Caio, sodomizado, feminilizado e puta de malandro 02


Click to this video!

Boa galera voltando ao conto que comecei no relato de Caio, depois daquele esbregue que tomei da minha mãe, já tinha se passado uns quatro dias e tava chegando o sábado do showzaço de rap que eu queria assistir nem mais lembrava do Val porque eu nem tinha mais visto ele porque tava proibido de sair de casa por causa do castigo que minha mãe tinha me dado, na escola nem tava mais ligando para as brincadeiras de mau gosto dos outros meninos querendo me sarrar ou dos apelidos que me colocavam como tanajura, pavão imperial, globeleza entre outros.
Bom como fui um menino obediente (só porque eu tava querendo ganhar a confiança da minha mãe) estávamos voltando do supermercado e eu todo solicito com ele com quem a gente da de cara logo na hora que eu tava pedindo pra ir no show, o Val é claro e logo na hora que minha mãe já tava me dando outra bronca dizendo que eu não iria e tals e que era por isso que eu tava sendo tão obediente só tava querendo pedir pra ir naquela porcaria de show de rap e me disse que eu podia tirar o cavalinho da chuva e eu percebi quando olhei pra trás que o Val tinha ouvido tudo e ainda me mandou um beijinho e uma piscada.
Como minha mãe não iria me deixar sair mesmo decidi fugir de noite no sábado e ir de busão ate o show w voltar quando ela estivesse dormindo e ela nem iria desconfiar porque pela minha janela e o muro que dava pra rua de trás dava pra pular fácil, quando chegou no sábado e deu umas 21h00min disse pra minha mãe que iria dormir mais cedo porque eu tava me sentindo cansado e ela perguntou se estava sentindo alguma mal e eu disse que não só cansaço mesmo e como ela não gosta de ficar sozinha assistindo TV disse que também iria dormir ate ai meu plano estava saindo do jeito que eu queria, quando deram umas 22h45min eu levantei e fui dar uma olhadinha nela que dormia um sono pesado que dava ate pra ouvir o ronco e quando ela dormia desse jeito não acordava com nada.
Fui no banheiro tomando cuidado pra não fazer muito barulho e me lavei e fui me arrumar coloquei uma camisa de time de futebol e uma calça tactel preta dos lados e vermelha no meio que era bem fina e um tênis legal, peguei minha C.I o dinheiro da passagem de ida e volta e o um dinheirinho pra pagar o ingresso que já tinha descoberto que custava R$ 25,00 e o pro lanche e fui, peguei o busão no meu bairro tomando cuidado pra que ninguém me visse principalmente os conhecidos e #partiu cidade vizinha, chegando La perguntei pra algumas pessoas onde estava acontecendo o show de rap e chegando na casa de shows paguei minha entrada nem precisei mostrar a C.I e curti muito o show foi melhor do que a encomenda, nem me lembrava da vida, da minha mãe em enchendo, do Val com aquela cara de tarado me mandando beijos e tals e dos meninos da escola, naquele momento eu era o garoto mais feliz do mundo.
Mas como diz o ditado “toda alegria de pobre dura pouco” a minha durou apenas 02h00min horas traduzindo eu levantei 22h45min pra ver se minha mãe tava dormindo e demorei mais 40 minutos pra me arrumar e conseguir sair de casa pegando o busao cheguei no show 00h22min então já era 02h30min da manha e quando percebi isso levei o maior susto da vida e já corri pro ponto de ônibus pra voltar pra casa só que não passava busao nenhum ate que o pondo foi se enchendo de gente que tava indo embora do show e quando apareceu o bacurau o busao lotou de gente como ele tinha parado bem na minha frente fiquei de cara com a ultima porta e uns pularam a catraca e depois foi a invasão geral as portas foram abertas pelo motor e eu fui praticamente empurrado pra dentro fiquei prensado na chapa de ferro e com alguém atrás de mim me apertando.
Quando ônibus finalmente conseguiu andar senti que o cara que tava atrás de mim estava sempre mexendo mas como não tinha como sair dali fiquei na minha só lembrando das músicas de batidas das pick- ups foi quando ouvi uma frase que me arrependo ate hj:
-então você veio no show mesmo sua mãe dizendo que não era pra vir hein delicia;
Quando olhei pra trás de lado pelo ombro vi que era o Val que tinha vindo ali pra de segurança e vender sua mercadoria e tinha me visto, fale que minha mãe tinha deixado e ele disse que não acreditava porque tinha ouvido minha mãe ser bem clara que não queria eu ali ainda mais em outra cidade de noite e num lugar que não era pra menores de idades e que poderia provar porque tinha me filmado La no show e tinha tirado umas fotos de prova e me mostrou aas fotos no tel. dele, nesta hora o motor desligou as luzes porque não iria pegar mais ninguém porque tava lotado e eu virei de lado um pouco e pedi que ele não me entregasse que faria tudo que ele quisesse então ele falou fica paradinho ai e não da um pio e não reage se não minha mamãezinha iria receber fotos do filho desobediente dela.
Foi quando ele desceu sua Mao pra minha bunda e deu um apertão forte senti a mãozona daquele negro alto de uns 1,85 de altura o cara parecia um daqueles seguranças de casas de show, ele me bolinava de um jeito que um homem deveria fazer com uma mulher e sentir ele no meu cangote fungando e gemendo dizendo palavras como meu rabo era gostoso que ele iria tirar a barriga da miséria e tals, foi quando senti tentando enfiar a Mao pra dentro da minha calça tentei impedir mas fui repreendido por ele e lembrado do vídeo e das fotos e desisti como um boi que vai pro abatedouro quando ele tocou meu rabo em pelo senti que seu caralho deu um pulo dentro da sua calça e então ele o posicionou no meio da minha bunda e ficava subindo e descendo com ele ate que encaixou na porta do meu cu e dava pequenas metidas como se estivesse me fudendo nesse hora não sei o que me deu mas me arrepiei todo meu cacetinho de 13 cm ficou duro e inconscientemente empinei meu traseiro e só ouvi ele dizendo gostou ne putinha, isso tudo se passado dentro do busao e ninguém notando nada porque tava tudo escuro.
Ele parou de me sarrar recolocou sua Mao dentro do da minha calça e senti seu dedo roçando meu cuzinho virgem enquanto ele fazia isso ele dizia que eu iria adorar tomar sua pica ali no lugar do dedo e com a outra Mao ele pegou a minha e colocou pra trás foi quando senti que seu pau estava pra fora da calça e toquei pela 1ª vez em outro pau que não era o meu ficamos nisso ate ele forçar seu dedo e eu senti-lo me invadindo eu tive que trancar os dentes e abafar o grito de dor e prazer juntos que fez meu pau ficar mais duro então ele me disse que iria da sinal e que eu deveria descer junto com ele sem reclamar, foi na próxima parada que senti o prazer que um macho pode dar.
Gente até o próximo conto.