Violentada Pelo Pedreiro


Click to Download this video!

Tinha um pedreiro muito gostoso trabalhando em uma obra aqui em casa, ele era negro, bem alto e completamente sarado, com gominhos na barriga e tudo. Eu fazia de tudo para chamar a atenção dele, usava os menores shortinhos, tomava banho na hora que ele estava trabalhando perto da janela do banheiro e uma vez até dancei funk só de calcinha e sutiã, com a cortina do quarto aberta, e pude ver claramente que ele tocava punheta enquanto me observava da varanda.
Mas minha intenção era só provocar e seduzir, não queria dar pra ele, e eu deixava isso bem claro quando ele chegava perto de mim para falar alguma coisa. Só que foi ficando perigoso, e reparei que quando acabou a obra, ele me seguia quando eu ía pra escola, ou ficava me observando quando eu saía, e eu sempre tinha a impressão de estar sendo seguida. Então minha amiga me deu um canivete, e passei a andar com ele na bolsa, para me defender caso eu fosse atacada.
Não adiantou nada, um dia eu cheguei da escola, não tinha ninguém em casa e, quando eu ía fechar o portão, ele empurrou e entrou. Eu gritei mas ele foi muito rápido e tapou minha boca, me virando de costas pra ele e falando que eu era puta, que ele iria me estuprar, etc. Pra ser sincera, eu gostei de ser dominada daquele jeito, e gostei mais ainda de sentir aquele negócio enorme crescendo atrás de mim. Pensei em falar pra ele que poderíamos transar sem pressa até alguém chegar, mas preferi continuar na brincadeira de ser violentada.
Então ele me fez abrir a porta de casa, depois fez eu andar até meu quarto e me jogou na minha cama. Eu me debati de brincadeira e fingi resistir, mas ele me deu um tapa forte na cara e ameaçou dar um soco. Saiu sangue da minha boca e fiquei com medo, e a brincadeira começava a perder a graça, mas eu estava molhada, e ele percebeu. Ele botou o pau pra fora e me mandou chupar, e disse que se eu mordesse ele iria tirar mais sangue de mim. Obedeci.
Que pau gostoso, preto com cabeça vermelha, enorme e grosso, era o meu maior até então. Peguei nele e punhetei, e depois chupei com gosto, chupei muito mesmo, fiz o moço se estremecer todo. Então ele perguntou se eu estava gostando e eu disse que sim, e disse que sempre quis dar pra ele (mentirinha com fundo de verdade), mas pedi pra ele continuar como se estivesse me estuprando.
Então ele me puxou pelo cabelo e me jogou na cama, eu caí de bruços. Ele levantou minha saia de qualquer maneira e rasgou minha calcinha (era nova) e deixou minha bunda de fora e pro alto. Os tapas que ele deu doeram, mas era bom, e depois ele socou dois dedos na minha buceta e o dedão no meu cu, me dedando com força. Aquilo também doía, mas minha buceta escorria de tanto tesão, e eu me agarrava ao lençol da cama de tesão, quase gozando.
Só que ele não sabia fazer outra coisa, e continuava dedando no mesmo ritmo, então não aguentei e falei que queria o pau dele logo. Ele então me mandou ficar de quatro e me deu mais tapas na bunda, e em seguida meteu o pau todo na minha buceta. Senti aquele negócio grosso me rasgar toda por dentro, nunca havia sido preenchida daquele jeito, e o tesão que deu foi espetacular. Ele enfiou dois dedos no meu cu enquanto metia, e dava mais tapas na minha bunda que já estava queimando. Eu gritei muito, e gozei inúmeras vezes enquanto o negão me comia.
Ele então gozou na minha buceta, jogou o leite lá dentro e eu pude sentir a pulsação do pau dele. Só que fiquei preocupada com a gravidez e o tesão foi embora. Mas ele não quis saber disso, e logo que o pau dele cresceu de novo ficou forçando na porta do meu cu, e doía muito. Ele cuspiu mas não entrava, então me mandou ir na cozinha pegar manteiga e veio atrás de mim. Eu não queria mais dar, e a porra dele já estava escorrendo da minha buceta, mas com medo de ele me bater, obedeci e dei a manteiga pra ele.
Ele passou manteiga no pau todo e me fez ficar apoiada na pia. Não me empinei, e ele teve dificuldade pra achar meu cu, mas quando achou, enterrou tudo. Senti uma dor horrível, gritei, e a sensação não era boa, ainda mais que a manteiga estava gelada e aquilo era muito estranho. Eu tentei fugir, enverguei meu corpo pra frente, mas ele puxou meu cabelo e ficou socando o pau no meu cu, me mandando ficar quieta ou cortaria meu cabelo com uma faca. Não tive escolha, e ele meteu o pau no meu cu até gozar. Eu não senti tesão nenhum, só dor, e eu estava chorando. Quando ele acabou, disse que ía tomar banho. Eu botei o dedo no meu cu e vi que estava sangrando, chorei mais ainda.
Então resolvi me vingar, vi que ele trouxe uma mochila, então peguei uma pasta de documentos e cartões do meu pai e botei lá dentro. Aí quando ele foi embora, liguei rápido pra polícia e disse que um moço tinha invadido minha casa e roubado alguma coisa, e vi ele pulando o muro. E liguei pro meu pai também. Não demorou e pegaram ele, e fiz questão de ir na delegacia com meu pai recuperar os documentos e rir da cara do pedreiro que me violentou.