Primeira vez (Com o Motorista do ônibus)


Click to this video!

Me despedi das meninas do time de futebol da nossa escola e segui para o ponto de ônibus. Havíamos enfrentado um time de garotas mais velhas da cidade vizinha. Lutamos até o fim mas acabamos perdendo de 3 à 1. Eu estava exausta. O resto do time foi para o vestiário para tomar banho e trocar as roupas sujas, mas eu só queria ir para casa logo.
Entrei no veiculo e sentei bem no fundo. Haviam umas poucas pessoas lá dentro. Logo Cai no sono. Acordo e me deparo com uma barriga gorda e peluda quase encostando no meu rosto. Tento escapar para um dos lados mas o homem me segura. Sua mão esquerda começou a apertar minhas bochechas até que minha boca se abrisse liberando caminho para que seu pênis entrasse. Não consigo reagir. Fecho os olhos e lembro-me do meu aniversário de 14 anos à uma semana. Uma festa infantil para uma criança. E agora esse homem desconhecido força seu corpo contra o meu tentando transformar-me em mulher. Em sua mulher. Mas não posso me entregar facilmente. O único homem que eu vi nu até então era o meu treinador. Ele adora exibir o pênis para as garotas do time.
O homem finalmente libera minha boca e então começa a me despir. Peço-lhe para não fazer aquilo pois sou virgem e não queria que acontecesse daquela forma. Ele ignora. Olho ao redor. Não sei onde estamos. Tem mato para ambos os lados. Dentro do ônibus uma figura me surpreende. É uma garota. Teve ter 8 anos pelo tamanho. Ela nôs observava. Por um momento não temi pelo que o homem faria comigo e sim pelo que ele faria com a garota.
Livre de minhas vestes o homem me jogou de costas no chão e colocou seu corpo sobre o meu me prendendo. Ele começou a lamber e a chupar minha buceta. Seu pênis o tempo todo batendo em meu rosto. Seus dedos quase romperam meu hímen. Logo meus gritos se tornaram gemidos de prazer e então ele parou. A outra garota havia sentado bem perto de onde eu estava e observava atenta.
O homem abriu minhas pernas e posicionou seu membro na entrada de minha vagina e então forçou. Meus gemidos tornaram-se gritos novamente e assim fico por um longo tempo, até que ele entrasse até o fim.
Era isso. Minha virgindade já era, assim como minhas forças. Paro de lutar e espero até que o homem termine. Mas ele é um animal e me fode sem parar. Meu corpo fica mole e isso parece agradá-lo fico só olhando para a garota enquanto sou penetrada. Ela se masturbava com a cena. Pude ver nitidamente sua bucetinha abaixo do vestido. Ela esfregava seus dedinho com força e quase não piscava. Voltei meus olhos para o homem e ele estava suando. Seus dentes cerrados e seus olhos fixados na criança e então pude sentir seu membro latejar dentro de mim e seu esperma saindo. O homem deu um berro e então parou. Tirou seu pênis da minha buceta e vestiu suas roupas. Nela estava a logo da empresa do ônibus. Ele era o motorista.

― Não machuque a menina. ― Digo quase sem forças.
― Ela é minha filha. Não farei nada com ela até que tenha a sua idade. ― Diz o homem. Fico ainda mais surpresa. Que tipo de pessoa deixaria a própria filha, ainda criança, presenciar tal cena? ― Desça do ônibus. Siga reto por essa rua e voltará para o seu bairro.

À beira da estrada vejo o ônibus sumir, e então saio andando pela tarde. Esperando que aquela rua me levasse em segurança para casa.