Fazendeiro Que Comeu A Filha Virgem De Seu Empregado


Click to this video!

Em 1998 comprei um fazenda em Primavera do Leste no Mato-Grosso,moro em Rondonópolis e tenho uma fazenda lá também,só que a que comprei em Primavera era menor,com cerca de 30 alqueires de terra,comprei para plantar o que gosto,soja,era um bom lugar e tinha duas casas,uma pro dono e outra para caseiros ou funcionários.
Na época eu consegui um casal com uma filhinha para ficar como caseiros,o homem,José,era experiente e sabia ligar com terra,pois já tinha experiente de outra fazenda e foi indicado por um amigo,sua filha na época tinha 3 aninhos de idade e era uma graça,quando meus filhos iam lá brincavam muito com ela e a levavam para passear.Meus filhos já são grandes,crescidos e estão na faculdade,uma moça de 25 anos e um rapaz de 28,e até hoje eles,os empregados continuam comigo e vi aquela menininha crescer,atualmente ela está com 19 anos,um linda menina,e caipira,devido ao fato de não sair da fazenda,mas muito bonita e de corpo espetacular,o fato de eu a vê-la crescer sempre me deixou com um sentimento de pai com a garota,mas isso foi mudando com o tempo,ela começou a frequentar a escola rural,e a partir dos 12,13,14,15 anos já paquerava os garotos da escola,essa garota com seus quinze anos era um beleza,começou o despertar de uma ninfeta,eu comecei a ver a garota com outros olhos e difícil não imaginar besteira com uma novinha,virgem e linda,aflorando a vida de mulher.Mas é clero que eu os respeitava muito,afinal,não sou um mal caráter,muito pelo contrário,fui criado pelos meus pais de uma forma muito rigorosa,onde a palavra de um homem,vale mais do que qualquer papel assinado e reconhecido firma.
A garota era uma caipira de criação,mas isso não quer dizer que era empacada ao extremos com as pessoas,quero dizer,jacu mesmo,isso ela não era,quando eu digo caipira é pelo fato de não frequentar as baladas,bares,como garotas de sua idade fazem na cidade grande.Eu me casei relativamente jovem,com 20 anos,e até hoje vivo com minha esposa.
Mas as conversas,poucas,diga-se de passagem,com a caipira da fazenda me deixavam meio instigado e querer ficar conversando ainda mais com ela,quando ela estava com 16 anos,seu corpo estava uma delícia e eu ficava imaginando,sexo com a filha do caseiro,eu sabia que ela era virgem e isso me deixava ainda mais louco.
Há cerca de 3 anos minha esposa veio a falecer de derrame cerebral,foi um choque,fiquei sem rumo,minha vida parecia não ter mais sentido,pois eu fazia e trabalhava para dar um vida boa a ela…então em vez de ficar na cidade,eu passava a maior parte do tempo em minhas fazendas,em Rondonópolis eu ia para ver como estava e logo voltava,a maior parte de meu tempo mesmo eu passava na fazenda de Primavera do Leste.
Sempre que ela voltava da escola passava em frente á casa sede,então conversávamos um pouco e quando ela completou 18 anos eu me interessei de vez,porque ela não tinha namorado,me dizia que não gostava de ninguém,e eu falava que estava na hora de começar a namorar:
-Você não tem vontade de namorar?
-Eu,claro que tenho!Mas enquanto eu ficar aqui na fazenda,no meio rural,nunca vou encontrar alguém do meu interesse.
Conversamos bastante e teve um dia que eu a convidei para tomar um café comigo,eu mesmo preparei,tinha bolo,pão e leite fresquinho da vaca também,eu queria de algum modo pegar uma certa intimidade com ela,eu tenho 45 anos e não sou de se jogar fora não…comecei a jogar uns xavecos,falei pra ela que quando ela precisasse de qualquer coisa era só me chamar…ela gostava,afinal,ela sabia que eu tinha condições de ajudá-la,até que teve um dia que ela,voltando da escola,me pediu uma coisa:
-Então,o senhor falou que quando eu quisesse alguma coisa eu poderia falar com o senhor…
-Sim claro que pode,mas não me chame de senhor…por favor né!
-Tá bom….
-Fala,o que quer?
-Eu gostaria de passear um pouco na cidade grande,de dia e de noite,ir em um festa pra ver bastante gente…
-Ah,você quer ir na balada?Em uma discoteca,dançar,é isso?
-É,mais ou menos,eu não sei dançar,mas gostaria de entrar em uma discoteca,tomar alguma coisa…acho que seria diferente pra mim…
Eu a levei de dia,com a autorização de seus pais,claro,falei que iríamos primeiro passear no shopping e depois sairíamos de noite,os pais dela eram gente boa e humilde,e no fundo,sabiam que se a filha deles se envolvesse comigo,seria um bom partido e coisa e tal,coisas do passado mais que ainda predominam em nossa sociedade Brasileira.
Ok,no shopping levei ela no cinema,pra ver um comédia que estava passando,foi divertido demais,lanchamos por lá mesmo,ela adorou,e estava muito bem vestida,apesar de ser caipira,naquele dia,ela acertou na roupa,era um vestido lindo e colorido…como ela sabia que estava na moda?E depois escolhi uma casa noturna bem badalada e com música sertaneja ao vivo,muito legal,até eu fazia tempos que não me divertia tanto,puxei ela pra dançar,ela não queria,disse que não sabia,e eu também não!
Foi um horror a gente dançando junto,mas eu queria é poder senti-la e agarra-la,e eu o fiz,senti ela forte em meus braços,apertava forte sua cintura,ela ela não ficava pra trás não,e tomou uns drinks especiais que pedi,umas batidinhas porque eu sei que mulher gosta disso,eu tomei umas cervejas e uma caipirinha.
No final estávamos cansados de tanto dançar e resolvemos voltar,no caminho perguntei se tinha gostado da noite:
-E ai gostou da farra?
-Adorei,quero repetir mais vezes..
-Sempre que você quiser.
Ai lembrei que teria um aniversário de um amigo meu,compadre da cidade e resolvi emendar com ela,pra não perder o ritmo:
-Amanhã tem um aniversário de um amigo,na cidade,quer vir comigo?
-Eu quero,mas tenho de ver se meus pais autorizam..
-Ok conversa com eles e amanhã de noite eu te pego lá,se eles deixarem…
Ao chegarmos de noite,eu disse a ela que tinha adorado estar ao seu lado,e peguei suavemente em seu rosto,ela meu olhou com ternura e fiquei encantado,dei um selinho bem gostoso e lento e ela aceitou numa boa.
No dia seguinte,eu estava na minha sede da fazenda e ela veio dizer que seus pais tinham autorizado irmos no aniversário,mas mesmo assim,eu fui lá pessoalmente e pedi e depois agradeci,e falei que ela tinha adorado o passeio na cidade.Eles agradeceram e falaram que estava sendo muito bom pra ela,que ela precisava mesmo sair do mato.
De noite então fomos no aniversário de meu compadre,apresentei ela á todos,apesar de meu compadre já conhece-la lá da fazenda,ela se portou muito bem,só que muitos já olhavam com desconfiança…tipo,o viúvo querendo pegar a caipira novinha filha do empregado,mas eu não estava nem ai,comecei a perceber que ela não era tão bicho do mato assim não,afinal de contas,sempre frequentou a escola,rural,mas sempre esteve com gente,alunos e professores.Só ficou um pouco travada pois não tinha muito assunto,pois sua vida não tinha badalação,na verdade eu queria estar com ela.
Na volta,já de noite,chegando na sede da fazenda e a convidei para entrar e tomar alguma coisa comigo,assistir um filme…ela acabou topando,tomamos um vinho e ela ficou meio tonta,não estava acostumada a beber,por isso tomou só um copo,mas não estava bêbada não,estava bem,e eu não resisti e beijei sua boca,desta vez de lingua,ela por incrível que pareça,beijava bem e tomou gosto,nos amassamos ali na sala,eu dei uma erguida no vestido dela e vi sua calcinha,estávamos deitados no sofá,subi em cima dela,e de pau duro comecei e esfregar nela e senti que ela estava louquinha de tesão,ela com 18 anos,virgem e eu um quarentão,subi seu vestido inteiro por cima e a deixei semente de calcinha.comecei a chupar seus peitinhos,maravilhosos,e desci,passei a mão na sua bucetinha que estava babando de tesão,eu nunca vi coisa igual,ela estava tão excitada que escorria pelas pernas,parecia até que tinha urinado,mas não,ela estava enlouquecida por anos guardados esperando sua primeira vez,tirei minha cueca e sua calcinha,eu quis ser bem carinhoso com ela,fiquei ali,esfregando meu pinto na portinha,na entradinha de sua xoxota,acho que ela estava quase gozando ou gozou só de eu ficar brincando ali,eu queria deixar ela bem á vontade para não sentir dor…até que nem eu estava aguentando e enfiei a cabeça,e fiz os movimentos tirando e colocando só a cabecinha,aumentei a velocidade,mas só enfiando a cabeça do pênis,e fui tentando ir mais fundo,e acabei tirando sua virgindade,saiu o sangue e ela se emocionou,deixei ela ir tomar banho,e quando voltou eu perguntei se ela queria ser minha namorada…ela aceitou na hora,e claro,fui conversar com seus pais também que me deram seus consentimentos,não nos casamos,mas estamos juntos até hoje,tivemos um filho lindo,e ela agora é uma mulher da cidade!