Primeiro a mãe, depois a filha

Click to this video!

Meu nome é Eduardo, em 2010 comecei a fazer faculdade de farmácia junto com minha irmã, uma ano depois eu desisti, e ela continuou. Mudei de curso fui fazer engenharia. Eu sei, num tem nada haver uma coisa com a outra, mas tomei a decisão certa. Quando fazia Farmácia fizemos muitos amigos, tanto eu quanto minha irmã, somos bem receptivos, simpáticos, carismáticos, costumamos nos dar bem com todo mundo. Um desses amigos que fizemos, era a Eliz. Eliz é uma menina divertida, gente boa, falastrona, espontânea, que assim como a gente, estava aprendendo os benéficos de fazer faculdade… Não era muito bonita de rosto, mas era uma ninfetinha de primeira. Branquinha, baixinha, com californianas no cabelo, olhos meigos, uma boquinha feita pra chupar rola, com peitos bem durinhos, uma bundinha magrela bem sacana, perninhas salientes, um pézinho lindo, bem cuidado, delicado… tem um jeitinho bem sapeca. Adorava sexualizar tudo, sempre tinha que falar uma sacanagem, sentava na sala de aula com as perninhas em cima da cadeira, bem despojada, usava óculos de grau, e quando se concentrava lendo alguma coisa, ficava linda de mais, aquilo me deixava louco. Achava muito sexy. Apesar de não ser muito bonita de rosto, Eliz tinha um jeitinho sacana, que me deixava de pau duro.
No começo eu não cheguei ate ela… Ela era muito amiga da minha irmã, então eu foquei em outras meninas. Porem no decorrer do primeiro período de curso eu peguei 2 meninas. Comi gostoso! Não sou do tipo bonitão, então, estou longe de ser pegador, mas quando pegava, me esforçava pra fazer valer a pena. A primeira garota fazia enfermagem, foram dois meses para eu conseguir comer aquela putinha, mas valeu a pena de mais. A segunda, fazia veterinária, era meia gordinha, e fodia feito uma profissional, era muito safada. Depois que eu peguei essa gordinha, ela saiu espalhando pra todo mundo… Nos estudávamos de manha, na faculdade, não tinha muita gente nesse horário, então a noticia se espalhou rápido. E como eu era “bicho” (calouro) isso foi motivo pra botarem um apelido em mim: CAMARÃO. A famosa metáfora que arranca a cabeça e come o rabo! Eu era feinho, mas fodia gostoso… Dessa forma, despertou o interesse de algumas ate chegar a vez da Eliz.
Um dia nos fomos para um bar na porta da faculdade numa quinta feira depois da aula, era horário de almoço, e fomos comer alguma coisa. Chegando la a galera começou com um papo de sacanagem, Eliz estava do meu lado, interagia comigo, e em um determinado momento, ela brincou insinuando que eu estava excitado. Eu rebati, perguntando discretamente se ela queria sentir. Peguei a mãozinha dela e levei ate meu pau por debaixo da mesa. Ela se assustou, mas não tirou a mão… Fiz ela esfregar a mão no meu cacete umas 4 vezes e, quando começou a passar muita gente, ela parou. Nesse mesmo dia, no ponto de ônibus, beijei a boca gostosa da Eliz. Beijei com gosto.. Encostei ela em uma das paredes que tem no ponto, ela subiu em um pedaço de meio fio solto que tinha ao lado, e eu sarrei nela bem com vontade. Pegava na cintura fininha dela, passei a mão na bundinha, roçava meu pau com força na xota dela… Ela rebolava e correspondia as sarradas, e dizia que eu tinha que me comportar porque nos estávamos na rua. Eu voltava a chupar a língua dela e dizia: “Me comportar porra nenhuma! Eu vou é meter em você!” Ela sorria e respondia:”éh!? Vai nada!”
Na sexta feira estávamos na aula, fiz um sinal pra que ela saísse da sala e fomos para a kitnet do meu amigo. Quando chegamos, já fomos nos agarrando, eu coloquei o pau pra fora, sentei no sofá e pus ela pra chupar. Nossa… Que gostoso, pqp! Ela chupou muito, caiu de boca, babou meu pau inteiro. Eu só segurava seu cabelinho e ela fazia o trabalho sujo enquanto olhava pra mim com cara de puta. Ela vestia uma calça jeans azul clara, uma blusa bege e uma sapatinho de oncinha… Enquanto ela me chupava eu tirei a minha blusa, quando ela parou, ficou em pé na minha frente, olhou pra mim, e começou a tirar a roupa rápido, meia estabanada. Ai eu disse:”Shhhhh, calma. Faz isso bem devagar pra mim” Ela sorriu, e meia sem graça, começou a tirar a roupa bem devagar, dando umas reboladinhas sutis. Primeiro, tirou a blusa mostrando seu sutiã branco com detalhes pretos e rosa choque. Depois, tirou seu sapatinho me mostrando seus pézinhos pequenos e delicados. Na sequencia, desabotoo a calça, abriu o zíper e deslisou ás mãos sobre as coxas para tira-la… Sua calcinha fazia conjunto com o sutiã, bem justinha no seu corpo, marcava sua xotinha de um jeito bem saliente. Eu assisti o strip dela batendo uma punheta bem de leve… So de calcinha e sutiã fiz ela me chupar mais um pouco. Ela ajoelhada no chão, tirei o seu sutiã e fiquei passando as mãos naqueles peitinhos rosados e gostosos enquanto ela me chupava. Ela colocou a camisinha e depois sentou em cima do meu cacete. Afastei sua calcinha pro lado e ela começou a cavalgar… Nooossaa! Bucetinha quentinha, apertadinha, muito gostosa. Ela cavalgava enquanto eu chupava seus peitinhos e alternava minhas mãos entre sua cintura, sua bunda explorando bem de leve a possibilidade de meter naquele cuzinho e segurava seus pézinhos que se apoiavam entre minha coxa e meu joelho. Ela beijava a minha boca, passava a mão no meu cabelo, rebolava e gemia bem gostoso: “Ain, ain, isso caralho, issoo”. Coloquei minha putinha de quatro e continuei metendo… Meu pau não é muito grande, mas é bem grosso, quando à coloquei de quatro, e marretava aquela bucetinha com gosto, ela dizia:”Ai Duu, vai machucar minha PPK… ain, ain…” E eu marretando. Depois de alguns minutinhos nessa posição ela começou a ceder, foi dentando ate ficar de bruços no sofá com a bundinha empinada pra mim para eu continuar metendo. Eu acompanhei, fiquei enfiando com força, e ela rebolava para impor o seu ritmo, depois de ficarmos uns três minutos assim, ficamos de ladinho. Ela é pequenininha quase sumia no meu abraço. Eu apertava os peitinhos dela, chupava sua língua, lambia seu pescoço… Com uma das mãos ela segurava minha mão, com a outra, siriricava, dava mordidinhas no meu ante braço e dizia:”nuuss, você é muito gostoso. Num pode isso!! Ain..mmm.” Esfregava as solinhas dos pés nas minhas coxas, rebolava e gemia gostoso. Quando meu pau saia de dentro, ela empurrava de novo com a mão, e ordenava:”Mete fundo, vai Du, mete” e mordia a parte inferior do labio. Eu esfregava a cabeça do meu pau no grilinho dela, e empurrava com força. Ela contraia os dedinhos dos pés, apertava o meu braço e afirmava: “Ainn porra, desse jeito você vai me lascar inteira!” E eu enfiava ate o talo… E nessa putaria toda, gozei gostoso. Se dependesse de mim, tinha feito sem a porra do plastico, mas mesmo assim foi do caralho. Ficamos na kit até meio dia, fizemos muita putaria… Tudo que eu queria fazer com ela, eu fiz nessa manhã. Menos comer o cuzinho! Na segunda rodada, chupei ela com gosto… Lambi o cuzinho, cheguei a enfiar o dedo. Chupei a buceta, dei umas mordidinhas nos peitinhos, fiz ela fazer um footjob, mandei ela dançar pra mim, nos masturbamos um na frente do outro, gozei na boquinha dela, no peitinho, no pézinho, ensinei ela a rebolar em cima do meu pau, enfim… tudo que eu sempre imaginei fazer com a Eliz, eu fiz.
Depois disso, trepávamos toda semana… Tivemos que mudar de lugar porque meu amigo não emprestava mais a kitnet dele. Fizemos no banheiro da faculdade, no estacionamento, na casa de alguns outros amigos, na minha casa, na casa dela, em motel, banheiro químico da festa universitária. Não tinha hora nem lugar, se desse vontade, a gente tava se fodendo. Não namorávamos, eu peguei outras meninas, ela dava pra outros caras, e foda-se… Quando dava vontade, rolava a foda! O tempo foi passando, e como disse no começo, eu troquei de curso, fui estudar a noite (na mesma faculdade), fiz novos amigos, arrumei outros amores platônicos, a vida foi seguindo, e acabou que nós nos distanciamos. Mas ela, continuava amiga da minha irmã. Depois de uns 4 meses que eu e Eliz não nos víamos minha irmã me contou que ela estava gravida de um tal de Thiago. A mãe dela ficou puta da vida, ficaram sem se falar um tempo, deu um problema danado na família dela, mas… A unica opção é aprender a conviver com isso e se conformar. Safada daquele jeito, num sei como eu não fiz um filho nela, acho que foi Deus.
Depois de alguns meses, eu estava namorando, e encontrei Eliz na loja da minha mãe. Minha mãe trabalha fazendo bolos e tal… Quando a vi já fiquei com o pau duro de novo. Ela vestia um vestidinho de gravida branco, azul claro e lilas com um tecido bem levinho, parecia uma camisola. Calçava uma rasteirinha cor champanhe com os pézinhos bem limpinhos, rosadinhos e delicados com as unhas pintadas de vermelho ferrari.
Nossa que tesão… Ela bem ninfetinha, com aquela barriguinha de gravida, sua voz doce, ela mexia no cabelo com toques suaves, sorria, passava a mão na barriga com movimentos circulares que levantavam levemente seu vestidinho… Sua pele branquinha, macia, refletindo a luz do sol me fazia relembrar cada segundo das trepadas gostosas e imorais que fazíamos. Quando cheguei perto dela, tudo piorou… Ela usava um shampoo que ela sabia que eu amava o perfume, que me dava um tesão do caralho. Nossa, aquele cheiro tomou conta de mim de uma maneira tão avassaladora que eu ate perdi o rumo. Ate esqueci que namorava, tudo que eu queria era foder a Eliz de novo… E com aquela barriguinha, então, ela estava extremamente sexy. Eu olhava pra ela, e ja imaginava ela quicando no meu pau como antes. Mas tentei agir normalmente. A cumprimentei, dei um beijo, disse que ela estava linda como sempre, que ja fazia tempo que não a via e bla bla bla… E ela me disse: “obrigada, mas eu não estou linda coisa nenhuma. Estou gorda, comendo feito uma porca, irritada, toda hora quero ir ao banheiro e meus pézinhos estão inchados.” Quando ela disse isso, tirou um dos pés da sandália, olhou pra mim, e olhou para baixo, direcionando meu olhar para os pézinhos dela, que ela sabia que eu gostava. Muito safadaa! Nesse momento, saquei que ela queria dar pra mim de novo. Como estava na frente da minha mãe, da minha irmã, e o otário do namorado dela dentro do carro esperando, eu fui discreto. Dei uma resposta furtiva, aleatória, mas para concluir eu suscitei algo no meio do dialogo, dizendo: “Ta linda sim. A beleza que a maternidade proporciona esta acima de todas as outras. Esta linda e cheirosa como sempre.” Me referindo ao perfume do shampoo que ela exalava, e sabia que me dava um tesão desgraçado. Nos dizíamos que era o “perfume da nossa foda”!

Obs: Esse shampoo é um do O Boticario. O nome é Nativa Spa Terapia Dos Óleos Indianos. Uma embalagem dupla de 250 ml amarela com marrom. Nossa, esse é o melhor perfume que existe! Uma mulher que sai do banho com esse perfume, é certeza que teu macho vai querer te foder com força… Porque é irresistível, pelo menos pra mim! Se ele não fizer, deixa seu contato aqui, que eu te chupo inteira ate o perfume desaparecer. kkkkkk

Depois disso peguei meu celular e fui ve-la no facebook… tentei sondar com a minha irmã como andava o relacionamento dela com o tal do Thiago. Minha irmã não foi muito clara, disse apenas que a mãe dele não gostava muito da Eliz. Sem querer perguntar mais nada, tive que arriscar. Dois dias depois falei com ela no facebook… Ela já ficou em estado de alerta dizendo que dividia o face com o Thiago e me mandou falar com ela pelo Wpp que tinha acabado de chegar, praticamente. Eu ja tinha o aplicativo, mas interagia bem pouco com ele… Passei a criar intimidade através da Eliz. E por ali nossas conversas se desenvolveram. No primeiro dia falamos basicamente do que havíamos feito, de como ela conheceu o tal Thiago, que a gravides foi um susto, ela falou que sua mãe estava decepcionada, que a sogra não gostava dela, e chegou a insinuar que o filho não era do Thiago, enfim… Foi mais um desabafo! Mas pro final da semana as coisas foram esquentando… Entre um assunto e outro, perguntei se ela estava trepando muito, se tinha aumentado o libido sexual por causa da gravidez, questionava se ele fodia tão bem quanto eu em tom de “brincadeira”, perguntei quais loucuras eles fizeram, enfim… Aticei ela um pouquinho. Ela sorriu, e disse que não… que vivia irritada com Thiago, porque ele era crianção de mais, que deixava a mãe se meter em tudo, que estava meio descrente, que ja fazia quase dois meses que não fodia, que não fez nenhuma grande loucura como as nossas. Perguntei como que ela estava fazendo, porque ela gostava muito de foder… Fiz uma piada afirmando que ela estava se masturbando “como um mocinho adolescente.” Eliz sorriu e disse que fez umas duas vez mas que estava sem animo, sem motivação. Então eu conclui dizendo que queria que ela fizesse pra mim, lembrando dos nossos velhos tempos, que no dia que eu a vi na loja da minha mãe eu toquei uma punheta pensando nela. Que ela estava linda gravida, e que isso me excitou de mais. Eliz me mandou umas carinhas assustadas e me disse:”seriooo!? Seu tarado pervertido. Você quer que eu faça agora!?” Respondi que sim, e que ela filmasse sem se expor, e me mandasse o vídeo. Ela ficou um tempo sem me responder … Cinco minutos depois recebo um vídeo, e era ela! No vídeo ela esta na varanda, se levanta, passa pela cozinha e vai para o banheiro do quarto, senta no vazo e diz:” Só você pra me fazer fazer isso, mesmo… Aff. (risadinhas sacanas) Olha bem o que você vai fazer com esse vídeo, hein seu doente”. Ela levanta um vestido longo de ficar em casa, preto com umas flores brancas, tira a calcinha, e começa a tocar uma siririca bem gostosa. A bucetinha dela estava sem depilar com os cabelinhos parecendo uma barba cerrada, mas continuava certinha, bem jeitosinha, delicada, que buceta linda…
Foi se deixando levar, se excitando, ficando molhadinha, em um dado momento poem um peito pra fora, filma pra mim, e volta a focar na sua bucetinha recebendo a siririca gostosa. Ela enfia os dedinhos na grutinha, dava uns tapinhas na buceta que fazia um barulhinho mostrando que ela estava molhada… Eu ouvia ela gemer bem baixinho, e dizendo:”Toma Du, é pra você, seu puto… toma hmmmm”. Em um dado momento ela se levanta, poem o celular em cima da tampa do vazo escorado em alguma coisa fica de pé, se arreganha e continua se masturbado com vontade murmurando: “haaa… ainnn… mmmm.” O vídeo acaba quando alguém grita o nome dela do outro lado da porta, e ela diz ofegante: “To no banheiro, ja to saindo.” Eu assisti ao vídeo bati uma punheta bem gostosa e mandei o vídeo da minha esporrada pra ela com a legenda “Gozei pra você. Quero te foder de novo, assim, gravida!” Ela assistiu e me respondeu:” seu tarado. Tambem queria, mas ta difícil. Não posso sair só, onde eu vou tem alguém atras de mim. Mas vamos combinar.” E mandou um coraçãozinho.
Conversamos mais sacanagens e três dias depois ela me mandou outro vídeo. Nesse, ela tinha acabado de sair do banho, estava com os cabelos molhados, me mostrou a embalagem do shampoo que tem o perfume das nossas fodas, estava com o mesmo vestidinho que a vi na loja da minha mãe, e com um chinelo havaiana azul do mikey… Ela senta na quina da cama, na frente do espelho do armário, deixa a embalagem do shampoo ao lado, pega uma escova de cabelo de plastico com um cabo colorido e fica dizendo:”É assim que você gosta de me ver, Du… Gravida, cheirosa e excitada!? Olha a minha barriga… você quer que eu fique de quatro pra você foder a filhinha do Thiago!? Olha só os meus pézinhos, estão inchados, mas estão do jeito que você gosta, limpinhos e macios.” Ela lambia e passava o cabo da escova na bucetinha, me mostrava os pézinhos descalços no reflexo do espelho, e passava a mão na sua barriga. E continuou… Tirou as alças do seu vestido dos ombros, o deixando cair sobre seus braços mostrando seus peitos que estavam consideravelmente maiores, mais volumosos, e com o mamilo rosinha, parecia uma fruta… Ficou de quatro, empinou sua bunda, voltou para posição de origem, e começou a enfiar a escova na sua buceta com gosto. Eliza estava louca de tesão, ela se fodia com força com a escova, estava encharcada. Cansada de segurar o celular e de se foder com a escova, ela sobe na cama, se escora na cabeceira com umas almofadas listradinhas, fica mais confortável, apoia o celular nas cobertas, e se masturba bem gostoso massageando seus peitos e gemendo: “hummm…hummm aah humm” O vídeo acaba com ela focando na bocetinha e mostrando a babinha que descia molhando seu cuzinho e manchando o lençol , pra finalizar, ela dava uma lambidinha no cabo da escova.
E assim foram passando os nossos dias … Eu trabalhando, ela sendo seguida pela mãe, ou pela irmã, ou pela sogra, enfim… Sempre quando combinávamos de nos encontrar, dava uma merda. Decidimos nos divertir pela webcam… Ela morava com a mãe, dormia sozinha no quarto dela, então todas as noites nos víamos, mas nem todas as noites rolavam sacanagens, era só quando ela estava com vontade. Em um determinado dia, ela ganhou uma roupinha de bebe que dizia “cuidado pai bravo”. Em nossas brincadeira pela web, eu disse que era bom ele ser bravo mesmo, porque se a filha puxasse a mãe, ia ser uma putinha de primeira. Ela sorriu e disse que sua filha poderia ser uma putinha porque o pai era um “banana” e que num ia evitar que ela fizesse nada. Entre um papo e outro, ela disse que não ia deixar a menina perto de mim porque ela seria linda, cheirosa, teria um pézinho lindo e eu gostava de uma putinha, e poderia trocar a mãe pela filha… Eu gargalhei e afirmei que não trocaria ela por ninguém, que poderia ficar com as duas. Ai ela me perguntou com uma cara de safada se eu teria coragem de foder a filha dela com o Thiago. Respondi que se ela quisesse, quando a menina tivesse uns 9 anos eu brincaria com ela, mas sem machuca-la ou força-la a nada… Só estimularia, dava uma chupadinha ali, uma siriricada aqui, roçava a rola nela, gozava na bundinha, na xota, na boquinha, no pézinho. Ela sorriu, dizendo que eu era pervertido, e que iria me controlar para eu não foder a menina com meu pauzão. Que eu iria acabar com a PPK da filha dela.
Os dias foram passando e surgiu uma oportunidade para nos encontrarmos pessoalmente e poderíamos foder: O chá de bebe dela! Combinamos que ela iria “passar mal” e ia para o quarto “dormir”, e eu iria atras dela. No dia do evento, tinha muita gente, Eliz levantou cedo para arrumar tudo, depois recebeu os convidados… Por volta das 17:00h, ja estava todo mundo meio bêbado, Eliz foi ate a mãe, disse que ia se deitar um pouco, e foi para o quarto… 15 minutos se passaram ela me mandou um Wpp que dizia: “pode vir”. Eu dei uma disfarçada, quando vi que todos estavam distraídos, sorrateiramente entrei no quanto da Eliz… NOSSA.. Ela estava linda. Tinha tomado um banho, estava com o nosso perfume, com um vestidinho de renda branco com salmão, sem calcinha e sutiã, e calçava uma melissa branca. Eu fui pra cima dela ja tirando minha blusa, a beijei com vontade, passava as mãos na bundinha dela e íamos em direção a cama. Quando deitamos, ja cai de boca naquela bucetinha que ja estava depiladinha, rosa, bem deliciosa, pedindo para ser chupada… lambia sua xotinha e massageava os seus peitos que minavam leite e eu lambuzava seu corpo com ele… Chupei seus pézinhos e meti meu pau ansioso pra dentro com vontade. Ela deu um suspiro e murmurou:”Ai Du… vai com calma que eu to prenha… Ainnn hmmmm”. E eu metendo euforicamente. Nos ajeitamos na cama, ela toda arreganhada com um dos pés no meu ombro, e eu marretando rola à dentro… que delicia, parecia que estava mais apertada. Eu alisava a barriguinha dela, beijava sua boca, lambia seus peitos que estavam incrivelmente deliciosos. Eliz só gemia, e provocava:”Vai, isso, me fode… Come a filhinha do Thiago, come.” E dava sorrisinhos imorais. Em um dado momento deitamos, e ficamos de ladinho, como nos velhos tempos. Eu marretava aquela bucetinha, beijava sua boca, e apertava seus peitinhos de ninfeta gravida, o leite saia e eu lambuzava nossa putaria com o simbolo da maternidade de Eliz. Ela se contorcia inteira, rebolava no meu pau, esfregava os pézinhos na minha perna, chupava meu dedo indicador lambuzado com o leitinho dela, gemia, e dizia ofegante:”Vai Du… ta gostoso! Pode gozar dentro que sua putinha ja ta gravida.” E eu gozei, claro! Um gozo gostoso, um jato forte de prazer todo dentro daquela grutinha apertada. Quando gozei, Eliz não parou, se movimentou, ficou em cima de mim de costas, galopou, rebolou, se esfregou ate meu pinto amolecer e sair de dentro dela. Meu pau e minha barriga ficaram cheios de porra e mel como vestígios da nossa putaria. me limpei e ficamos na cama deitados recuperando as forças. Rimos, relaxamos, conversamos, e eu falei que ela não poderia ter a filha de parto normal porque ia alargar aquela bucetinha perfeita, pequenininha, apertada e deliciosa, e iria acabar com minha alegria. Ela respondeu que se a PPK dela acomodou meu pau, vai se recuperar do trauma do parto. E insinuou que tinha outros lugares apertadinhos que eu podeira explorar. Nos rimos e começamos a segunda rodada. Ela começou me chupando pra levantar o “boneco”… Chupou gostoso como sempre, depois fez um footjob rápido, porem bem gostoso… passou meu pau por toda a extensão do seu pezinho, senti aquelas solinhas macias me deixa louco… Depois continuou me chupando e eu dizia pra ela me dar o cuzinho. Ela me punhetando, disse que ja tinha dado, mais que eu tinha que ir com calma porque o meu era mais grosso… Pegamos um lubrificante, passei no meu pau, dei uma chupadinha no cuzinho dela, e comecei a empurrar … Com ela de quatro o meu pau começou a entrar e ganhar espaço. Eu sentia aquele cu apertado engolindo meu cacete. Nossa, que delicia. Meti, meti, meti bem gostoso, ate lacear. Eliz só dizia: “Ainnn… Ainn… to dando o cu gravida. Não acredito nisso.” Depois ela ficou arreganhada e eu alternava entre o cu e a buceta enquanto chupava o pézinho dela… fiz isso varias vezes. Nossa, que gostoso!
Depois de muita putaria, gozamos, olhei em volta, e percebi que fodi a Eliz na caminha dela, no dia do chá de bebe, com toda a família em casa e sem pudor nenhum. Ficamos no quarto mais um tempo, tomamos banho, nos vestimos, e saí de fininho, como se nada tivesse acontecendo. Hoje Ana Lavigne esta com 5 anos, é uma criança linda, super esperta e inteligente… Fazia um tempo que não fodia com a Eliz, porque viajei, fiquei 8 meses fora, mas ela continua uma ninfetinha sacana e tesudinha. Assim que voltei nos encontramos, ela não mora com o pai da criança, ate onde eu sei, ela está solteira. Em relação a violar a filhinha dela, nunca mais tocamos no assunto… Da ultima vez que a vi, Eliz ficou colocando a menina no meu colo, tirou os sapatos dela, me deu umas olhadas insinuantes… Eu fiz um carinho, passei a mão nas perninhas, nos pézinhos, dei uma esfregada só pra estimular a Eliz, mas confesso que não fiquei excitado, não tenho coragem, ela é muito novinha, e eu me afeiçoei muito a criança, tenho ela como uma filha. Mas não sei… Quem sabe mais tarde, quando ela for mais velha. Por enquanto, vou ficar só com a mãe mesmo!