Aninha, a criada 3

Click to this video!

continuação de Aninha, a criada 2
No domingo, acordei com as broncas do Jai, por causa da bagunça na casa. Eu estava arrumando a casa e o Danilo acordou primeiro, já o breder acordou na hora do almoço. Ele me evitava a todo o custo, parecia tá arrependido do que fez. Passado alguns dias, o breder continuava me ignorando, já o Danilo começou a namorar, e era bem de vez em quando que ele ficava comigo, mas ainda sim me dava um dinheirinho por mês.
Certo dia, Sueli e Jai foram p igreja e o Danilo p casa da namorada, eu estava no meu quarto e fui pegar uma água, do topo da escada, vi o breder se masturbando e vendo filme pornô. Desci a escada fazendo barulho, ele escondeu o pau e mudou de canal rapidamente. Fui até a cozinha e quando estava voltando ele me chamou. Se ele estava se masturbando e com tesão, eu já até esperava o que vinha.
Breder- eu não queria que as coisas acontecessem como aconteceu, mas eu tinha bebido muito e perdi a noção do que estava fazendo.
Ele não falava da forma educada como sempre me falava, falou como que só queria puxar assunto. Começou a passar a mão no meu cabelo, e o volume no seu short cresceu.
Breder- mas eu falei sério do combinado que seria como o do Danilo. Mas num vou ser arrogante como fui não blz?
Eu- ta ok – e dei um sorrisinho
Breder- então vamos ver um filme comigo
E colocou no canal que estava passando o filme pornô. Eu nunca tinha visto um pornô, fiquei curiosa, com uma sensação de ver algo proibido que não era p minha idade. No momento em que ele mudou de canal, tinha uma loira fazendo dupla penetração e gemendo horrores, ele então tirou o pau e tombou minha cabeça me fazendo chupar e ficou fazendo carinho no meu cabelo. Depois de um tempo chupando ele a gente escuta a voz da Sueli chegando, ele me deu um empurrão, guardou o pau e mudou de canal. Disfarçamos e depois de um tempo ele falou q era p passar no quarto dele depois.
Tomei meu banho e fiquei na sala esperando o Jai ir dormir, logo em seguida fui p quarto do breder. Ele já foi tirando a roupa e fez um 69 comigo, chupava minha buceta mas gostava mais de chupar meu cú, me colocou de lado e começou a me comer, depois me pediu p comer meu cú, de início não quis, mas ele falou que ia ser carinhoso e talz, acabei cedendo. Doeu de início mas ele realmente foi carinhoso, ele comia meu cú e batia uma siririca p mim ao mesmo tempo. Comecei a sentir uma sensação tão boa, e de repente eu gozei, na época eu não sabia que eu tinha gozado, era apenas uma sensação gostosa, mas o breder percebeu, aí que meteu com mais vontade ainda e depois gozou dentro do meu cú.
Assim eu passei a ficar com o breder e bem de vez em quando com o danilo, mas eu gostava mesmo era do breder, pois, ele era mais legal e me dava mais prazer.
Desde a primeira vez que fiquei com o Danilo, minha maldade já vinha aumentando, e depois de 6 meses naquela casa eu já estava ciente de que todo homem era safado, mas por mais que eu tivesse mais maldosa, eu não tinha noção das consequências do quanto isso era sério. Como fiquei bem íntima dos meninos, fiquei mais a vontade na casa e mais desleixada com os meus afazeres. Certo dia num domingo, a Sueli me chamou p ir no sacolão, coloquei uma sainha e uma camisetinha e fui com ela. No caminho começamos a conversar:
Sueli- olha aninha, o Jai tem reclamado muito comigo em relação a você.
Eu- mas por que ¿- achei que ele tinha descoberto alguma coisa.
Sueli- você não está tendo compromisso com a casa, deixa as coisas sem fazer, faz mal feito, e faz na hora que quer. Infelizmente eu tenho que concordar com ele, estou te falando isso porque o Jai não é de avisar e qualquer hora ele te manda de volta p seus pais. Começa a ter mais compromisso …blablablá… blábláblá…. e me deu a maior bronca, mas decidi ficar mais atenta em relação a isso.
“a paz do senhor irmã”
Então veio em nossa direção um casal, Maria e o Leandro e sua a filha Alice menina mais nova do que eu, eles eram membros da igreja do Jai, e também estavam indo p sacolão. Ao chegar no sacolão, a Sueli e a outra senhora entraram no sacolão, eu e a menina ficamos na pracinha que tinha perto com o pai dela, eu fiquei mais p mexer no tamagotchi(um joguinho) da menina. Passou um tempo e eu vi um dos meninos que eu fiquei na festa do breder, pegou na mão do Sr. Leandro e o cumprimentou, mas nem me olhou, e afastou um pouco com o Sr. Leandro, mas ainda dava p ouvir o que conversavam.
Menino- ta comendo¿- ele perguntou rindo
Leandro- quem ¿ a menina¿ você é louco, olha o tamanho dela.
Menino- é novinha mas eu já passei o piru. E começou a contar tudo… que os meninos ficavam comigo e me dava dinheiro…
Leandro- vocês são doidos, eu que não deixo vocês perto da minha filha- mas falou, tipo zuando. Depois disso se despediram e o Sr. Leandro voltou p perto da gente, eu continuei jogando fingindo de boba.
Sr. Leandro- Alice, vai brincar um pouquinho no escorregador.
A menina foi toda animada e eu já esperava que ele ia falar algum coisa comigo.
Leandro- eu fiquei sabendo que você gosta de fazer uns favores p danilo e p breder, e eles te dão um dinheirinho por isso…
Eu não sabia se ele queria apenas saber se essa história era verdadeira ou se ele tava querendo me comer. Mas balancei a cabeça afirmando que sim, pois, ele não falou direto o que eu fazia p meninos.
Leandro- então, tem um computador lá em casa, que ninguém usa se você fizer um favorzinho p mim eu te dou ele, você quer.
Quando ele falou de computador eu nem pensei duas vezes.
Eu- quero sim- falei com um sorriso.
Leandro- mas você não pode falar isso com ninguém, nem mesmo com os meninos, porque eu sou dirigente de culto na minha igreja e você pode me complicar demais.
Eu- preocupa não, eu fico, caladinha.
Leandro-é que na verdade eu tenho um filho de 15 anos, que só sai p igreja. Eu vejo direto o histórico do computador dele, e ele fica o dia todo só vendo pornô. Nessa idade os hormônios estão na flor da pele e eu acho que ele nunca deu uma metida, fica só na punheta. Então eu quero que você vai la p casa e dá uma ajudinha p ele, mas nem ele pode saber que você está indo lá p isso hein.
Eu- mas eu não posso, eu tenho que fazer minhas tarefas em casa.
Leandro- preocupa não, eu peço p sueli p você ir lá em casa brincar um pouco com a alice, tenho certeza que p mim ela não vai negar.
E assim foi feito, a senhoras voltaram do sacolão, e o Sr. Leandro sugeriu p eu ir p casa dele brincar um pouco com a alice, ela permitiu sem precisar insistir.
Chegamos na casa do leandro, eles também pareciam ter bastante dinheiro, o filho dele se chamava lucas e ele era muito bonito, branquinho, do cabelo preto e liso, mas nem me deu atenção. Fiquei brincando com a garota e ele foi p seu quarto mexer no computador. Já estava ficando tarde e nada… então eu deixei a alice sozinha e fui p quarto dele. Ele estava sentado no computador, comecei a puxar papo com ele, mas ele não rendia. Foi quando eu tentei fingir de inocente mas do jeito mais retardo que podia ser kkkkk.
Deitei na cama dele abri as pernas e falei.
Eu- essa calcinha está me incomodando muito, vou tirar- e comecei a tirar.
Ele ficou me olhando como se fosse um cachorro, levantou trancou a porta.
Leandro- você quer transar comigo¿
Eu – quero.
Ele veio e ficou passando a mão na minha buceta, estava admirado depois levantou e eu sentei na cama, ele ficou na minha frente e tirou o pau p fora, imaginei que seria pequeno, mas não, não era grandão, era o tamanho de um pau normal. Então comecei a chupar, ele até revirava os olhos…chupei…chupei….quando de repente ele enche minha boca de porra. Me limpei e sai do quarto, fiquei um tempo com a alice e uns 30 min depois ele me chamou novamente, eu fui e novamente ele ficou passando as mãos nos meus peitos e na minha buceta, depois me fez chupar, ai eu fiquei de quatro ele começou a meter, enquanto ele metia vi que o pai dele estava olhando da gretinha da janela, depois ele foi e gozou na minha bunda. Sai novamente do quarto e depois de um tempo falei com o leandro que eu queria ir embora, então ele me levou de carro, o computador já estava dentro do carro. Ao chegar ele falou com a sueli que o computador estava parado na casa dele e que gostou muito de mim e resolveu me dar, ela agradeceu e se despediram.
Pedi o danilo, p montar o computador p mim, e fiquei a noite toda jogando, eu estava tão feliz, me achando super foda, foi nessa noite que vi o poder que tinha minha xana, e vi que através dela poderia conquistar muitas coisas.
Com um computador no meu quarto, eu só fiquei mais mansa ainda, e despertei a raiva do Jai, e tive a infelicidade de ouvir ele conversando com a sueli, ele tinha falado que já estava olhando uma outra pessoa p colocar no meu lugar e que ia me mandar p casa dos meus pais. Entrei em desespero, eu não queria voltar de jeito nenhum, foi ai que veio a ideia de convencer o jai a não me mandar embora.

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...