Meu Enteado Fez Eu Virar Sua Puta


Click to Download this video!

Meu nome é Jeane, tenho 27 anos e desde o ano passado, estou junto de Felipe, meu parceiro. No inicio não fui muito bem aceita pela família dele, pois eles me consideravam uma intrusa que veio pra roubar o lugar da mãe de Willian e Guilherme, filhos de Felipe.
Não tinha culpa se a mãe deles tinha morrido. Isso já tinha ocorrido fazia uns 12 anos, e eu acho que meu marido merece ser feliz.
Aos poucos fui sendo aceita pelos filhos dele (ainda sentia que eles não me consideravam sua madrasta). Mas estou muito angustiada com o que me aconteceu. Foi uma manhã quente, e meu marido tinha ido viajar para Curitiba onde ele ficaria dois dias fora (ele faz fretes de produtos). Willian (17 anos) e Guilherme (13 anos) estavam na escola.
Como estava sozinha usava um shortinho curto e uma camiseta. Só usei porque estava sozinha lavando roupas. De repente, a campainha toca. Ao atender vi que era nosso vizinho, o Ademar, que era muito amigo de Felipe. Os dois viviam conversando, bebendo e entravam na casa do outro sem cerimônias. Perguntei o que ele queria e ele me respondeu que seu cachorro tinha invadido meu quintal e se era possível ele entrar para pegá-lo. Como era um Pitbull, concordei na hora. Ele entrou e continuei a separar as roupas pra lavar.
Nisso minha máquina simplesmente parou de funcionar. Comecei a xingar e o Ademar escutou e veio ver o que era. Ao ver o problema, disse que levaria o cachorro e voltaria pra me ajudar. Falei que não precisava, mas ele insistiu. Quando ele voltou, estava só de calção e sem camisa, pois estava quente demais.
Para evitar problemas, fui até o quarto pra trocar de roupa (usar algo mais discreto). Ademar entrou no quarto pra me dizer que estava pronto o serviço, e me pegou só de calcinha e sutiã.
O pior não foi isso. Willian saiu pela porta do quarto, que dá de frente para o meu quarto. Foi uma situação embaraçosa. O Ademar pediu desculpas e saiu. William perguntou o que significava aquilo. Quando tentei explicar ele me disse que a máquina estava funcionando e que era muito esquisito eu estar só naqueles trajes. Comecei a chorar dizendo que era verdade e que não era pra ele contar pro Felipe. William era muito atrevido e o pior veio depois.
Ele tinha chegado mais cedo, e como me viu conversando na lavanderia com Ademar, tinha pegado sua digital e tirado umas fotos, inclusive minhas no quarto, sem que nós tivéssemos visto. Chorei e implorei pra ele não fazer nada com as fotos. Então William me chantageia.
Olha, disse ele, só tem um jeito de acabar com isso. É você, satisfazer todos os meus desejos e o primeiro, era que eu chupasse seu cacete. Eu disse que não que não seria certo. E ele me manda arrumar as malas por que assim que seu pai chegasse, ele iria mostrar as fotos.
Resolvi fazer o que ele me pediu. Ajoelhei-me e comecei a chupar e ele me chamava de puta, boqueteira. Eu aguentava tudo chorando. Ele me xingava e dizia que eu ia ser a puta dele. Mandou-me tirar a calcinha e sentar no cacete dele. Comecei a cavalgar nele e depois de um tempo percebi que ele ia gozar. Mandei-o tirar e gozar fora, mas ele me disse que se eu engravidasse era pra disser que era de meu pai. Pensei: Esse menino é um depravado. Quando pensei que tinha acabado, ele me mandou ficar de quatro, que ia me comer o cu. Gritei e disse que não, e disse que o cu, eu nunca tinha dado pra ninguém. Ele me diz melhor assim vou ser o primeiro. O que me salvou foi escutar que alguém abria a porta. Era o Guilherme. Naquele dia, fugi do Willian o dia inteiro.
Dormi com a porta trancada. Lá pelas duas da manha o telefone toca. Achei que era o Felipe, mas era Willian com o celular dele, dizendo que seu pau tava muito duro e que queria comer minha bunda. Implorei pra ele que me disse que iria acordar o Guilherme mostrar as fotos pra ele. Resolvi ceder, pois pior que isso seria ser posta pra fora de casa.
Willian entrou no meu quarto já nu, e me mandou ficar de quatro. O pau dele era muito grosso (devia ter uns 17 cm) e ele logo foi metendo. Eu, pra não gritar, mordi a fronha do travesseiro.
William gemia muito alto e eu com medo que Guilherme escutasse. Ficamos transando por um bom tempo. No outro dia, enquanto eles foram pra escola, tomei um banho e resolvi fazer as vontades do cafajeste do Willian. Na verdade até estava gostando da situação, pois Felipe era muito carinhoso, mas seu pau imenso (21 cm) então nunca teria coragem de dar o cu pra ele. Willian chegou por volta das 11h30 e eu novamente estava na cozinha cuidando do almoço. Ele veio e me abraçou por trás, me deu um beijo e ficou roçando o seu pau na minha bunda e, como se tivesse me filmando, me olho de cima a baixo, parando seu olhar no meu bumbum disse:
“-Poxa madrasta! a senhora está a cada dia, mais linda!…”.
Era a primeira vez que ele me chamava de madrasta. Respondi:
“-Obrigada.”
Nisso, percebi que Guilherme deu um sorriso sacana. Gelei na hora, mas fiz de conta que não percebi. Naquela tarde enquanto Guilherme fazia um trabalho na casa de seu colega, Willian entrou no meu quarto e nós transamos de todas as formas possíveis. À noite na hora do jantar, Guilherme me olha firme e me diz. Prepare-se que hoje a noite é minha vez.

Olhei rapidamente pra Willian que deu um sorrisinho cínico. Não acreditei naquilo. Minha sorte é que Felipe chegou e atrapalhou os planos deles. Mas não sei o que fazer. Preciso de ajuda, pois Guilherme só tem treze anos e eu amo demais o Felipe. Já li alguns contos que falam sobre sexo com mais novos, mas não sei se isso é certo. Peço ajuda. ([email protected]) Beijos e, por favor, me ajudem.

Meu Enteado Fez Eu Virar Sua Puta 2
Meu Enteado Fez Eu Virar Sua Puta 3