez mais constantes os meus retornos não eram mais tão esperados, foi quando eu comecei a tentar coisas novas e viagens para apimentar nosso relacionamento, mas parece que adiantava por pouco tempo.
Decidimos construir uma casa e isso fez com que gastássemos todas nossas economias e limitou bastante nossos fds de festas e principalmente viagens, onde no final da obra faltava grana pra terminar.
Como íamos freqüentemente a uma grande loja de construções da cidade o dono da loja me recebia muito bem, mas melhor ainda quando eu ia com a minha esposa, ela por sua vez fazia questão de abusar pedindo desconto e sempre solicitando coisas melhores. Quando já não tínhamos grana e as dívidas estavam pela cabeça, ela ficou desesperada pq não tinha como terminar a casa que tanto queríamos.
Íamos com mais freqüência nessa loja de construção e o dono já notava que estávamos passando por dificuldades. A Obra parou e a casa ficou por terminar e assim ficamos sem dinheiro pagando aluguel e devendo várias prestações, sem poder terminar para podermos mudar.
Minha esposa na cidade sempre foi muito recatada, por seu emprego, ela usava sempre roupas comportadas e nunca dava brecha para outros homens cantá-la.
No retorno de uma dessas minhas viagens á percebi diferente e com ar de preocupada, mas não quis questioná-la e eu que não sou bobo, fui logo investigando possíveis mudanças. O primeiro lugar já vi algo errado, o seu celular estava com várias chamadas do número da loja de construção e de um celular diferente. Ai levei o cel até ela e perguntei porque essas chamadas? Ela ficou muito sem graça e disse que tinha pedido o resto do material pra terminar a casa, eu fique puto porque não tínhamos mais grana e ela sabia disso.
Logo ela indagou com uma voz diferente:
-mas amor o senhor Valter disse que não teria problema para fazer o pagamento.
Achei muito estranho e pressionei ela até me dizer a verdade.
Logo ela me confessou que o Sr. Valter que tinha ligado várias vezes oferecendo o restante do material e veio com uma conversa mole de que teríamos como pagar facilmente.
Isso me deixou puto, e peguei o telefone e liguei pro filho da mãe que veio com uma proposta descarada de que poderia pegar o material e que minha esposa era muito linda etc……. e sem deixá-lo prolongar a conversa, fui esculachando ele, dizendo o que ele pensa que somos e disse que nunca mais colocaria o pés na sua loja.
O tempo passou e logo as contas acumularam e não estávamos dando conta de pagar o aluguel, e o término da casa era prioridade, visto também que nosso relacionamento estava se desgastando com tantas dívidas.
Assim conversei com minha esposa dizendo como poderíamos fazer para comprar o restante dos materiais.
Ela disse sem pudor algum:
– amor, vamos procurar o Sr. Valter ele poderá nos ajudar.
Eu fui bem claro e disse a ela que aquele safado quer que vc pague dando pra ele, ela me respondeu:
– Eu sei amor, vc sabe que eu te amo e faço tudo por vc, não teria problema pra mim dar umazinha com ele, por ele ser um cinquentão acho que vai ser rápido e assim ficamos livres de vários problemas.
Aquilo me deixou com uma mistura de raiva e tesão, ver minha esposa maravilhosa dando pra outro homem em troca de material de construção. Pensei bem e questionei com minha esposa se não haveria problema pra ela, ela logo concordou.
Assim, no outro dia fomos a loja do Sr. Valter, que nos atendeu com surpresa e felicidade, nossa lista de compras já estava pronta, ele olhou e disse que era grande a lista, eu logo falei que se não valesse iríamos embora, ele mais que depressa me disse para irmos até a sua sala.
Eu estava muito apreensivo com a situação, pois estava negociando a minha esposa gostosa com o dono da loja, que foi sentando como se tivesse feito o negócio maravilhoso, foi ai que eu disse como seria. Teria que ser na nossa casa e que teria algumas condições, ele indagando perguntou, qual seria? Nada de penetração por trás e gozada na boca. Ele pensou um pouco e concordou dizendo: – blz, mas eu também tenho uma condição: que vc esteja presente na hora.
Fiquei puto pq não queria ver o safado fudendo minha esposa, mas o tesão falou mais alto que a raiva e concordei, combinando para sexta a noite.
Voltamos para casa e fui conversando com minha esposa sobre ela estar tranqüila com a situação e ela disse que eu não me preocupasse que seria rápido, tranqüilo e de boa.
Sexta chegou, o Sr. Valter bate nossa porta que é recebido por Carla que está maravilhosa com um vestido preto curto e calcinha preta ressaltando sua pele branca e macia, me deixando com um ciúme danado. Valter chega dá 3 beijinho e um forte abraço em minha esposa, que o chama para entrar e o serve um taça de vinho, ele há elogia e pergunta por mim, que logo chego, o comprimento sem jeito. O Sr. Valter senta no sofá como se fosse dele e vem com uma conversa mole:
– Jonas fique tranqüilo, estamos aqui fazendo negócio e sei que vc ficará muito feliz morando na sua casa nova, vamos fingir que somos amigos, olhe sua esposa está tranqüila, além do mais a Carla não é a primeira esposa que vou fuder em troca de alguns materiais, vários casais tiveram a minha ajuda pra acabar suas casas em troca de uma bela foda com suas esposas.
O safado já tinha tomado conta da situação, e já foi chegando perto da Carla e beijando seu pescoço que foi arrepiando toda e tacando a mão na sua bunda carnuda e levantando seu vestido. Eu estava paralizado sentado no sofá, vendo o safado esplorando todo o corpo da minha esposa.
Ele a deitou no sofá e abriu suas pernas, retirou a calcinha, cheirou e jogou no chão, virou pra mim e disse: parabéns Jonas que buceta carnuda e gostosa da sua esposa. E foi caindo de boca, retirando gemidos esprimidos de Carla, que se contia por minha presença.
Ele se levantou, e a colocou sentada no sofá, eu olhei e notei um grande volume em sua calça, e quando o safado tirou o cacete pra fora eu e minha esposa nos assustamos, o cacete do velho era enorme uns 22 cm e grosso, minha esposa parou alguns instantes me olhou e o Valter percebendo a situação disse: – Vamos Carlinha cai de boca, ou vc vai me dizer que nunca viu um desse tamanho? Ela deu outra olhada pra mim assustada e começou a chupar, a cabeça q era pequena mais o resto era muito grosso, ela não conseguia colocar nem a metade na boca. O safado olhava pra mim e contemplava a cena de ver minha mulher chupando-o e eu olhando de pau duro. – Carla vc faz uma ótima chupeta, por enquanto ta valendo a pena, disse isso segurando seu cabelo e bombando na boca da minha esposa.
Ele a levantou pelo braço e a colocou de 4 no sofá com a bunda bem empinada e arreganhada, pincelou algumas vz, olhou pra mim e disse: – Jonas vc é sortudo, pode fudê-la todos os dias, mas eu sou mais ainda pq vou fuder a buceta dessa puta em troca de alguns materiais. Dizendo isso ele foi colocando o seu cacetão todo na bucetinha da Carla que se retorcia e enfiava a cara no sofá. Eu pensei que minha esposa não iria agüentar e pedir pra parar, mas para minha surpresa ele enfiou toda aquela jeba e a fodia até o talo que dava pra escutar o barulho do saco batendo. Os gemidos abafados da Carla foram se transformando em gritinhos de prazer e mordi na almofada.
Valter pergunta á ela se ela está gostando, se o seu cacete está satisfazendo a bucetinha de puta dela? Ela não responde e ele pergunta novamente acrescentando: – ta com vergonha do seu marido? Mas ele que está vendendo sua buceta! Após alguns segundos de silêncio, inesperadamente ela olha pra mim e diz, desculpa amor mas ta bom demais…. Valter então volta a perguntar fudendo ainda mais forte, ela sem pudor algum responde: To gostando sim, enche minha buceta com esse cacetão, fode sua puta, vc tem o direito, ta pagando, arromba essa buceta.
Nisso o Valter intensificou as estocadas e foi castigando ainda mais a sua buceta e logo aconteceu o que eu tinha receio, ela despertou um gozo fora do normal, intenso com vários gritos, ele ficou assim por um tempo e a deitou no sofá na posição frango assado foi enterrando todo aquele cacete, achei que a Carla não ia agüentar, mas a safada estava gostando e acomodou todo aquele calibre, que foi bombando forte, era possível notar que a sua buceta já estava inchada pelo castigo de pica, não passou muito tempo e ela gozou novamente, o safado satisfeito olhou pra mim e disse: – acho que a safada gostou do meu pau. Carla arreganhou ainda mais e pediu: – me fode como uma puta merece, tira cada centavo que vc ta pagando. Valer então bombava com mais força ainda com estalos sonoros.
Eu estava me matando de tesão é ciúme por ver minha mulher ter uma bela trepada com outro homem e ainda com a cacete maior que o meu.
Valter então anunciou que iria gozar, e se posicinou na frente de Carla, foi ai que o lembrei da condição, a safada da Carla mais que depressa disse: – eu não impus condição alguma, e já foi chupando o pau dele, que logo jorrou muita porra na boca e no rosto e no cabelo dela, que engoliu e limpou o pau todinho e logo veio se justificando: -amor não poderia perder uma gozada dessa, vc sabe como sou loca por leite quente. Me senti traído mas com muito tesão de vê-la toda lambuzada de porra.
Ficaram os dois ali no sofá descansando e eu fui até a cozinha, e escutei ele dizendo alguma coisa pra ela, assim que voltei o Valter me fez uma proposta: – Amigo Jonas, já que ficamos tão a vontade e a Carlinha gostou tanto, proponho colocar no nosso acordo um bela piscina no seu jardim, claro…..!, se vc deixar eu cumer esse lindo cuzinho rozado da sua esposa. A princípio fiquei puto e depois pensei que a Carla não agüentaria aquele cacetão no cu, pq ela mal agüenta o meu, mas depois de tudo que aconteceu, pensei, não vai ser um mal negócio.
– Já que está tão a vontade, por mim tudo bem, mas vai depender da Carla. Olhei pra safada e ela balançou a cabeça com cara de biscate.
Valer então se posicionou e Carla começou a chupá-lo novamente até o cacete voltar a crescer, que foi rápido. Carla ficou de quatro no sofá com o cuzinho bem empinado e o Valter caiu de boca, lambendo, cuspindo e explorando todas as preguinhas, que eram muitas. Enfiou um dedo e depois dois e tentou o terceiro, mas teve dificuldade, olhou pra mim e indagou: – Jonas vc não come esse cuzinho, pois ta tão apertado, parece que faz muito tempo que não vê pica? Respondi: – a Carla não gosta muito de levar no cu.
– fica tranqüilo Jonas depois de hj vou deixá-lo mais largo pra vc e além disso a Carla vai passar a amar dar o cu gostoso.
Carla então disse: Vai devagar Valter, o seu cacete é muito grosso.
Nisso o Carlos olho pra mim e disse:- olha como vou te provar que vc está enganado Jonas, essa putinha adora dar o cu, foi bolinando a portinha com a cabeça e pincelando, perguntando a ela:
– quer uma piscina linda no seu quintal?
Ela com uma voz manhosa: sim, Sr. Valter.
– então vc quer esse cacetão todinho enterrado no seu cú putinha?
– ela: Enfia ele todinho Sr. Valter.
Ele então apertou a cabeça do pau posicionou no cuzinho e foi empurrando, assim que ele soltou empurrou mais ainda e a cabeça do pau foi enchendo e cresceu dentro o cuzinho, Carla não agüentou e soltou um grito, mas já era tarde, ela tentou sair mas parece que doía mais ainda, quando ela parou Valter empurrou mais e sarcasticamente foi dizendo: – Toma no rabo Carlinha, sente esse cacetão arrombar suas pegras, vc vai ter uma bela piscina, mas em compensação vai perder várias preguinhas hj. Nisso a Carla empinou a bunda ainda mais e o Valter foi bombando no rabo da minha esposa até chegar no fundo. Quando percebi minha esposa estava chorando, tentei interromper, mas o Valter perguntou pra ela: -quer que eu pare putinha, ela choramingando disse: – filho da puta, já arrombou meu cu agora acaba. Valter então subiu no sofá e literalmente montou nela, foi bombando, parava um pouco tirava o cacete olhava o buracão e voltava a bombar cada vez mais forte. Me chamou e disse: – Jonas vem ver o rombo que eu fiz no cu da sua esposa. Quando ceguei perto aquela tora saiu e percebi o rombo, acho q não vai fechar mais.
A Carla já estava descontrolada e pedia: vai filho da puta arromba meu cu, rebenta minhas pregas, deixa esse cuzão bem largo pro meu marido. Carlos ficou louco com essas palavras e começou a prolongar o negócio, tirando o pau do cu e colocando pra ela chupar e voltando a colocar no cu. Nesse vai e vem o safado fudeu o cu dela uns 40 minutos. Visto que ele estava demorando d+ pra gozar ela então me pediu: amor – já que estou toda arrombanda mesmo quero sentir dois paus de uma vez, vem amor, fode minha buceta. Eu já estava gozando sem colocar a mão no pau, deitei no sofá ela encaixou no a buceta no meu pau e o Valter veio por trás, assim que ele enfiou o seu pau, quase expulsou o meu visto a pressão que o cu dela tava sofrendo e o tanto que sua buceta estava larga.
Puta que pariu o tesão foi maravilhoso, sentir minha esposa suada e ainda com um pouco de porra gemendo e levando um cacetão no rabo. Com pouco prazo eu gozei muito, como nunca tinha gozado antes, e continuei ali sentindo minha esposa sendo castigada.
Valter então Virou minha esposa novamente no sofá na posição frango assado e bombou forte no cu dela, e me anunciou que estava gozando, o safado gozou com o pau todo entalado no cu dela e assim que acabou me disse: – essa foi a melhor piscina que vendi, valeu cada prega arrancada, – venha ver Jonas! Assim que ele tirou o cacete, ficou um buraco imenso no que era o cuzinho rosa da minha esposa e saiu um liquido branco com traços vermelhos e marrons. Ele então comentou: – assim que se arromba um cú, arranquei sangue e merda do cú dessa vadia.
Valter, após um breve descanso, se levantou, vestiu a roupa e disse: toda vez que vcs tomarem banho na piscina vão lembrar dessa cena. Deu um beijo na Carla e disse: – passa lá pra escolher o modelo, e se precisar de mais alguma coisa vc sabe que podemos negociar.
Acompanhei o Valter até a porta e até o cumprimentei com aperto de mão como bons negociantes. Carla ficou quase desmaiada no sofá, com o cú todo aberto e ainda escorrendo porra, levei-a para o banho, e percebi que ela pagou caro mas também gostou do que levou.
Hj a casa está pronta, vivemos bem, viajamos e aproveitamos muito, mas toda vz q entramos na piscina lembramos de como ela foi paga.