Tana- 12 anos… Boquinha de veludo


Click to Download this video!

Continuação de Tana- a garotinha andarilha

Tana não estava em uma fase muito boa, a turminha de amigos agora só era ela, amanda, Arthur e de vez em quando algum amigo(a) que se reuniam p brincar. Além disso, amanda brincava muito pouco, sua mãe sempre a chamava dizendo que já estava ficando tarde. A coisa ficou mais chata ainda em um certo dia de aula:
Tana estava na aula de matemática com o profº Geraldo, que além de professor agora também ocupava o cargo de diretor da escola, além de futuro pai, pois sua mulher estava grávida. O sinal do recreio bateu, quando todos iam saindo o Geraldo chamou a tana.

Geraldo- tana! Antes de você ir embora hoje, passa lá na minha sala, que eu quero conversar com você.
Tana- ah… tá bom

Ela foi p recreio pensando o que será que o professor queria, nunca tinha sido chamada na diretoria. O que será que ela aprontou? Após o recreio ela teve mais dois horários, e quando terminou foi ver o que Geraldo queria. Parou em frente a porta escrita DIRETORIA e bateu.

Geraldo- pode entrar.
Ela entrou, fechou a porta e se sentou na cadeira que estava na frente da mesa do diretor.
Geraldo- então tana. Eu te chamei aqui porque já tem um tempo que vem acontecendo umas coisas que já chegou no limite.
Tana- o que profº?
Geraldo- sua avó conversou com você?
Tana- não
Ele foi bem direto.

Geraldo- imaginei. É o seguinte: já faz tempo que você está tendo um mal de desempenho. Todo ano fica de recuperação só passa porque te dou boi, você não tem prestado atenção na aula, está conversando muito…esse colégio é um dos melhores da região, muitos alunos esforçados e que não tem condição de pagar a mensalidade sonham em ganhar uma bolsa como você ganhou, o colégio arca com tudo, uniforme, material, lanche… e ainda sim você nem ao menos está se esforçando.
Tana se sentiu extremamente envergonhada, não sabia o quanto seus estudos eram levados a sério.

Geraldo- para estar aqui você precisaria de fazer uma prova e concorrer com cerca de 80 alunos, mas não… quando soube da sua história, que você era mendiga fiquei com dó e quis te ajudar, convenci o ex-diretor a colocar você aqui na esperança de te dar a oportunidade de construir seu futuro. Mas dada as circunstâncias, eu não vou tolerar mais isso. Ou você estuda ou sua matricula não vai ser renovada no ano que vem. Sua vaga vai ser passada p outro…. Então eu posso contar com você? Você vai se esforçar?
Tana- pode sim profº. Prometo que eu vou estudar. – falou a garota com os olhos cheio de água.

Tana se despediu do professor e foi embora prometendo para si mesma que iria estudar. E assim ela fez, quase todos os dias pegava seus cadernos e relia a matéria, mas não adiantava, não entrava nada na sua cabeça.
Em uma sexta-feira à noite tana foi brincar com a amanda e o Arthur no barzinho, onde também estavam o afonso pai da amanda, o Paulo pai do Arthur e o Geraldo.

O Paulo era um homem negro de cabeça raspada que vivia exibindo seu corpo malhado, o Geraldo era mais magro (não um magro feio) era o mais bonito dos três, tana sabia que era bem mais velho mas aparentava ter uns 28 anos, branco e de cabelo castanho liso, o afonso nem magro e nem gordo (só um pouco de barriga) cabelo liso anelado e tinha a cara de um homem respeitado.

Os três sentados tomando cerveja perto da mesa de sinuca onde os meninos brincavam com a bola branca. Depois de um tempo marli foi buscar a amanda no bar dizendo que já estava tarde. Tana ficou brincando com o Arthur cada um de um lado da mesa de sinuca brincando. O lado que tana ficou estava perto da mesa dos três amigos, ela começou a prestar atenção na conversa que parecia se referir a ela.
Afonso- … eu num falei com vocês não né? Do que o lucas aprontou?

… ele e mais dois colegas levaram a guria ali lá p dentro da casa que eu to construindo e colocou ela p bater boquete pros três, saíram de lá e deixaram a menina com a cara pingando de porra…
“O QUÊ?”
“CÊ TÁ BRINCANDO”
Afonso- não estou não…. A marli xingou … xingou… depois eu ainda dei uns cascudos nele…
Geraldo- mas tinha que dá mesmo. Onde o lucas ta com a cabeça?
Paulo- mas foi estupro? … digo assim… é… ele obrigou ela fazer isso?
Afonso- ahh a gente nem deu chance dele explicar não. Mas acho que ele não forçou não
Geraldo- gente do céu! Ainda bem que eu vou ter é um menino.
Afonso- e tem mais: marli ficou preocupada com o que a avó dela ia fazer e fomos la conversar com ela. Colocamos ela ciente de tudo, sabe o que ela falou?
“o quê?”
Afonso- que isso é coisa de criança, que todo mundo já teve essa fase
Geraldo- O QUÊ?
Paulo- então eu sou criança até hoje, porque nunca sai dessa fase kkkkk

E os três riram.
Esse comentário foi o ponto que o afonso queria chegar. Esse papo de que estava indignado era pura balela, ele queria mesmo era expor tana pros colegas para ver suas reações.
Afonso- mas as meninas de hoje estão assim. Num querem mais brincar de boneca não, já tão tudo com a periquita pegando fogo.
Será que ele esqueceu que tinha uma filha?
Paulo- estão mesmo
Geraldo- é mas independente disso, o lucas deu foi sorte, imagina se a avó dessa menina chama a polícia e decide agir, aí acaba com a vida dele.
Esse argumento foi mais p render assunto, pois agora sabiam que tana não tinha ninguém capaz de fazer denúncia e nem ser levado a sério, ninguém que tivesse um cuidado com ela.

Quando foi na segunda feira, tana bateu no portão da amanda, sua amiga abriu o portão e estava junto com mais outra menina.
Tana- vamos brincar?
Amanda- agora num da não, à gente vai ver filme
Enquanto conversavam o afonso apareceu por trás das garotas p ver quem tinha batido no portão.
Tana- posso ver também?
Amanda fez uma cara de quem ia dizer não, porém o pai respondeu na frente.
Afonso- ah pode… pode, num tem nada haver não.

Amanda ficou alegre, agarrou tana pelo braço e entraram. Na casa tinha mais crianças, eles fizeram uma bagunça: estouraram pipoca, fizeram suco, levaram p sala e fecharam a cortina, colocaram o filme e sentaram no tapete do chão. Quando a pipoca acabou, amanda e mais duas amigas deitaram no tapete de bruços para ver o filme, o arthur deitou no sofá de três lugares e tana deitou no de dois lugares.

Tana estava deitada de lado com as pernas encolhidas, a sala estava escura só com a iluminação da tv. O afonso decidiu assistir também, e foi sentar no sofá em que tana estava, como ela ocupava os dois lugares, afonso levantou a sua cabeça se sentou rapidamente e colocou a cabeça dela em sua coxa, ele olhou p ela e sorriu, e a garota retribuiu o sorriso sem graça. O filme passava e tana nem percebia o afonso acariciando seu cabelo, não se importou quando ele fez carinho na sua costela. Ele foi descendo a mão aos pouco e logo parou em cima da bunda de tana. Neste momento a atenção dela saiu do filme, o afonso começou a passar a mão em sua bunda por cima do vestido mesmo. Depois ele tentou puxar o vestido dela que estava preso debaixo do seu corpo.

Ela percebeu isso e agiu sem pensar, deu uma levantadinha com o corpo para facilitar p afonso. Ele sentiu isso como sinal de aprovação, levantou o vestido dela um pouco e foi direto com a mão na calcinha dela, colocou a calcinha dela de lado e começou a passar os dedos na bucetinha dela. Enquanto isso ela estava sem reação, fingia prestar atenção no filme. Ele começou a fazer um movimento circular com dois dedos na buceta dela…. depois enfiou um pedacinho do dedo nela… depois tirou o dedo dela e levou na boca dela. Ela não chupou, não passou a língua nem nada, só sentia ele enfiando o dedo em sua boca… levava na buceta…levava na boca dela… teve uma hora porem que ele levou na própria boca, quando voltou com a mão passou no cuzinho dela, ela sentiu que estava muito molhado. Ele então começou a massagear o cuzinho dela, depois enfiava a ponta do dedo…ela se contraia e ele tirava…continuava massageando e enfiava o dedo entrando um pouco mais agora, ela se contraia e ele tirava…. em um certo momento tana sentiu que o dedo dele entrou por completo no seu cu. Tana não sentia dor e ele ficava enfiando o dedo no cu dela.

A cachorrinha que estava no tapete levantou e começou a latir, o portão de cima se abriu, afonso se levantou em um pulo e saiu. Tana arrumou sua roupa e então ouviu:
“ … cadê a neguinha da mamãe…. quem é a cachorrinha mais linda…”
Quando marli chegou na sala e acendeu a luz, olhou p todas as crianças e depois olhou p amanda séria.
Marli- o que a gente conversou?- perguntou fria
Amanda- mas foi meu pa..
Marli- psiu! Vamos lá no meu quarto que quero conversar com você.- e as duas saíram.
Após um tempo, as duas voltaram.
Amanda- gente, eu to de castigo, minha mãe proibiu de trazer amigos aqui, então depois a gente brinca.

E começou a se despedir dos amigos quase chorando. Marli também se despediu de todos de uma forma bem amorosa. Mais tarde tana iria descobrir que o problema de marli era com ela. Não por ciúmes do marido (ela jamais pensaria que seu marido olharia p uma menina daquela idade. Afonso era um santo p ela), ela apenas tinha medo de tana dar maus exemplos p sua filha, mas mesmo assim tratava tana muito bem.
Tana voltou p casa agora pensando novamente em sexo. As dúvidas que teve voltaram. Sua avó estava em casa igual uma desorientada arrumando a cozinha. Tana puxou papo com ela enquanto tomava café. Após um tempo de conversa resolveu perguntar a avó:
Tana- … o que é aquele trem que sai do pinto dos homens?
Ieda- ah minha fia aquilo é…é…- talvez ela tenha esquecido a palavra “ejaculação ”- ah, aquilo é porra, é porra p fazer neném.
Tana- p fazer neném? Como assim?
Ieda- quando um homem e uma mulher faz sexo, o homem goza dentro da perereca dela e ela engravida.
Tana- goza? Mas isso é igual xixi?
Ieda- nossa menina, na sua idade eu num era inocente assim não. Pra um homem gozar ele tem que sentir muito tesão, tem que ter muito prazer e quando ele goza, ele fica extremamente feliz da uma sensação muito boa.
Tana- atah…

Sua avó parou tudo igual uma louca e avançou p tana, pegou em sua orelha torcendo e disse xingando enquanto a menina reclamava de dor
Ieda- mas olha aqui. Ai de você aparecer com barriga aqui, eu te coloco p fora, já cuidei de você num quero mais um pivete aqui não, ta Bom?
Tana confirmou, e um tempo depois as duas já estavam conversando normal ( sobre outros assuntos). Quando tana foi se deitar ficou pensando muito sobre a conversa. Queria muito ver um homem gozando, mas achava que veria só quando fosse adulta.

Os dias se passaram, tana estudava muito, mas nada entrava na sua cabeça. Quando foi sábado tana estava brincando na rua, logo a marli que estava conversando com o afonso e o paulo chamou a amanda p entrar, duas meninas que estavam brincando também se despediram.

Athur- vamos brincar la em casa- falou com dois meninos.
Tana- eu também posso ir?
Arthur- pode pai?
Paulo olhou para marli e afonso e falou.
Paulo- Só vai ter homem brincado. Amanhã vocês brincam mais ta bom.
Sem ninguém p brincar tana foi embora. Que chatice!! No dia seguinte foi a mesma coisa. Amanda foi embora. Arthur e os dois amigos se despediram dela
Tana- será que seu pai num deixa eu ir não?
Arthur- eu vou pedir ele, mas hoje só vai ter homem de novo.
Tana aborrecida foi embora e tomou seu banho, mal acabou de vestir a roupa e o arthur bateu no portão.

Arthur- meu pai deixou você brincar la em casa
Tana ficou toda alegre.
Arthur- mas ele disse que você só vai poder brincar se- e chegou perto dela falando mais baixo- se você fazer aquele negócio que você faz comigo nele. Tana entendeu na hora
Tana- aquele negócio la na casa mal assombrada?
Arthur- isso.
Ela já não achava aquilo errado e ainda ter a oportunidade de ver um pinto de um adulto, aceitou na hora.
Arthur- então espera aí.
O garoto saiu correndo e depois de uns minutos voltou.
Arthur- então tá. Mas ele falou assim que é p você ir quando não tiver ninguém na rua; e que também não é p você falar com os meninos; quando os meninos forem embora é p você ir nele p fazer o negócio; e ele falou assim que se você for e não fizer, ele nunca mais deixa você ir la em casa e nem brincar comigo.
Tana- tá bom!

Era umas 20h, os dois olharam em volta e entraram na casa. Ficaram brincando, tana não parava de pensar: “ o pinto dele deve ser maior que o do lucas, ele é mais velho, tem mais corpo ( coisa que a gente sabe que num tem nada haver, o homem pode ser grande e ter um pau do tamanho de um dedo)”; “ será que eu vou conseguir fazer ele gozar?”, “será que vai ser com a luz acesa?”…. quando ela passava pelo paulo ou ficava na sua presença, ele não à olhava diferente, agia como se não tivesse proposto nada p ela. “ será que era mentira do Arthur?”; “ será que ele está querendo pregar uma peça em mim?” Ouviu-se a voz do paulo de algum lugar.
“eu vou tomar meu banho, acho que já ta tarde p vocês brincarem”
Uns 10 minutos depois os garotos começaram a se despedir e Arthur os acompanhou até a porta. Tana ficou p trás…. a hora chegou… estava ansiosa e como o combinado saiu pela casa atrás do paulo. Passou pelo seu quarto e nada, desceu a escada e ele estava na sala sentado no sofá vendo tv. Estava apenas com uma toalha branca enrolada na cintura, tana o admirou, ele estava sentado com as pernas abertas, a toalha deixava á amostra uma de suas coxas peluda, seu peitoral malhado, os braços grandes, e sua barriga definida que tinha uns pelos grossos.

Ela parou em uma distância do sofá esperando que ele a chamasse. Mas ele continuou olhando p tv. Ela ficando envergonhada de ficar parada feito muda falou
Tana- paulo…

Ele olhou p ela esperando que ela continuasse e ela esperando que ele tomasse iniciativa. Como ele não falou nada
Tana- eu vim … é… p fazer o negócio
Paulo- atah- deu um sorriso- então pode começar.
Ele não facilitava, tana estava com vergonha.
Paulo- vem, ajoelha aqui na minha frente e pode começar.
Tana foi até ele, ajoelhou no meio de suas pernas e ficou esperando ele tirar a toalha.
Paulo- pode começar

Ela levou a mão até a toalha e tirou revelando o pau do paulo. “Que monstro é esse?” pensou ela abobada de olhos arregalados. Os pelos do saco dele eram raspados, mas os da virilha não eram nem aparado (também não era uma moita), eram pelos do tipo crespos. Tana estava certa, o pau dele era grande e grosso ( não uma coisa exagerada como uma terceira perna kkk), e tinha uma cor de chocolate.
Tana pegou no pau dele com suas mãos quentinhas e macias, e chupou aquela cabeçona.
Paulo suspirou
Ela chupava até a metade do pau dele, às vezes parava p olhar o pau dele…. e chupava, olhava de relance p Paulo e via que as vezes ele fechava os olhos de prazer e as vezes revirava os olhos…
Paulo- chupa minhas bolas
E assim ela fez, começou a chupar aquele saco enrugado dele revezando as bolas em sua boca.

Depois continuou chupando o pau dele… e ele dava ordens
“chupa sem colocar as mão”, “passa a língua nele”
“isso… vai…que delicia”
“engole ele todo”
Ela tentou mas
“eu não consigo”
Paulo-consegue sim vai, tenta
Ela tentava, mas só conseguia até a metade
Ele batia com o pau na cara dela…. segurava ela pelos cabelos e esfregava a cara dela no seu saco… e depois colocava p mamar…
Paulo- vem cá

Ele levantou, pegou tana e a deitou no sofá com a sua cabeça no braço do sofá, passou uma de suas pernas por cima dela e se abaixou. Ela agora via ele de baixo, com o pau bem próximo do seu rosto.
Paulo- abre a boca e põe a língua p fora
E assim ela fez, ele pegou seu pau e colocou a cabeça na língua dela, depois foi enfiando…chegou na metade…continuou enfiando…tana começou a sentir ânsia… ele continuou enfiando… chegou na garganta de tana….ela não aguentava mais e começou empurrar ele…o que não adiantava, pois não tinha força….
Paulo- calma bebê…

O pau dele começou entrar na sua garganta…. os olhos dela lacrimejaram…ela sentia como se estivesse engolindo alguma coisa que não mastigou direito….dava socos na perna dele mas ele não parava, não tinha saída…. por fim ele enfiou o pau todinho na goela dela…. o nariz dela encostados em sua virilha e a língua em suas bolas…..enfim ele tirou o pau cheio de baba.
Repetiu isso mais umas duas vezes. Tana aprendeu a fazer a garganta profunda na marra, na terceira vez ela encontrou um macete p controlar a ância.
Paulo- falei que você conseguia
Então começou a meter na boca dela mais acelerado, ás vezes batendo com força a virilha no nariz de tana… ele gemia de tesão…metia na boca dela… metia…. metia…

Então enfiou o pau na boca dela, porem só um pedaço e ficou olhando nos olhos dela e ela retribuía o olhar sem entender porque tinha parado. De repente, ela sentiu ele gozando em sua boca, sentia os jatos voando no céu da boca e não parava, estava enchendo a boca dela, ela segurava p não engolir… mas acabava engolindo sem querer
Paulo- engole

Com muito nojo ela engoliu. Paulo tirou o pau da boca dela com um pouco de porra ainda no seu pau.
Paulo- limpa ele vai… bebe até a última gota
Era muito nojento, mas p acabar logo ela passou a língua aonde tinha porra. O pau dele pulsava.

Ele deu a ela a toalha p limpar a baba que tinha escorrido.
Paulo- caramba! Você chupa melhor que muitas mulheres por ai. Conseguiu engolir meu pau todo, num é qualquer mulher que consegue fazer isso não.
Tana apenas riu.
“vamos la beber agua”
E foram p cozinha, Paulo ainda pelado andando com o pau meia bomba. Beberam água.
Paulo- então pode ir lá. Mas aqui não fala nada com ninguém hein.
Tana- pode deixar

Ele deu um beijo na testa dela e ela foi embora.
Quando chegou em casa ela foi p quarto olhar logo uma coisa que estava lhe incomodando: sua calcinha que estava molhada. Não sabia o que era, mas sabia que não era xixi. E tinha sentido uma coisa naquela noite que jamais tinha sentido antes.
Conseguiu fazer o Paulo gozar e os elogios que ele fez, colocou ela lá em cima, fez ela se sentir muito especial. O sono chegava ela dormiu com uma preocupação: será que engolir porra engravida?

Continua…