Fiz ela trair o marido para não perder o emprego e a casa


Click to Download this video!

Bom este conto e real como todos os outros contos meu aqui relatado, eu só não falo nomes das pessoas porquê e fato verídico. E vão me perguntar como eu tenho vários contos, vou explicar sou de uma família rica, sou bem sucedido financeiramente, sou advogado hoje tenho quarenta anos sou casado, e meu único vício e fazer sexo, mas eu gosto do sexo proibido do sexo difícil, e com pessoas que talvez jamais faria sexo comigo ou com outra pessoa da forma normal sem ser persuadido de alguma forma ou por algum interesse, esta é uma das vantagens de se ter dinheiro, eu fiquei viciado em sexo dês que eu tinha treze anos onde começou minha vida sexual, com um tio meu que me levou na casa de um médico e colocou eu para comer o médico, ele e a esposa do médico, depois disso eu gostei da coisa e não parei mais, não tenho vício de nada a não ser o vício de sexo, o dia que não faço sexo eu bato pelo menos duas punhetas, então tenho muitos casos de sexo para contar aqui, só não escrevo um livro porque sou uma personagem bem conhecida na minha cidade e não ficaria bem eu autografar um livro de contos sexuais ainda mais que todos é real. Pois bem este que vou relatar aqui aconteceu a mais ou menos uns quatro anos atrás, quando eu fiz um negócio e comprei um sitio bem grande aqui perto de Londrina na cidade de Porecatu, ai quando fui lá receber a chave do sitio do antigo dono ele me apresentou o caseiro que era o único funcionário que restou no sitio, o antigo dono já tinha mandado os outros todos embora, e o caseiro ficou para cuidar das coisas e para não deixar o sitio sozinho, fui até lá conheci o caseiro um homem já de setenta anos e falei para ele se ele ia continuar lá ele disse que se eu quisesse para ele estava tudo certo, combinei com ele, no sitio tinha uma vila de umas oito casas meio velha e a casa principal de alvenaria ficava bem longe das demais casas era bem feita só precisava de uma reforma ai levei os pedreiros lá, e em alguns dias ficou tudo certo, ai falei que ia contratar mais umas duas famílias para poder trabalhar no sitio, ai o caseiro disse se eu quisesse ele tinha uma sobrinha que o marido estava desempregado, e morava na cidade mas morava de favor e seu marido trabalhava na diária , ai eu falei para ele chamar eles lá no domingo que eu iria lá conversar com eles, e assim foi feito, minha sorte que minha esposa e meus filhos não gosta de sitio então fui sozinho cedo para o sitio que fica uns setenta quilômetros de Londrina, porque sorte que minha família não foi comigo, porque quando cheguei lá era mais ou menos umas dez horas da manhã e já estava bem calor então fui direto para a minha casa, a casa que foi reformada, abri a casa, e peguei um pouco de agua sentei na varanda e logo vi o pessoal subindo, eu estava de boné e de óculos escuro, então quando aproximaram era o caseiro e sua esposa, e a sobrinha o esposo da sobrinha e mais um moleque de uns nove anos, uma menina de uns cinco anos, e uma moça de aproximadamente dezenove anos, logo reparei a sobrinha do caseiro uma morena de pernas grossa cintura fina vi que ela tinha bastante pelos nos braços cabelo longo peitos pequenos, um belo sorriso e um olhar tímido mas carente, e quando olhei a outa moça uma moça clara com algumas sardas no rosto e nos ombros ela estava com uma blusinha degotada os seios maiores que a sobrinha do caseiro um pouco mais alta e mais bunduda também eu percebi que ela era uns cinco anos mais nova mais era mais avantajada que a sobrinha do caseiro, então o caseiro me apresentou sua sobrinha seu esposo e eu pergunte sobre os outros para disfarçar primeiro perguntei das crianças e a sobrinha do caseiro falou são meus filhos ai eu perguntei mas essa moça também e sua filha meio rindo ela sorriu e disse não eu não sou tão velha essa e minha cunhada ela mora com nós a um tempo , e se der certo ela vem morar conosco e pode trabalhar também, eu disse a sim com certeza ainda de óculos escuro no rosto ai eu nem quis tirar pois assim admirava aqueles rabos peitos coxas sem ninguém perceber, a sobrinha vestia um vestidinho de chita bem batido mas meio transparente e solto e meio curto e a cunhadinha dela uma blusinha degotada e uma saia também meio curta eu logo de presa peguei algumas cadeiras e coloquei a minha frente mandei eles se assentar e com isso pude apreciar mais as belas coxas roliças das duas uma morena meio peludinhas e a outra também com pelos mas meio loiros ruivos um tesão, bom logo acertei com o marido da sobrinha e falei para eles pode escolher uma das casa e pode mudar, ai me despedi e fui embora, mas ai já comecei a planejar como eu iria comer as duas; MAS NESTE CONTO VOU FALAR SÓ DA SOBRINHA CASADINHA PARA O CONTO NÃO FICAR MUITO COMPRIDO DEPOIS CONTO A SEGUNDA PARTE SOBRE COMO FIZ A CUNHADINHA DE PUTA QUEBRANDO TODOS OS CABAÇOS E COMO EU CONSEGUI LEVAR PRIMEIRO A SOBRINHA CASADINHA EM UMA SURUBA E DEPOIS COMO EU COMI AS DUAS JUNTAS NO MOTEL E DEPOIS COMO EU LEVEI AS DUAS PARRA OUTRA SURUBA COM UNS VELHOS EMPRESÁRIOS TARADOS, MAS FICA PARA OS PRÓXIMOS CONTOS OK.
Continuando.
Bom voltei no meio da semana para ver as coisas cheguei numa quinta-feira umas quatro horas da tarde e fui até a casa do caseiro estava fechada e tudo quieto, ai desci até a casa da sobrinha só estava a sobrinha e as criança, perguntei sobre esposo ela disse que ele estava na roça e sua sobrinha tinha ido com o seu tio e sua tia até a cidade eles foi receber a aposentadoria e minha sobrinha que ajuda eles lá no banco, eu olhei ela maravilhosa com seu vestidinho fino e solto, meu pau já deu sinal ai eu falei para ela, e seu marido vem quando da roça ela disse olha ele vem lá pelas cinco horas, eu disse você pode fazer um favor para mim ela disse logico patrão eu disse você pode passar um pano na casa para mim tem pó lá eu sou alérgico tenho renite ela disse sim pode subir que já eu estarei lá, ai subi , e logo ela chegou pegou balde e vassoura pano e começou a limpar tudo eu fiquei sentado no sofá só observando ela nem se tocou, ai limpou tudo eu não tive coragem de falar nada ela perguntou se estava bom eu disse que sim ela perguntou se precisava de mais alguma coisa eu disse que não ai ela pediu se podia descer eu disse que sim ela se foi e eu entrei no banheiro fui tomar um banho bater uma bela punheta só pensando nela, faltou pouco para eu pular nela rasgar seu vestido e fazer sexo com ela ali mesmo no chão da sala, mas enfim fui embora antes que o pessoal chegasse, bom o tempo foi passando e eu sempre ia lá dava desculpa ela foi pegando intimidade comigo as vezes dava até carona para ela e sua cunhadinha até a cidade mas sempre as crianças juntos , bom passou uns cinco meses eu já dava presentes a eles, adiantava dinheiro, muitas vezes levava sexta básica descobri que ela era doida por chocolates ai eu sempre comprava para ela dizendo que era para as crianças, um dia a cunhada foi encaminhada pelo o médico de Porecatu para um especialista em Londrina na clínica de olhos, que fica na rua Cambara e elas tinha que ir bem cedinho, ai eu fui no sitio no sábado elas veio me perguntar na presença do esposo ela e a cunhadinha se eu sabia onde era a rua Cambara em Londrina eu disse sei porque, ela disse sabe é que minha cunhada tem um exame lá na quarta feira, eu disse sei sim ela vai sozinha ai ele disse não minha irmã vai com minha mulher ela nunca saiu assim sozinha eu disse então não deve levar as crianças não sabe lá demora fica o dia todo, e as crianças vai dar trabalho ai ela disse não elas vão ficar com meu tio e nós vamos com a van da prefeitura vai bastante gente daqui eu disse a entendi então nem precisa saber o endereço porque a van vai direto lá , elas falou e verdade, mas sabe eu queria aproveitar enquanto ela fica lá esperando e sair para comprar algumas roupas para as crianças eu disse olha faz assim quando vocês chegar lá você deixa sua cunhada lá dentro esperando a consulta e fica lá na calçada ai eu e minha esposa vamos lá e levamos você para comprar as roupas pode ser se isso ajudar, eu posso fazer isso, ele disse mas isso não vai atrapalhar vocês, eu disse não eu deixo ela com minha esposa fazendo compra e depois eu passo e pego elas, já tinha mais de seis meses que eles morava no sitio e minha esposa e filhos já tinha feito amizade eles já tinham ido algumas vezes lá no sitio apesar de não gostar, e assim ficou combinado, mas minha intenção era outa, ai aconteceu desse jeito, eles já tinha confiança em mim e ela já tinha intimidade comigo, no dia eu passei lá na frente umas dez horas da manhã aquilo estava lotado de gente, não vi ela, ai parei o carro e entrei e lá estava elas lá dentro ela falou nossa achei que o senhor não vinha, vez enquanto eu saio lá fora, eu disse vamos ela despediu da cunhadinha e fomos, ai virei a esquina abri a porta do carro mandei ela entrar quando ela entrou ela falou e sua esposa cadê eu disse ela teve um imprevisto e não pode vim mas vou levar você, ela nem se tocou agiu naturalmente como ela faz toda vez que vai limpar a casa do sitio eu estando lá , ai eu parti para um motel quando estávamos entrando ela disse nossa porque estamos entrando aqui, eu disse calma já te explicou, ai entrei ela entrou meio cismada ai eu tranquei a porta e falei para ela você está gostando de morar no sitio ela disse sim logico, eu disse ou você prefere voltar para a cidade, ela falou não patrão lá nos morava mal, e era muito ruim morar de favor, lá no sitio está muito bom o senhor e bom e tudo, até nos ajuda mais do que combinou, todo mundo gosta do senhor e de morar lá, eu disse então só que vocês só vai continuar lá se você fizer o que eu pedir aqui agora ao contrario amanhã mesmo vou despedir vocês ela disse mas fazer o que, eu disse você vai ser minha mulher vamos transar bastante ela disse nossa eu nunca trai meu marido eu disse agora vai trair ou podemos ir embora agora e amanhã vocês se muda, ela falou não isso não, eu disse então seja minha, ela falou bom mas o senhor fala o que e para fazer, eu disse começa tirando a roupa, ela ficou meio acanhada, ai tirou o vestido eu já cheguei junto ela estava com uma calcinha rosa já meio rasgada eu a joguei de bruços na cama e acabei de arrancar sua calcinha já arranquei meio que rasgando já vi aquela bela buceta já virei e comecei beijar, ela meio desajeitada e disse o senhor não vai me bater não vai eu disse só na bunda um pouco arranquei seu surtia, e já tirei toda minha roupa e quando vi sua buceta peluda pernas peludinhas pelos meio amarelado era morena com pelos meio dourados do sol, ai eu abri as pernas e meti a cara ela fechava as pernas e abria pensa numas coxas grossas e gostoso quente ai não aguentei como sabia que ela era casada eu enfiei o pau com tudo sem camisinha e nada, comi quando estava para gozar eu mandei ela ficar de joelho na cama e fiquei de pé gozei na cara dela lambuzando ai fomos para o banheiro naquele motel foi o mais perto que encontrei naquele quarto não tinha banheira era um motel barato eu estava doido para comer ela nem pensei em motel bom, ai fomos para o banheiro e lá de joelhos coloquei ela para chupar meu pau ela disse que nunca tinha feito, ai meu pau endureceu novamente eu comecei esfregar na bunda gotosa ai a levei para a cama nos enxuguemos ai eu coloquei ela de quatro e passei cuspe no cu dela e disse vai doer ela falou cuidado ai eu enfiei ela gritava eu enfiava, ela cagou no meu cacete tive que parar fui me lavar ela chorava encolhida, ai eu coloquei ela para chupar até eu gozar, e nos vestimos e fomos para a loja ela meio com os olhos vermelhos sem graça, ai eu disse a ela compra roupas para você as crianças e para sua sobrinha e seu marido, ai ela tipo animou e disse eu não tenho tanto dinheiro, eu disse eu vou pagar tudo faz de conta que hoje você é minha esposa ela riu, e disse como vou explicar, eu disse deixa comigo, eu falo que foi um adiantamento, ai ela aproveitou esqueceu a dor no cu e a traição, depois comprei maquiagem para ela, e perfume ai fomos para a clínica mas sua sobrinha ainda não tinha sido atendido deixei elas lá e falei deixa que amanhã eu vou lá no sitio e levo as compras para você, ela agradeceu com um sorriso disfarçado no rosto, fui embora, no outro dia fui lá levar as mercadorias a tarde ela me recebeu bem com sorriso perguntou se eu queria café, eu disse você sabe o que eu quero, ela ficou sem graça e entrou eu deixei as mercadorias e fui para a casa lá em cima ai depois o menino veio e trouxe um pedaço de bolo de laranja e café eu agradeci comi e logo fui embora, uma semana depois voltei lá dia de semana e duas horas da tarde passei na frente da casa e disse para o menino sua mãe está ai ele disse esta sim eu disse fala para ela ir lá dar uma limpada na casa, ai logo ela chegou lá eu entrei no banheiro tomei um banho se enrolei na toalha e fui até o quarto abri um pouco a janela que dava para ver se vinha alguém pois as outras casa era meio longe, e de longe dava para ver alguém subindo, então chamei ela, entrou no quarto meia cismada, eu deixei a toalha cair meu pau já estava duro ai ela ficou na porta, eu disse venha cá ela pensou um pouco calada, mas ai veio eu virei ela de costa comecei esfregar o pau na sua bunda por cima do vestido ai beijei seu pescoço senti que ela ficava arrepiada e tremia um pouco virei ela de frente beijei sua boca gostoso e enquanto eu a beijava para minha surpresa ela devagar foi segurando meu cacete, e acariciando com as pontas do dedo ai eu vento que ela gostou talvez ela não estava sendo amada a tempos, então eu falei para ela vai ao banheiro tira essa roupa e toma um banho e volta aqui vamos acabar a nossa brincadeira daquele dia, ela falou nossa patrão e se chegar alguém eu disse não eu estou aqui na janela e dá para ver se vem alguém eu te aviso e você se veste, ai ela saiu e foi, tomou uma ducha e voltou enrolada na toalha ai eu arranquei a toalha olhei para aquela delicia e já joguei na cama e fui chupando sua buceta gostosa e logo já coloquei ela para mamar um pouco fui enfiando na boca dela ela foi chupando engasgando babando, tossindo, ela não tinha habilidade nenhuma para chupar ai eu coloquei ela de joelhos no chão fiquei de pé e mandei ela abrir a boca e comecei a bater uma punheta, eu ia comer a bunda dela e agora ia comer com gosto mas como estava com muito tesão eu queria dar uma gozada primeiro para poder depois comer a bunda bastante sabe socar tudo forte e com força, mas se fosse fazer isso como estava eu gozaria logo então bati uma punheta gozei na boca dela melei toda sua cara, ela deu uma engasgada cuspindo um pouco da porra e outro pouco ela engoliu na marra, então deitei na cama ela foi ao banheiro lavar o rosto ai voltou me troce água ai eu fique acariciando e chupando seus seios lindo e comecei a chupar sua bucetinha vi quando ela gozou soltando um gritinho meio tímida, ai meu pau já estava duro falei a ela vira que agora quero seu rabo, ela pediu por favor não faça isso não já basta aquele dia que o senhor quase me rasgou eu fiquei uns dois dias sentindo dor, eu disse cala a boca e vire o patrão aqui sou eu ela virou na cama me mostrando aquele rabo gostoso ai eu fui até a cozinha abri a geladeira peguei um pote de margarina eu sabia que ia dar trabalho na seca, ai chupei o cuzinho dela vi que ela sentiu tesão com a língua no rabo ai eu enchi o rabo dela de margarina e meu pau também, estava meio gelada mas tudo bem, ai eu comecei enfiar ela começou a gritar eu disse fica quieta se não chega alguém e te escuta ela resmungava baixinho e eu fui enfiando devagar, até entrar tudo até o saco bater na bunda, ela começou a chorar ai e que me deu mais tesão eu comecei o movimento de vai e vem, sem parar e fui aumentando ela dava gritinhos gemia e chorava pedindo por favor, mas eu como já passei por isso antes eu nem ligava sabia que depois no futuro ela ia adorar aquilo e ia gozar muito pensando no meu pau rasgando seu rabo, ai eu via aquela bunda maravilhosa e comecei a dar tapas nela ai ela pedia para parar eu aumentava os movimentos e cada vês dava tapas mais forte, até que eu enchi o rabo dela de porra já que não usava camisinha pois eu sabia que o único que ela transava era com o marido e sabia que era lá de vez enquanto pois a putinha estava com tesão eu senti ela gozando enquanto eu comia seu rabo isso porque ela já tinha gozado na minha língua antes então eu percebi que sexo na casa dela era de mês em mês, ai eu tirei o pau para fora ela continuou de quatro saia porra pelo seu cuzinho ai eu sentei um tapa com gosto no rabo dela ela gritou e caiu deitada na cama chorando baixinho, eu fui ao banheiro tomei um banho me troquei e fui embora deixando ela lá deitada, com o rabo cheio de porra, bom após isso eu demorei uns quinze dias para retornar e quando voltei ela estava no terreiro e seu esposo estava com ela eu passei devagar dei a mão eles me comprimento e logo que eu abri a casa ela chegou, eu disse oi tudo bem fala o que você quer ela disse sabe meu marido acabou de ir para a roça e eu vim aqui limpar a casa o senhor não falou que sempre que vim e para nós vim passar pano para tirar a poeira eu disse sim é isso mesmo, ela falou então da licença , e metrou para dentro e começou a passar pano e olhava para mim com jeito de malicia, ai quando passou perto eu a puxei para meu colo, ela pulou longe disse o senhor nunca mais vai me comer de novo, o senhor e muito se vergonha ai eu levantei fui até a porta ver que não tinha ninguém por perto, fechei a porta peguei ela pelo braço levei até o quarto tirei seu vestido arranquei sua calcinha deixando peladinha, deitei ela de bruços na cama e comecei a bater na bunda dela de tapas com toda a força batia na sua bunda sem do, batia pra valer, ela começou a implorar para que eu parasse e começou, eu não contentei peguei um chinelo havaianas que estava no quarto e continuei batendo sua bunda já estava toda marcada vermelha ela chorava de soluçar, ai eu coloquei ela de joelhos entre minha pernas e arranquei o cacete e mandei ela chupar ela recusou de proposito, ai eu percebi que ela sentia tesão em ser submissa e ai eu desci um tapa no rosto dela, ela encheu os olhos de agua e começou a me chupar chupou bastante e agora já chupava gostoso com vontade, ai levantou ficou de quatro e disse pronto agora pode m rasgar como o senhor gosta de fazer, eu sem pensar pulei em cima e enfiei sem do e desta vez sem margarina, enfiava gostoso e ela disse não vai bater, sua bunda já estava toda marcada e vermelha do havaianas, ai eu desci a mão mas batia pra valer ela berrava chorava alto não se importava com o barulho e eu estava com tanto tesão que nem me importei mais se chegasse alguém ali, ai fui enfiando e vi quando ela gozou encheu a cama de porra eu arranquei do seu rabo e enfiava na buceta melada molhada e quente ai quando fui gozar coloquei ela de joelho e disse, vou encher sua boca de porra mas ela fechou a boca recusando eu já sabia o que ela queria então eu soquei um tapa no rosto dela, ela começou a chorar e abriu a boca eu enfiei e gozei e segurei até ela engolir toda porra, ai eu sai fui ao banheiro, estava afim de mijar, mas voltei peguei ela pela mão e disse vem cá minha puta safada ela me acompanhou eu coloquei ela de quatro no chão do banheiro bem arreganhada e enfiei o pau na buceta e enchi sua bucetinha de mijo arranquei e dei um banho de mijo quente na safada que gemia de tesão ai tomemos banho nos beijamos e ela foi para casa dela mole, aquele dia ela nem limpou a casa, bom e assim foi, virou rotina nossas fodas, pelo menos cada quinze dias eu ia lá no sitio e fodia ela e todas as formas eu ensinei ela ser uma casada bem puta, como falei em cima neste meio tempo rolou coisas com a cunhadinha, e coloquei mais três famílias para morar no sitio, mas isso fica para os próximos contos, abraço e deixe seu comentário, se você tem uma fantasia sexual, eu posso realizar casadas, casal, solteira virgem, sem preconceito, beijo a todos.
Escritor:
marcussex