Fui mal acostumado


Click to this video!

Vou me chamar Paulo, (fictício), tinha 17 anos e minha namorada Ana, (fictício), tinha 19 anos. Muito mais experiente que eu, numa brincadeira dela, depois de me chupar, me beijou com um pouco de porra na boca. Xinguei ela, ela disse que foi sem querer, mas logo partimos para o segundo tempo. Em outra transa ela novamente me beijou, e depositou na minha boca um pouco mais de esperma, pra não sujar a cama, virei ela e recoloquei na sua boca. Ela disse que gostava mais da minha porra, depois que vinha da minha boca e jogou de volta na minha boca, e ficou brincando com sua língua na minha boca, o esperma rebolava em nossas línguas. E assim ela foi me acostumando ao gosto do meu próprio leite. Outra vez eu já esperava com minha boca aberta, quando ela quis de volta eu tinha engolido tudo, foi a vez dela reclamar comigo. passou a ser divido, uma vez era minha e na outra minha porra era dela. Ela me disse que seu namorado anterior gostava de lamber sua porra que ela passava nos seus peitos e na buceta. Num sábado sozinho na minha casa, gozei fora da buceta e nos seus peitos para fazer igual ao seu ex namorado. Chupei sua buceta espalhando minha porra até engolir tudo que havia e passei para seus peitos, mamei minha própria porra como se ela estivesse me amamentando. Aquilo era divertido e prazeroso, mas cada vez que um engolia, o outro reclamava da falta do leite. Então ela sugeriu de adicionarmos outro homem nas nossas transas. Claro que fui completamente contra, outro homem com minha mulher, ia virar o comentário de todos os nossos amigos. Brinquei que só se fosse um travesti, pois seriam discretos e desconhecidos, então ela me levou de carro para uma rua de travestis, só para olharmos e avaliarmos como eles eram. Depois de escolhermos um e outro, ficamos só na brincadeira. Quando a rua estava chegando no fim, ela me mostra um travesti que mostrava sua bunda e também seu pau meio duro. Quando ela lançou sua dúvida, se eu teria coragem de chupar ele, respondi que o travesti era completamente pra ela. Dissemos que ela queria chupar um travesti e perguntamos quanto ele cobrava, ele respondeu $150 reais. Fomos em casa para completar o dinheiro e voltamos. O travesti nos levou a um lugar de sua preferencia e tirou o pau pra fora, minha namorada começou a chupação, tava difícil de endurecer, depois de algum tempo o traveco gozou em sua boca. Chocado com o que eu acabara de ver, minha namorada se aproxima e me beija, sem eu me lembrar, ela solta a porra do traveco na minha boca, cada um querendo engolir mais que outro, nos lambemos em volta das nossas bocas para não perder nenhuma gota. O travesti se surpreende, e minha namorada diz que eu queria mas tenho vergonha de chupar um pau. O traveco gostando do acabara de presenciar, diz que da próxima vez que vai chupar, vai ser eu e ele nem vai cobrar nada. Corremos para casa para transar e planejar outra noite de aventura com o traveco. Depois de pensar muito, combinamos de só passar por lá. Demos duas voltas na rua para depois parar, pegamos o travesti e partimos para a mesma rua de antes. O travesti com o pau de fora, falava pra mim, que hoje eu ia aprender como se tira leite de um macho. Chegamos e minha namorada começou a chupar para eu pegar o jeito. Ela soltou o pau completamente duro, peguei o ritmo logo, a namorada e o traveco dizendo: vai amor, isso amor, chupei com gosto, recebi uns 4 ou 5 jatos direto garganta a dentro, mesmo assim não parei de chupar, até que o travesti disse que pela segunda vez ia ter que cobrar. Minha namorada se empolgou e quis me chupar para o traveco ver também, enquanto ela me chupava, o traveco batia uma punheta pra mim, gozei. Fomos levar o traveco para seu ponto, e ele nos perguntou se da próxima vez nós não queríamos outro travesti junto, para cada um chupar o seu traveco. Minha namorada safada como ninguém, respondeu sem me perguntar, que na próxima sexta feira estaríamos lá para pegar os dois as 21:00h. Passamos a semana querendo que chegasse a sexta feira. Estava com pouco de medo e também com vontade de inovar. Fomos pra noite, já combinado antes que eu ficaria como conhecido e ela com o desconhecido, encontramos eles, eram muito parecidos, com uns centímetros de altura de diferença. Ficamos alguns metros longe um do outro, cada um chupando o seu, tiramos o leitinho deles e levamos eles de volta. Dentro do carro, o novato disse que eles também comiam se a gente quisesse e também não iam cobrar nada. Agora respondi rápido que não, minha namorada passou a me perguntar se não aguentava um pau daqueles, já que não eram muito grande. Minha namorada deu pro novato e eu fiquei chupando. Chupamos muito travesti, em várias cidades de SP, um dia ainda vou ver um conto de algum travesti falando de nós. Me separei de Ana, mas ainda procuro travestis para chupa-los, não fico muito tempo sem tomar um leitinho.