Meu tio roludo e comedor com Minha esposa novinha e rabuda


Click to this video!

Olá a todos me chamo Alex, sou alto moreno do tipo normal sou casado com Aninha ela é um espetáculo, cabelos loiros, pele bem alvinha, seios médios e durinhos, percingir no umbigo, um par de coxas bem torneadas e uma bunda linda com 115 cm de gostosura, uma verdadeira melancia durinha e empinada, ela tem 19 anos e namoramos desde os 15 anos, nos casamos há seis meses, hoje ela tem 19 anos e eu 21 anos, enfim vamos ao que interessa, moramos em Nova Iguaçu na Baixada Fluminense no Rio de Janeiro, eu trabalhava como cobrador de van que na verdade era um bico.
Eu pagava aluguel e a grana andava curta já estava ficando preocupado até que um dia minha mãe me ligou dizendo que meu tio Paulo me mandou ligar pra ele que ele me arrumava um emprego na empresa de ônibus que ele trabalhava a mais de 20 anos, eu liguei pra ele e ele me mandou comparecer na empresa no dia seguinte, comentei com minha esposa ela que ficou toda animada.
No dia seguinte cheguei à empresa e meu tio já estava a minha espera, nem fiz nada apenas preenchi uma ficha e meu tio me mandou começar na próxima semana, esse meu tio era um cara muito legal afinal de contas de todos os meus tios, esse era o que mais gostava, pois ele e eu sempre fomos muito chegados meu tio Paulo apelidado de Paulão, é um homem moreno bem escuro mesmo, 40 anos, de boa pinta e apesar de viúvo, sempre teve fama de comedor e bem dotado.
Depois que saímos da empresa ele me convidou para tomar uma cerveja, fomos a um bar e ficamos conversando, contei sobre a minha situação e depois falei da minha mulher, então ele me disse que depois de ficar viúvo decidiu não alugar mais a casa que ele tinha nos fundos de seu quintal e apesar de estar vazia era uma ótima casa e se eu quisesse poderia me mudar pra lá até a nossa situação melhorar disse a ele que conversaria com minha esposa e ligaria pra ele no dia seguinte.
Conversei com Aninha que concordou no ato e depois de nos mudarmos para a nova casa meu tio era visita constante, apresentei Aninha a ele, que me disse que ela era uma menina muito linda e que eu era um homem de sorte a Aninha olhou de um jeito incomum para ele e agradeceu o elogio e tudo o que ele estava fazendo por nos, ele a abraçou sentindo o odor de seu corpo juvenil e disse que era um prazer, pois não tinha filhos e eu era o sobrinho mais querido dele, depois de um tempo ele foi embora e eu e a Aninha fudemos bem gostoso para estrear a nossa nova casa, ela estava bem selvagem durante a foda.
Passou um mês e a Aninha me ligou no trabalho e disse que havia comprado umas peças de roupa e que tinha comprado também uns shortinhos lindos, eu ri e ela perguntou se eu iria demorar a chegar, disse que não, pois ia de carona com meu tio, meu tio me dava carona quase todos os dias e nesse dia eu convidei ele para ir a minha casa tomar café, ele aceitou e qual foi minha surpresa ao chegar e ver Aninha usando um shortinho de licra que deixava as polpas da bunda de fora e socado naquele bundão, o shortinho dividia o bucetão dela e ficava evidente que ela estava sem calcinha, meu tio quando a viu, eu pude ouvi-lo sussurrar baixinho “que mulher gostosa”, eu fiz de conta que não ouvi nada e logo ela veio e me deu um beijo e deu um abraço no meu tio, que ficou abraçado de lado com ela segurando sua cintura e com alguns dedos na lateral de sua bunda, deu pra perceber que o pau dele já estava endurecendo e ela pareceu não se importar com nada, ficamos na cozinha tomando café e conversando.
Na sala a Aninha começou a tirar o pó dos moveis, e sua bunda ficou toda empinada, meu tio levou a mão na rola e deu uma apertada de leve, não sei por que apesar de eu ser muito ciumento eu estava ficando com tesão de ver meu tio de pau duro por causa da minha mulher, que parecia atiça-lo desfilando o tempo todo sua bundinha na frente dele e sorrindo para ele, ele ficou mais um pouco conosco e foi embora, depois que ele saiu, fiquei conversando com minha esposa e contei a ela da fama do tio Paulão ser um comedor e bem dotado, ela deu um sorriso safado e ficou curiosa sobre o tamanho do pau dele, eu disse que diziam ter 25 cm, os olhos dela pareceram brilhar depois que falei isso, o meu mede 17 cm então fiquei um pouco encabulado, ela disse com o mesmo sorriso, que era bem grande, eu confirmei e fui tomar um banho.
Quando voltei para o quarto ela estava com uma régua na mão e me disse, nossa! Alex, isso é muita pica pra um homem só e deu uma risada, sorri para ela meio sem entender, mas fiquei pensando se ela estava de alguma forma atraída pelo meu tio e como isso iria afetar a nossa amizade, confesso que nunca havia pensado em ser corno, mas só de lembrar que vi meu tio mexendo na rola por causa dela, eu fiquei de pau duro, pensando na minha cavalona com ele, era uma visão e tanto, pois na cama ela faz muito gostoso e tem uma boquinha gulosa, mas nunca tinha feito sexo anal, uma vez tentamos, mas ela reclamou de dor e com isso não fizemos mais.
Alguns dias depois, Aninha e meu tio já estavam bem mais íntimos, com brincadeirinhas sacanas, como ficar dando tapinhas na bunda um no outro e meu tio vinha a minha casa todos os dias e Aninha adorava, provocava ele, pois vestia mais roupas minúsculas na sua presença, eu queria reclamar, mas aquilo tudo me dava tanto tesão, ate o momento que ele disse que ia embora, ai deu um abraço nela e uma apertada no bundão dela por baixo da saia, ela deu um gritinho e riu chamando-o de safado.
À noite fudemos como nunca e percebi que ela estava muito excitada, e eu já começava a aceitar a ideia de ser corno, minha mulher e eu conversávamos bastante, ela perguntou se eu achava ruim as brincadeiras e o carinho do meu tio com ela, eu disse que não, que era o jeito dele mesmo, ela pareceu ficar feliz com essa resposta, mas se eu não estivesse balançado com a ideia de vela levando rola do meu tio, claro que eu não ia gostar desse tipo de brincadeira.
Passaram-se mais alguns dias e as brincadeiras aumentaram e a safadeza dos dois também, eles brincavam de pegar pela sala e sempre que ele a pegava ele a agarrava por trás e dava uma sarrada com o pau duro no meio da bunda dela, que devia sentir muito bem o pau dele, devido os shortinhos socados no cu sem calcinha e as minissaias com calcinhas minúsculas que ela usava, toda vez que ele chegava aqui ele abraçava Aninha segurando a bundona dela com ambas as mãos e apertava, a minha esposa dava risada e se desmanchava toda em seus braços, sorrindo cinicamente se deliciando durante suas brincadeiras e passadas de mão.
Estava cada vez mais claro que eu ia ser corno e não ia demorar muito, numa sexta feira ele nos chamou para ir ate um forro com ele nos fomos, a Aninha estava muito gostosa colocou uma blusa bem decotada, uma sainha daquelas levinhas que qualquer brisa levanta, uma calcinha branca minúscula de renda que é tão fina que parece que esta tocando a pele e uma sandália gladiadora de salto alto, apareceu na sala e nos perguntou como estava, ao que ele de imediato respondeu, “muito gostosa”, ela sorriu com aquele olhar de safadeza e falou em tom de brincadeira, “olha só amor o que o seu tio falou” e sorriu novamente para ele com cara de quem quer aprontar, eu disse que ele estava certo, que ela estava demais e fomos ao forró.
Sentamos os três em uma mesa e ficamos meu tio e eu bebendo uma gelada, Aninha como não bebe então ficou só no suco mesmo, então meu tio a chamou para dançar ela lhe estendeu a mão e ele a puxou para junto de si, e foram agarradinhos para a pista, começaram a dançar e eu vi logo a safadeza, eles dançavam bem colados, ela estava com uma das pernas enlaçada na cintura de meu tio que segurava com uma mão em um de seus braços e com o outro segurava sua cintura bem junto a bunda, apertando o quadril dela contra o dele, ela também parecia aperta-lo pela cintura contra ela, pude ver a braguilha do calção dele colada na calcinha dela e ambos mexiam os quadris muito rápido se esfregando um no outro descaradamente, em dado momento pareceu que ele estava lambendo o pescoço dela e ela dava gargalhadas.
Quando voltaram para a mesa, meu tio estava nitidamente com a rola dura, igual pedra marcando na calça e minha esposa com o mesmo risinho safado de outrora, dizendo que ele dançava muito bem e sentou do lado dele, que por sua vez, passou a ficar acariciando a coxa dela ali por baixo da mesa, estavam bastante suados e risonhos, foi ai que meu tio falou, “Aninha você com essa sainha ai rodando todo mundo viu sua calcinha”, e ela apenas riu e fez cara de safada, ficamos por lá rindo e conversando em quanto meu tio continuava a acariciar as pernas de minha mulher por de baixo da mesa ate umas 03h00min AM, ai fomos embora e quando chegamos a minha casa, meu tio deu um abraço apertado nela e segurou forte sua bunda, e falou ao seu ouvido, “ate manha minha sobrinha”, ela como sempre sorriu e deu uma piscada de olho para ele e depois ao entrarmos em casa, ela praticamente me estuprou de tão grande que era o seu tesão, sua fome de sexo.
No outro dia estava no trabalho, um amigo me falou que ouviu meu tio dizendo estar louco de vontade de comer uma loira novinha muito gostosa e bunduda que morava próximo a sua casa, foi ai que eu tive certeza que pela fama do meu tio e pelos eventos recentes que se tratava da minha amada Aninha e que eu ia acabar sendo corno mais cedo ou mais tarde e estava gostando da ideia, pois nunca havia trepado tanto e com tanta intensidade como nos últimos tempos.
Alguns dias depois, como sempre depois do trabalho meu tio me dava carona e íamos tomar cafe em minha casa quando entramos na minha casa meu tio e eu tivemos uma surpresa a minha esposa estava deitada no sofá dormindo com uma blusa minha comprida só que a blusa estava na altura da cintura e estava com a bunda toda de fora, meu tio pelo olhar parecia querer rasgar as próprias roupas e pular em cima dela ali mesmo cravando seu pau no cuzinho de aninha, pois o vi apertando o pau por cima da calça, ela estava com uma calcinha branca pequenininha todinha enfiada no bundão dela, eu a acordei e ela meio lesada, pediu desculpas e disse que estava arrumando a casa e ao deitar para descansar um pouco, acabou pegando no sono, fomos pra cozinha tomar cafe e meu tio não tirava os olhos da bunda apetitosa da minha mulher, ele parecia hipnotizado, ficamos conversando um pouco e depois de um abraço apertado principalmente entre as pélvis e cheirar o cangote do pescoço de Aninha meu tio foi embora.