Aos 8 anos, ganhei minha primeira siririca e virei a putinha do papai


Click to Download this video!

Olá a todos. Me chamo Selene (pseudônimo) , hoje estou com 46 anos, sou ruiva, 1,56 metros, corpinho de menina, casada e com um filho já adulto. E a história a seguir, é verdadeira em todos os sentidos.
Quando eu tinha meus quatro anos, meus pais se separaram, e eu passei a viver com minha avó paterna, visto que minha mãe era doméstica e não tinha onde morar após a separação. Essa foi uma época difícil, pois minha avó me batia por qualquer coisa, e me tratava como a uma estranha, uma intrusa (Acho que por não gostar de minha mãe), e por qualquer motivo, e ás vezes, até sem, me punha de castigo. Meus pais vinham sempre que podiam, me visitar e essa era minha única alegria. Bom, o tempo foi passando, e meu pai que, lógico por ser casa da mãe dele, vinha muito mais vezes, começou a me levar de carro para passear vez por outra, coisa que eu adorava. Tinha muito carinho por ele, e ele por mim.
Porém, o tempo passou, e aos oito anos, eu já tinha o corpo esculpido, e um par de seios lindos e durinhos, o que atraía os olhares cobiçosos dos meninos e dos marmanjos da área.
Mas, o que eu não esperava, é que atraísse também, a atenção e olhares de meu pai.
Certa vez, em seu carro, ele, me abraçando, passou o braço pelas minhas costas, e pousou a mão na minha coxa, dizendo: Nossa, voce cresceu… Que lindas pernas voce tem… Na minha inocencia dos oito anos, não entendi bem o seu comentário, mas gostei do elogio (quem não gosta de um, né?). Apenas perguntei: Pai, porque o senhor tá dizendo isso? Ao que ele respondeu: Nada não; uma hora, voce vai entender. Deitei então, a cabeça em seu peito, e muito dengosa, fiquei quietinha ali. Era muito bom ter esse carinho dele, pois tinha carência afetiva. Apesar de tudo, senti alí, uma certa maldade naquele gesto e no jogo de palavras. E pior: estava GOSTANDO do que sentia (na verdade, sempre fui muito foguenta). Ato contínuo, ele percorreu minhas pernas e coxas com olhar analítico, e fiquei pensando: Será que ele me deseja? Sua filha? Mas, repudiei a idéia “Que é isso, Selene? Ele é seu pai, isso deve ser coisa natural…” Nos despedimos, ele se foi, e ficou umas semanas sem aparecer, o que me fez esquecer de vez da idéia louca do último encontro. Os afazeres da casa, a rotina, escola, e etc., contribuíram para isso também. A meu ver, a coisa não passaria mesmo, daquele episódio, que seria “besteira da minha cabeça carente”.
Mas, ledo engano… Algumas semanas depois, ele repareceu, e eu, feliz, corri pro seu carro. Estranhei quando ele me levou a uma estradinha de terra, deserta, mas ele era meu pai, ele sabia tudo, e podia tudo… Quando paramos, diferente das outras vezes, meu pai não tinha mais aquele olhar doce; trazia nos olhos uma expressão que eu não conhecia. Ele então, me olhou, me examinando de alto a baixo, de uma forma tão esquisita, que me senti nua diante dele. De repente, ele disparou: “Selene, voce já tocou uma siririca?” Confesso que fiquei pasma, pois, mesmo não sabendo do que se tratava, minha intuição me dizia que era algo “proibido”, e, talvez, gostoso, como tudo o que é proibido. Respondi que achava que não,pois nem sabia do que se tratava. Ele disse, então: Hoje, eu vou te mostrar o que é, e como se faz. Voce vai gostar, mas tem que prometer que isso vai ficar só entre nós, tá bom? Meio desconfiada, e muito curiosa, aceitei o acordo.
Ele então, me mandou abrir as pernas, pois estava de vestidinho, molhou o dedo na saliva, e me mandou tirar a calcinha, coisa que fiz rapidamente, já que sabia que viria sacanagem. Ele então, começou a tatear o canal da minha bucetinha virgem com muita maestria, até achar meu pequenino grelo, e se concentrou alí, fazendo massagens leves, um vai-e-vem, um sobe-e-desce, vigorosa, mas, lentamente. Assim que ele encontrou, eu levei uma espécie de choque delicioso, e fui incendiando por dentro,á medida que ele avançava e mexia mais e mais, aumentando o rítmo, e falando coisas gostosas ao meu ouvido. Em certa altura, quanto mais ele tocava, mais o tesão aumentava; parecia que uma bomba ia explodir dentro de mim, comecei a suar intensamente, fiquei completamente arrepiada, e gozei…. Nossa… Minha primeira siririca, e um gozo tão forte, que quase desmaiei de tesão e prazer… Meu pai, ao mesmo tempo que explorava minha perseguida, pôs o pau pra fora, e começou uma punheta, primeiro, de leve, bem suave, depois apertando mais e mais a cabeça da pica, e era incrível ver como aquilo crescia, dobrava de tamanho… Ele então, tirou a mão da minha buceta, e disse: Agora, voce continua. Comecei eu mesma, a tocar meu grelinho, e ao encarar meu pai, vi aquela cara de safado, que só os machos de verdade tem, aumentando o ritmo da punheta, olhando pro meio das minhas coxas lisas, a buceta toda melada, e as pernas escancaradas ao máximo, para permitir que ele tivesse uma visão completa, e isso me deixou novamente excitada. Na sequencia, e pra se excitar ainda mais, começou a passar a mão nas minhas coxas, nos meus peitinhos (cujos bicos chegavam a doer de tesão), na minha bunda, e minha barriga… onde desse, ele alisava e apertava com uma tara louca. Em dado momento, ele se espremeu mais, se contorceu um pouco, apertou meu seio com mais força, me olhando como a uma puta, e então, eu vi sair aquele jato, um esguicho que me levou á loucura. Meu pai gozou abundantemente (como tinha porra ali…) Deliciada com aquela visão, e aproveitando parte da esporrada quentinha que caiu sobre mim (Que me deu um puta tesão, também), acelerei meus movimentos. Novamente, começou a escurecer a vista, e eu tocando frenética, e olhando ele punhetando aquele pau enorme e lindo, com aquela cabeçona roxa, não deu outra: Gozei de novo; Um gozo convulsivo, prazeroso, sem culpas, ótimo, mesmo. Gozei longa e gostosamente, aproveitando cada espasmo,e convulsão, cada piscada da minha buceta inflamada de tesão, gemendo e urrando como uma cadela no cio, sentindo aquelas coisas deliciosas que só uma mulher que já gozou, sabe e sente. Depois desse dia, me tornei a puta, a piranha, a galinha, a vadia, a vagabunda do papai, e todas as vezes que ele vinha, ficávamos na maior putaria, e no maior amasso dentro do carro, e mesmo, em outros lugares, como no andar superior da casa da vovò, que estava em obras, até chegarmos ao motel. Mas essas, e outras muitas mais, ficam pra outro conto. Bom, espero que tenham gostado, pois tenho muito mais a contar, e todos verídicos. Beijos em todos.