Pai e filha uma relação de Amor l


Click to this video!

Olá! Me chamo Fabiana, 25 anos, casada, sem filhos, morena, cabelos negros no ombro, olhos negros, altura 1,75, trabalho em uma empresa como Psicóloga no RH. O que vou relatar é uma coisa fora do conceito da sociedade, um tabu, mas se você ver por outro lado, nos contos eróticos irão ver milhares de pessoas que praticam ou tem desejos, passamos por milhares de pessoas na nossa volta e nem desconfiamos que fazem isso, todos com seus segredos. O tema é o Incesto
Casei a dois anos atrás, eu e meu marido compramos um apartamento na planta, ainda está em construção e moramos na casa de meus pais a outra irmã mais velha, Sandra, também casada mora em outro bairro. Portanto sendo, eu, marido, pai e mãe. Meu marido sai cedo de casa e eu vou com meu pai pois trabalhamos no centro do Rio.
Meus pais são morenos, ela com seus 1,70, corpo em forma e ele 1,82, porte atlético, porém não é de frequentar academia, sempre se cuidando, jogava sua peladinhas, mas parou por que a turma deixou o futebol de lado para se reunir para ficarem bebendo aos finais de partida, portanto deu um tempo. Meu marido é que continua jogando aos sábados e as vezes um campeonato aos domingos.
Certa vez no meu trabalho tínhamos um funcionário que estava passando por uma situação que não sabíamos, andava faltando, pedindo para sair cedo, um bom funcionário, com tempo razoável de empresa. Me foi solicitado de conversar com ele e saber o motivo que o estava atrapalhando, ele veio conversar e perguntei o que estava acontecendo com ele, se era de saúde, família, insatisfeito com a empresa. Falou que era coisa particular, perguntei se queria que adiantasse as férias dele para resolver os problemas, disse que queria que mandasse ele embora, falei, calma, tire umas férias! Me mande embora! Tenho que conversar com a diretoria primeiro, mas irão querer saber por que, pois, você é um bom funcionário. Ele estava triste, perguntei fale para mim, talvez eu possa te ajudar, ele falou, se contar todos aqui ficarão sabendo, falei pode confiar em mim, não comentarei com ninguém aqui o seu problema. Ele foi se soltando, precisava desabafar, pediu que fechasse a porta para ninguém ouvir, fechei, dei um copo com agua e fomos conversando. Ele então falou o meu caso é traição conjugal, falei, tinha imaginado isso, e ele então falou, mas não imaginou que seria o pai dela, meu sogro o autor desta façanha? Fiquei boquiaberta, e perguntei como foi? Disse que o pai é viúvo, mora sozinho e sempre vai lá para casa, pois a esposa é filha única, estava tudo normal, nunca iria imaginar isso, mas passou a desconfiar quando a mulher não estava querendo fazer sexo, sempre dando desculpas, mas quando faziam quando o pai não estava, ele a percebia mais aberta, não gostava de sexo anal, as ele insistindo ela deixou, ele percebeu que ela já tinha feito antes e passou a desconfiar, sem falar nada para ela. Um dia o pai foi na segunda-feira, pensou, por que não veio no final de semana? Que eu estava em casa? O sogro foi comigo até o ponto de ônibus, entrei e ele voltou para minha casa, dois pontos depois eu desci e voltei, dei um tempo e entrei em casa, os dois pelados na minha cama e ele atochado nela. Minhas pernas bambearam, chamei ela de vagabunda, o sogro se metendo, começamos a brigar e ele me ofendeu, me chamando de corno e que iria levar a filha com ele, pois ela gosta de piroca e eu era um frouxo. Por isso que minha vida mudou. Fiquei estupefata com o episódio, falei que iria antecipar suas férias e poderia refletir melhor. Falou que aceitaria.
Fui embora com meu pai e eu estava pensando na situação do rapaz, meu pai percebeu que estava com os pensamentos longe e perguntou o que foi filha? Estou pensando em um ocorrido no trabalho hoje. Ele perguntou, quer conversar? Quero!
Eu. Pai o que você acha de incesto?
Pai. Bem…! No meu ponto de vista não acho que isso seja motivo de alguém ser condenado, expurgado da sociedade, existem casos e casos sobre isso, mas condeno que seja feito alguma coisa sem a vontade do outro, recrimino qualquer ato forçado, como no estupro, abusos. Mas quando é algo que os dois queiram, para mim acho normal, mas como eu disse, cada caso é um caso.
Eu. Como assim?
Pai. Existem vários fatores para se chegar ao incesto, vamos imaginar um casal, em que a mulher rejeite o marido, e ele não quer ir para rua procurar alguém e encontre sua filha como opção e a seduz e ela acaba aceitando devido ao problema que ela conhece da mãe. Outro caso, a mãe com filho único, e ele um dia vai sair de casa para casar, outra mulher vai cuidar dele, e a mãe para não perde-lo o seduz. Marido que não dá atenção para esposa e ela vai confessar com os pais e o pai acha que tem que resolver e a seduz. Viúvo só com uma filha única, tanto a filha como ele acham que devem cuidar um do outro e acontece o inesperado.
Eu. Quem bom pai, nunca pensei sobre essa situação, e hoje no trabalho aconteceu algo sobre isso, um bom funcionário está passando por problemas e a diretoria pediu para conversar com ele. E ele me confidenciou que pegou o sogro e a filha transando. Esta transtornado.
Pai. Pode ser um dos casos que te falei, carência, a filha não querendo perder também o pai, e o pai talvez a filha seja a única pessoa que ele tem e acabam se unindo.
Eu. O senhor teria problemas de algum dia transar com suas filhas?
Pai. Não!
Eu. Não?
Pai. Se não for forçado, faria numa boa, sem paranoia, cabeça tranquila.
Pai. Um dia Sandra, já casada, estávamos todos na praia, suas amigas, bastante gente na casa. Eu gosto de usar sunga branca, vocês na piscina, todas de biquíni e eu na copa tomando café e iria ler o jornal, olhando as mulheradas acabei ficando excitado e de repente entra Sandra e diz paizinho, vamos lá para fora, vamos na piscina, falei estou indo já, já é so acabar de ler aqui, ela então falou, o que o senhor está vendo e sendo no meu colo, assim que sentou deu um pulo, dizendo que isso ai! Tem uma cobra se movendo ai, falei é o brinquedinho do seu pai, e ela eu com um brinquedinho desses não sairia do play tão cedo. Falei quando quiser brincar é só me falar, e ela disse, estou satisfeita com meu brinquedinho. Deve ser por isso que mamãe sempre tá alegre, deve brincar muito na área de lazer e saiu dando risada.
Eu. Comecei a dar risada da situação de Sandra e perguntei, se ela topasse você faria sexo com ela?
Pai. Sim, com o maior prazer, já tive desejos por vocês, vocês nunca ficaram sabendo, ficaram? Nunca forcei, nem insinuei, ficava na minha, não sou homem de ficar me masturbando, a noite sua mãe me saciava. Quantas e quantas vezes ficava secando vocês quando viam da academia com aqueles shorts colado, modelando a buceta e a bunda de vocês, aquilo dali era uma tortura para mim.
Eu. É mesmo! O senhor nunca demonstrou isso.
Chegamos em casa, e a nossa conversa terminou. Tudo transcorria normalmente, continuava na rotina. Nunca mais conversamos mais sobre a nossa conversa no carro e o rapaz já estava recuperando do ocorrido.
Minha avó sofreu um acidente e teve que ficar sob cuidados. Ficou revezando minha mãe e minha tia, eram setenta e duas horas para cada, até arranjarem uma pessoa de confiança para ficar com nossa avó.
Em casa ficamos eu, meu marido e meu pai, para almoçar não teria problemas, pois almoçamos no trabalho e para jantar eu ficaria sem problemas. Tudo corria tranquilo, minha cumpria a escala e voltava, descansava e depois iria render minha tia.
Eu e meu marido se dava bem na cama, mas ele ultimamente, me deixa na mão, eu o chamava para prorrogação, ele queria ganhar de morte súbita, tentava levar para os pênaltis, mas ele metia um gol e pedia para sair e eu sendo perdendo de goleada, minha autoestima estava lá em baixo, não me arrumava direito, as colegas do trabalho sempre me sacaneando, que precisava tomar um tônico, chá de picão, pau pereira e essa coisas, acaba rindo da situação. Quando chegava sábado acordava cedo e ia para as peladas e ficava bebendo com os amigos, e a noite nada, dizia que estava cansado.
Passados alguns dias, só nos três em casa. De manhã eu e meu marido transamos e como sempre me deixou na mão, foi uma verdadeira rapidinha, ele foi tomar seu banho, se arrumou e foi para o trabalho, fui leva-lo no portão, estava só de roupão, sem nada por baixo, geralmente como volto meu pai está sentado me esperando para o tomar o café, não estava, pensei deve estar deitado ainda, vou tomar meu banho e depois irei chama-lo. Quando sai do banho ele já estava me esperando, disse pensei que estava dormindo.
Pai. Não! Acordei cedo e reparei que seu marido estava acabando com você ou vice-versa.
Eu. Quem dera!
Pai. Por que? São jovem, tem vigor físico, devem se satisfazer bastante.
Eu. Ele pensa que está jogando bola, mete um gol e já vai comemorar. Não pensa no adversário que também joga para ganhar ou empatar. Só que ganhar, um dia pode tomar uma bolada nas costas e ficar sem jogar mais.
Pai. Já chamou ele para conversar? Já perguntou o quanto isso pode prejudicar a relação?
Eu. Já! Mas diz que vai melhorar, sai para uma segunda lua de mel. Estou me sentido descartada, nos dávamos bem, era fogo e paixão, agora é só brasa!
Pai. Vem cá!
Eu. Fui e sentei, esqueci que estava de roupão sem nada por baixo. Senti seu cacete duro, ele ficou alisando minhas costas, me ajeitou e senti algo latejando na minha buceta, falei, pai, vamos se arrumar, isso está me atiçando mais.
Pai. Vem aqui comigo. ( continua)