O Virgem e a Empregada


Click to this video!

Este conto é baseado em fatos reais. Os nomes foram alterados para preservar a identidades dos envolvidos.

Usarei o nome de Carlos. Tenho 22 anos e, por ser criado em uma família tradicional, fui virgem até essa idade. Isso até minha tia contratar uma empregada por quem eu me fascinei.

Minha tia trabalhava fora, saindo de manhã e voltando ao meio dia. Nesse meio tempo, a empregada, que vou chamar de Lúcia, ficava na casa e fazia almoço, limpava, lavava, etc.

Eu nunca fui muito de visitar minha tia, mesmo que ela morasse apenas a uns 100 metros da minha casa, mas depois que Lúcia começou a trabalhar lá, passei a fazer visitas diárias. Era maravilhoso.

Lucia não tinha um corpo de modelo. Tinha 32 anos, 1,60m, olhos castanhos e seios médios, um pouquinho caídos porém quase imperceptível. Mas o que me chamava a atenção era sua bunda maravilhosa. Grande, redonda e linda de se ver.

Eu ficava no sofá da sala enquanto ela fazia as tarefas da casa, e logo no inicio eu ficava olhando só quando ela estava distraída. Ela se abaixava e eu me esticava pra ver a dobra do seu short, ela se virava e eu não tirava os olhos da bunda dela. Uma delícia.

Com o passar dos dias, ela já havia percebido que eu a olhava, mas não parecia se importar com isso. Passou 1 semana nessa brincadeira sem que nada rolasse. Então o dia finalmente chegou: eu ficaria sozinho com ela na minha casa.

Minha mãe teve que fazer uma viagem, meu pai também estava viajando a trabalho, meus irmãos trabalhando e estudando. Como minha mãe e meu pai ficariam longe de casa por 3 dias, ela chamou Lúcia pra fazer uma diária em casa. Foi aí que eu aproveitei.

Lúcia veio, e durante a manhã fez a faxina. A tarde meu irmão foi trabalhar e eu ficaria sozinho com ela das 13:00 até as 17:00. Não poderia perder essa chance. Comecei conversando pra quebrar o gelo, perguntando sobre sua família. Sentamos no sofá, eu em um e ela em outro e ela disse que tinha um namorado de 16 anos e não se importava com a diferença de idade.

– E você não se importa dele ser tão novo, Lúcia?

– Não, porque meus filhos nem moram mais comigo e eles nem ligam.

– E vocês dois se dão bem?

– Mais ou menos, ele é bem moleque. As vezes teima comigo porque eu falo que quero um celular smartphone e ele diz que eu vou trair ele se tiver um.

– Sério? (Risos). Mas isso é bobagem, não né?

– Pois é menino, pra gente trair não precisa de celular não. Quando a gente quer botar chifre, nada nos segura.

– Pois é, celular não empata nada (Risos).

– E você Carlos? Tem namorada?

– Não não, faz um tempo já. Não quero arrumar nada sério no momento.

– hmm

– Olha Lúcia, eu tenho que te dizer uma coisa.

– Pode falar ué!

– É um pouco difícil dizer, eu tenho um pouco de vergonha.

– Ah não, agora vai ter que falar.

– Tá bom. A verdade é que eu tenho que te pedir desculpas. Você deve ter percebido que eu ficava te olhando ultimamente.

– (Risos) Eu percebi mesmo, mas fiquei com vergonha de falar alguma coisa.

– É que você é tão bonita… tão linda… Não dá pra resistir.

– Aí Aí, eu bonita? Que nada.

– É sério, sei corpo é maravilhoso.

– (Risos) Obrigada.

– Sabe, para um rapaz da minha idade, eu nunca cheguei a fazer nada com uma mulher, e você fica andando pela casa assim tão sensual as vezes, rebolando. Me deixa excitado.

– Aí Carlos que isso. Sério?

– Sim. Eu fiquei pensando… Será que….

– Que o que?

– Eu não sei se devo dizer.

Ela olha pra mim com um olhar sedutor e diz:
– Não precisa ficar nervoso. Pode falar.

– Será que… alguma coisa…. poderia acontecer… Entre nós?

– Kkkkk, aí aí Carlos. Você heim.

Nesse momento, ela levanta do sofá e vai pegar umas roupas no varal e leva pro quarto. Eu sigo atrás dela.

– Olha, eu sei que isso está indo rápido de mais, porém eu realmente não consigo me conter mais.

Eu chego perto dela e passo a mão levemente em sua bunda. Ela diz:
– Meu Deus, kkkkk. Calma menino. Você está muito nervoso.

– Desculpe.

– Tudo bem. Você tem coragem?

Não me segurando mais e nem controlando minhas funções motoras, eu a seguro pelo braço e puxo pra mim. Ela me abraça e escuta meu coração, ressaltando o quanto ele está batendo forte.

Finalmente ela me beija. Um beijo gostoso e molhado. Eu a empurro para a parede e começo a passar as mãos no corpo dela. Pegando naqueles seios deliciosos. Ela me beija com vontade, parecia que não fazia aquilo a muito tempo.

Eu pego sua mão e coloco no meu pau. Ela o segura com força e massageia bem gostoso. Eu então tiro a blusa e o soutien dela. Começo a mamar naqueles seios gostosos.

Ela segura minha cabeça por trás e me manda mamar.

– Isso bebê, mama em mim vai. Hmmm que língua gostosa. Mama gostoso que eu tô adorando isso.

Então eu a puxo pra cama e faço ela sentar em cima de mim. Ficamos nos beijando e eu explorando aquele corpo com as mãos. Eu começo a beijar o pescoço dela e ela diz que está suada da faxina e vai tomar um banho.

Eu sigo ela. Entramos no banheiro juntos. Eu aproveito e passo a mão em todo o corpo dela, nos seios, na bunda e na buceta. Eu não me aguento e sento no chão pra chupar ela.

Enfio a cara inteira na buceta, lambendo com vontade e aplicando todo o conhecimento que aprendo nos vídeos pornos.

– Aai isso. Chupa vai. Chupa ela. Chupa gostoso. Aaaaiiii que delicia. Beija ela toda.

Eu enfio 1, depois 2 e finalmente 3 dedos na buceta dela enquanto chupo todo o seu melzinho. Ela enlouquece na minha língua. Percebo que ela tem um orgasmo quando sua buceta se contrai nos meus dedos, sua mão aperta minha cabeça mais forte para perto dela, ele dá um gemido fino e fica mais rígida e, o melhor de tudo, começa a liberar um fluido vaginal mais quente que o anterior, com um gosto mais salgado.

– Aaah que delícia. Seu cachorro safado. Agora senta no chão que eu vou te fazer gozar.

Ela começa a lamer a cabeça do meu pau. É uma sensação indescritível. Depois abocanha todo ele na sua boca quente e humida. Ela não aguenta mais e finalmente tira minha virgindade sentando no meu pau. Que sensação. Que prazer. É simplesmente incrível.

Ela começa a cavalgar em mim. Cada vez mais forte. Eu enfio um dedo na sua bunda e pergunto:

– Você gosta desse dedinho? Deixa eu te comer aqui deixa?

– Não Carlos aí não. Meu marido come aí e pode perceber.

Não saciada ainda, ela me leva pro quarto de novo e fica de bruços na cama, com as pernas pra fora e os joelhos quase encostando no chão.

– Vem, quero que você me coma de quatro. Me fode gostoso agora.

Eu enfio tudo. Meto meu pau bem fundo e faço ela gemer alto. Ela só fica falando que quer mais. Eu então enfio cada vez mais forte e mais rápido. Ela então sai da posição e me faz deixar no chão. Ela senta no meu pau e começa a cavalgar.

– Que gostoso, você é deliciosa Lúcia. Vou fazer você gozar de novo.

– Ah é? Então olha isso!

Ela se levanta só o suficiente pro meu pau sair e ficar bem na porta da buceta dela. Ela pega ele pela base e fica esfregando a cabeça na buceta dela, como se estivesse se masturbando com ele. É uma sensação indescritível. Ela solta um gemido fino de novo, gozando pela segunda vez.

– Aaaaahhhhhh!!!! Delicia!!!!

Eu levanto ela e a coloco na cama de novo. Dessa vez eu Meto com mais força ainda e velocidade. Estou prestes a gozar quando ouço ela dar o 3o gemido fino. Ouvir o 3o orgasmo dela me leva a loucura e eu gozo como um louco dentro da buceta dela. Quando tiro o meu pau, uma bela porção de esperma sai junto e cai no chão.

Tomamos banho e nos vestimos. Dissemos um ao outro que aquilo não poderia se repetir e ninguém deveria saber sobre isso. Mas é claro, assim que eu tiver uma outra oportunidade, vou fazer mais coisas ainda e venho aqui contar pra vocês.

Este conto é verídico. Se alguma mulher madura que more no norte queira curtir um pouco. Entre em contato pelos comentários.