Tia alcoólatra e menininha que não era mais virgem


Click to Download this video!

Este é o melhor site de contos que já entrei, e quero publicar o que aconteceu comigo também.
Sou Advogado e tenho 39 anos. Nesta época eu tinha um pequeno escritório no bairro da Lapa, em São Paulo. Meu escritório era uma sala e um banheiro apenas. Foi o que consegui alugar pois estava no começo da carreira profissional. Eu trabalhava sozinho.
Todos os dias eu almoçava em um restaurante que fica em uma travessa da Av. 12 de Outubro (muito conhecida na região). Sempre via uma mulher que pedia comida. Ela ficava na calçada e sempre me abordava. Por diversas vezes eu lhe comprava um marmitex, assim fiquei de certa forma colega desta pobre mulher.
Um dia, para minha surpresa ela estava com uma menina, e me disse que era sua sobrinha. A menina tinha 9 anos, morena clara, cabelos bem curtos e magra. Ela vestia uma camiseta, bermuda e chinelos.
Ao parar para conversar com elas, eu brinquei e disse: Nossa, se fosse sua filha eu iria te chamar de sogra. E rimos com este comentário.
Entrei e comprei 2 marmitex para elas, só depois que entreguei para elas eu voltei e almocei.
Quando saí elas já tinham terminado de almoçar.
Me sentei do lado delas e puxei conversa. Confesso que estava até nervoso de tão interessado na pequena menina. Achei ela um tesãozinho e vi ali uma oportunidade de realizar um sonho: comer uma novinha lisinha e sem pelinhos na buceta.
A tia da menina, que já me conhecia, me pediu dinheiro pois queria comprar bebida. Brinquei com ela e respondi: Olha, eu sempre te dou comida, agora você quer bebida… e eu quero ela (indicando a menina).
Ela me olhou e disse: “Quanto você me daria para ficar com ela ?”.
Disse que ela devia estar brincando, mas se fosse verdade daria qualquer coisa.
A menina estava só de cabeça baixa e ouvindo nossa conversa.
A mulher então me disse: Ela é virgem, e se você me der R$ 200,00 pode comer.
Respondi na hora: Eu pago, mas precisa ver se ela quer sair comigo. Se ela não aceitar eu não pago nada.
A mulher então olhou para a menina e disse: Vai, fala para ele que você aceita dar …
A menina com a cabeça baixa ainda falou: Moço, eu faço sim…
Aquilo foi o que eu queria ouvir.
Abri a carteira, peguei o dinheiro e dei para a mulher.
Falei para a menina, me acompanhe que vou te levar para meu escritório.
Levantei e disse para a mulher, espere aqui que logo eu volto para trazer a menina.
A menina também se levantou e peguei em sua mão.
Seguimos de mãos dadas.
Andei 2 quadras e pedi para ela me esperar em frente de uma farmácia. Entrei e comprei camisinhas e KY. Paguei e saí rápido.
Peguei em sua mão novamente e seguimos.
Logo que entramos, eu tranquei a porta e a abracei.
Perguntei se ela já tinha transado e a resposta foi sim.
Sentei em minha cadeira e puxei ela para meu colo. Passei a mão em seu corpinho infantil.
Tirei minha camisa, e a camiseta dela. Ela não tinha nenhum sinal de seios. Mesmo assim chupei e apertei bastante.
Coloquei ela de pé e abaixei seu shorts. Vi sua calcinha branca e bem sujinha.
Passei a mão sobre sua xoxotinha e seu bumbum.
Abaixei a calcinha e vi a rachinha… passei o dedo e fiz massagem.
Levantei e tirei minha calça. Meu pau muito duro ficou na altura do pescoço dela.
Pedi: Coloca a boca nele.
Ela segurou e chupou. Quase gozei na boquinha gostosa dela.
Coloquei uma camisinha e pedi para ela sentar em cima do meu pau. Ela veio de frente para mim, segurou o pau e colocou na entrada da sua bucetinha infantil ainda, e sem nenhum pelinho lisinha. Entrou com facilidade. Ela com meu pau gravado inteiro nem conseguia tocar o chão com os pezinhos. Eu segurei em suas pernas e fiz ela subir e descer.
Meti gostoso e depois de alguns minutos eu gozei. Puxei ela para meu peito e a abracei.
Fiquei assim até meu pau amolecer dentro dela, até ela levantou. Fomos para o banheiro e com ajuda de uma garafinha, eu lavei meu pau e ela sua bucetinha.
Antes de sair eu pedi para ela me chupar mais um pouco. Ela segurou meu pau ainda mole e colocou na boquinha, fez movimentos de profissional e logo estava duro igual pedra.
Chupou até eu gozar. Ela engoliu tudo. Lavei o pau na pia e nos vestimos.
Saí e foi devolvê-la para sua tia.
Agradeci e disse que no dia seguinte queria novamente, só não poderia pagar tanto dinheiro. A tia me disse que por R$ 50,00 eu poderia comer a menina todos os dias.
No dia seguinte eu só queria almoçar a menina.