A Despedida de Solteira da Noivinha

Click to this video!

Meu nome é Henrique tenho 27 anos e me casei há 2 anos … o conto que descrevo para vocês são os fatos que minha esposa relatou uma semana antes do casamento quando ficou com dor na consciência.

Minha esposa se chama Carla e na época era minha noiva ainda. Ela tinha 22 anos, 1,70, peitos grandes e uma bunda estilo tanajura. Ela não era magrinha tinha uma forma física de uns kilinhos a mais porém fazia o porte cavala.

Minha esposa nunca havia metido com outro homem eu era o seu primeiro e ela sempre dizia que gostaria que fosse o único já eramos noivos a 6 anos e casariamos em dois meses , ela trabalhava em uma empresa de grande porte que fabrica calçados em nossa cidade Santa Ernestina. Lá existiam muitos funcionários nas mais diversas áreas mas Carla nunca havia se interessado ou dado liberdade para nenhum deles. Porém um dia isso começou a mudar, entrou um novo funcionário no setor do almoxarifado chamado Carlos , 36 anos na época recém-divorciado e de acordo com as informações de minha esposa boa pinta nato. Alto, cabelo escuro bem aparado e com barba aparente porém bem feita já fisicamente estava em uma forma normal. Ele foi contratado para fazer entradas de notas e a responsável por conferir os lançamentos era justamente minha esposa.

Carla sempre foi muito respeitada e quem tinha que fazer os lançamentos sempre tinha medo de errar pois ela era bem rígida e pegava muito no pé dos que fazem os lançamentos (total de 3 funcionários). Apesar de tudo e do estress do dia a dia Carla tinha boa relação com o setor. Já Carlos rapidamente foi se adaptando e em pouco tempo já havia sido apelidado para “Carlão” para alguns.

Após quase seis meses a entrada de Carlos aconteceu o “incidente”, um belo dia Carla chegou já de cara amarrada não havia começado bem o dia estava insatisfeita após uma séria discussão que tivemos em relação a pontos do casamento … seu dia prometia … sempre era muito estressante e não foi novidade nenhuma que por volta das 10 da manhã já teve o primeiro problema. Carla se irritou foi até a sala onde ficava o almoxarifado e passou um sermão enorme reclamando que ninguém ali conseguia realizar o trabalho bem feito de maneira a facilitar o seu trabalho e causando retrabalho. O clima ficou tenso Carlos se irritou e disse reclamando quando Carla já estava saindo que o problema dela era “falta de vara”, ela quase explodiu mas segurou-se e saiu batendo a porta.

Carla passou todo o resto da manhã pensando naquela frase que apesar de ter sido dita em um momento de irritação fazia todo o sentido pois não transava há mais de mês e realmente percebeu relação com seu humor. Realmente eu estava em falta com ela pois quanto mais perto chegava do casamento mais discutiamos pois ela estava muito sensível e qualquer diferença com suas ideia era um grande entrevero.

Chegou a hora do almoço e Carla não parava de pensar no que ele havia dito… por coincidência no mesmo momento aparece Carlos no refeitório pede licença, senta ao seu lado e diz:

– Carla, mil desculpas falei aquilo em um momento de irritação, pois achei sua reação à um erro tão simples muito exagerada.

Carla respira fundo e responde mais bem humorada sem pensar muito:

– Tudo bem, sabe que não acho que você está de todo errado.

Carlos dá um sorriso sinico e safado em seguida respondendo:

– Rsrs … Olha posso ajudar caso se interesse … rsrs.

Carla dá um sorriso safado já entendendo e pela primeira vez dá liberdade a um colega de trabalho para esse tipo de comentário e ainda responde:

– Você não sabe o que está falando a coisa não é simples.

Carlos decidi partir para o ataque e responde:

– Não sei ? Você quem não sabe do que fala me falaram bastante sobre você aqui e sei que só meteu com um cara até hoje, inclusive esse é o seu noivo o qual vai se casar daqui a dois meses… então quem não entende muito sobre o assunto é você … rsrs… mantenho meu convite caso queira.

Muito assustada com o que acabou de ouvir, mas ao mesmo tempo se sentindo muito excitada de uma forma que nunca havia se sentido Carla raciocina rapidamente mantendo um rápido silêncio na mesa e responde:

– Muito abusado você, acha que eu sou qualquer uma ? Onde você está querendo chegar ? Joga no ar uma nova pergunta já esperando uma resposta mais quente. Imediatamente a resposta vem:

– Não, nada disso ao contraŕio acho você uma delícia de mulher não uma qualquer, digo por experiência que não deveria se casar sem antes experimentar pelo menos uma vez uma pica diferente, também era muito jovem quando me casei com minha ex tivemos experiência parecida e terminei separado… Sei que está gostando da conversa e pensando a respeito, então se quiser estou a disposição … qualquer coisa sabe onde me encontrar.

Carlos vai embora do refeitório e Carla fica lá com a bucetinha quente e molhada após a conversa e pensativa… porém decidida também se retira da mesa.

Carla pensa a respeito e decidi arriscar ter uma experiência diferente e aproveitar essa excitante aventura que se apresenta para ela em um homem bem interessante; abre o e-mail e escreve:

“ Carlos, aceito sua proposta mas tem que ser hoje, onde vamos ?”

Não demorou 10 minutos e ele respondeu:

” Não vai se arrepender, vai ser sua despedida de solteira e vai ser deliciosa … conhece a padaria perto da saída da fábrica ? Te pego na hora da saída no meio do quarteirão dela estou excitado só de imaginar isso tudo de quatro na minha frente.”

Carla viu a resposta e sua calcinha ficou meladinha, apagou a mensagem e respondeu simplesmente:

“ Ok, entendido”

Ela não conseguiu se concentrar mais no trabalho pensava apenas no período pós-trabalho mandou uma mensagem para o meu celular avisando que não conseguiria chegar cedo do trabalho e ai foi só esperar. No horário combinado foi ao local em poucos minutos Carlos parou seu carro e Carla praticamente pulou dentro dele.

Eles se atracaram e beijaram com vontade, de repente Carla se soltou bruscamente e pediu para ele dirigir para longe do local rapidamente antes que alguém visse eles ali, Carlos imediatamente arrancou com o carro de lá em direção a sua casa.

Já um pouco mais distante ele começa a alisar Carla durante as rápidas trocas de marcha. Já ela… vai repensando em todas as consequencias e avaliando se tomou a decisão correta, ele percebe e diz:

– Se acalma delícia, ninguém precisa saber, vou acabar com essa sua tensão daqui a pouco.

Carla começa se soltar e passa as mãos pelas pernas de Carlos, ele chega em casa e abre o portão ainda na garagem eles se atracam novamente ele aperta sua bunda, morde seu pescoço, vira de costa e roça seu pau … Carla se retorce de tesão mas respira e pede para ir mais devagar, eles entram em casa, ela se senta no sofá e Carlos decide chegar junto e diz:

– O que está acontecendo hein ? Acalme-se, você sabe que não veio aqui para conversa, entendo sua dúvida mas não vai se arrepender.

– Eu sei porém estou tensa e não consigo relaxar. Responde ela.

– Aceita uma bebida ? Pergunta Carlos tentando criar um clima.

Ela gesticula que sim e ele parte para a cozinha para buscar a bebida. Na volta da cozinha ele já estava com um vinho, duas taças e apenas a cueca. Ela se assustou mas gostou, mordeu os lábios quando viu o volume que estava se apresentando, ele sentou ao lado dela serviu as taças de vinho brindou com ela rapidamente e já virou a dele olhando fixamente nos olhos dela enquanto bebia. Carla virou rapidamente a taça pegou a garrafa e bebeu mais um pouco no bico mesmo era fraca para bebida sabia que em pouco tempo ia estar tonta, quando ele a encarou com os olhos ela arrepiou e desviou o olhar que foi parar justamente em sua cueca, mordeu os lábios novamemnte, percebia que o pau dele estava duro, sua bucetinha ficou molhadinha novamente. Carlos decidiu ir em frente chegou mais perto e tascou um novo beijo nela, Carla correspondeu e já esquentando falou:

– Gostoso.

– Vocẽ gostou ? Não viu nada ainda.

– É mesmo ? Mostra então o que tem para oferecer.

Ele agarra ela e novamente a beija, porém dessa vez vai acariciando todo corpo em especial sua bunda e buceta e beijando chegando ao decote dela… Carla esquenta de vez a bebida começa a deixar ela tonta e ela já tira a blusa, se levanta e tira a calça, Carlos morde sua bunda e gruda atrás dela roçando o pau novamente em sua bunda, ela esfrega passa a mão e geme, ele agarra os peitos dela e mordisca o pescoço, ela cai de quatro morrendo de tesão no sofá. Carlos tasca a mão na buceta dela ainda por cima da calcinha, percebe que a mesma está encharcada de tão molhada e diz:

– Safada, tá doidinha pra levar pica quer agora ?

Ela vira de frente e fala:

– Calma quero aproveitar cada centimetro. Fazendo sinal com a cabeça para o pau de Carlos, ela tira a cueca e o pau dele bate em sua cara, ela segura o mesmo admira surpresa por um minuto e comenta :

– Já vi que não vou me arrepender, que bela pica, maior e mais grossa que do meu noivinho.

Ela beija a cabeça da pica dele, dura igual uma rocha e já babando dá uma chupada até o talo, depois volta mamando e lambendo a cabecinha, ela começa um vai e vem alucinante no pau dele que geme de tesão, chamando a de safada e biscate, ela com as bolas dele na boca para olha para seu rosto e diz:

– Biscate ? Ai não … ela mal consegue terminar a frase ele dá lhe um tapa na cara e afunda a boca dela no seu pau de novo dizendo:

– Mama… é biscate sim. Dá pra qualquer um, só pelo prazer de levar pica, puta pelo menos cobra o serviço. E capricha ai hein.

Ela não falou nada na hora mais sua bucetinha ficou ainda mais encharcada, deu mais uma enterrada com a boca até o talo saiu e pediu:

– Me come… sua biscate quer esse pinto agora, me pega gostoso. Ela o empurra para o sofá violentamente e monta nele puxa o pau dele para entrada de sua buceta e enterra soltando um grito de prazer:

– Ahhhhhhh Tesãooo descobri que sou uma biscate mesmo olha o que gosto aqui. Diz ela o cavalgando violentamente … ele suava só teve tempo para segurar firme a cintura da cavala e curtir o trabalho de Carla, aproveitou para provocar dizendo:

– Falei que tava faltando rola não falei vai tomar uma surra de pica hoje pra você esquecer até o noivinho corno, vai vai monta seu macho engole o pau dele com esse bucetão safada… e dá lhe um tapão na bunda.

Carla já estava fora de si e já nem pensava mais a loucura que estava fazendo apenas se contorcia em cima daquela vara e gemia de prazer… ele a puxou coladinho e deu algumas estocadas fortes … virou-se e foram para o chão com ele por cima dela bombando com força em um papai e mamãe frenético ela gritava de tesão e implorava para ele não parar dizendo que estava quase gozando, de repente ela se retorce inteira e solta um gemido delicioso de prazer gozando como louca. Vendo que ela havia gozado ele vira e fala:

– Gostou cachorra é só o começo agora eu q vou realizar meu desejo … fica de quatro agora.

Ela prontamente ficou de quatro se arreganhando o máximo q conseguiu e encostando a cabeça no braço do sofá deu uma olhadinha por trás do ombro e falou:

– Vem gostoso mostra como se faz.

Carlos pirou com a visão daquele rabão arrebitado e quase gozou só com a vista.

Ele voou para trás dela posiciounou a pica segurou a cintura da cadela e deu uma estoca firme e funda. Carla deu um gemidinho de prazer e pediu mais rebolando, Carlos passou a bombar cada vez com mais força em um entra e sai alucinante, ela mordia os lábios e gemia pedindo mais já não havia mais nenhuma ponta de arrependimento nela naquele momento em estar me traindo queria apenas curtir o momento e gozar muito.

Carlos lasca um forte tapa em sua bunda e a puxa ainda de quatro pelo cabelo dizendo no seu ouvido:

– Não vou aguentar safada vou gozar agora … Ela o interrompe e diz:

– Aqui na minha boquinha quero beber tudo o seu leite de tora gostoso.

Ela instantaneamente se vira e engole o caralho todo, praticamente não deu tempo nem de iniciar o vai e vem e ela sentiu um jato forte batendo na garganta que a fez até babar, ela engoliu e saiu lambendo e bebendo tudo que entrou escorrendo limpando a pica de Carlos, ele estava admirado com todo aquele fogo que aquela cavala estava guardando. Ela fala pra ele:

– Nossa … que despedida de solteira adorei!

– Quem falou que acabou ? Já quer ir embora ? É só tomarmos uma ducha que daqui a pouquinho ele já está em ponto de bala uma puta fogosa como você não pode sair de uma trepada sem levar uma enrabada e sair com o rabão cheio de porra.

Ela arrepiou, tinha feito anal poucas vezes comigo e a diferença no tamanho das picas era considerável, além disso já estava ficando bem tarde e ela não sabia como ia se justificar mas ao mesmo tempo o tesão era maior e respondeu sem pensar muito:

– Onde fica o chuveiro ? … Ele apontou e ela já entrou no banheiro ligando a ducha, ainda estava coma buceta encharcada de tanto tesão, ela foi se molhando e fazendo um chuveirinho gostoso na buceta quase enfiando o chuveirinho na buceta. Carlos entrou no banheiro com a ferramenta na mão vendo aquela cena entrou no box encostou-se na parede a frente dela começou a bater uma punheta de frente pra ela. Carla viu aquilo mordeu os lábios e disse:

– Que pica gostosa, to adorando ver essa punheta.

E lá foi ela caindo de boca novamente. Enquanto ela mamava eu tentava falar com ela fiz a ligação, o aparelho estava ao lado do box, ela parou por um minuto se arrebitou toda e foi conferir quem era viu que era eu e não atendeu. Ficou apreensiva, sabia que eu ligaria novamente, Carlos se divertia com a cena nesse meio tempo já havia pegado o gel lubrificante, se posicionou atrás de Carla e acariciava seu botãozinho com o gel, começou a deslizar um dedo e foi lubrificando Carla continuava apreensiva imaginando que ligaria em poucos minutos Carlos segurou firme sua cintura cutucou seu cuzinho com sua vara e disse:

– Calma piranha, já vou esfolar esse cuzinho se o corninho ligar como devagarzinho para ele não perceber nada.

Carla arrepiou sentiu uma sensação estranha de perigo pela situação, mas nem teve muito tempo de digerir a situação pois Carlos já entrava firme e forte … ela soltou um grito de dor e pediu para ir com calma, Carlos diminuiu a pressão e foi entrando e saindo carinhosamente no seu rabinho, ela foi se acostumando e Carlos foi novamente aumentando a pressão, ela se segurava como podia na pedra da pia do banheiro pois a cada solavanco era puro tesão não aguentou e disse:

– Nossaaaaa … como fiqueiii … tanto tempo sem isso … vai fode meu rabo com força, esfola meu rabo, tá acabando com as minhas preguinhas gostoso. Ela gritava de tesão a dor era enorme mais o tesão também, ela já havia entendido que Carlos sabia como pirar uma mulher na cama só não imaginava que sentiria tanto prazer assim.

Como Carla esperava o celular começa a tocar novamente, Carlos diminui o ritmo, Carla solta gemidinhos e sinaliza para ele parar, ele faz que não com a cabeça e fala para ela se virar e atender. Ela sabia que precisava atender pois eu iria estranhar muito o sumiço, mas não conseguia parar de gemer segurou a respiração rapidamente e apertou para atender, porém o barulho das bombadas era audível … – Oi amorrrr. Diz Carla.

Do outro lado da linha com certa estranheza respondo:

– Oi, amor o que aconteceu você falou que trabalharia até mais tarde mas nunca ficou até tão tarde tá tudo bem ?

– S-im … amorrrr … delícia… nossaaaa a a a. Carla percebeu a loucura e desligou o telefone.

Carlos para de bombar e solta uma grande gargalhada pela situação.

– Kkkkk … imagina a cara do corno nem imagina que sua noivinha é uma puta e tá em plena despedida de solteira tomando pica em todos os buracos … Quer dizer agora acho que ele já imagina algo se ele visse como você está trabalhando bem.

Carla irritadíssima responde:

– Seu puto não precisava fazer isso… ele é muito bom comigo não merece isso.

Carlos ficou doido de tesão vendo Carla irritada e voltou a bombar o rabão de Carla agora com muita força o telefone voltou a tocar … ela apenas viu já tinha saido de si novamente o tesão era maior do q o arrependimento, além disso já estava lá, sendo assim pedia mais instigada ao ver a ligação:

– Vai gostoso … pintudo mete, mete.

Carlos vai aumentando o ritmo e avisa Carla que vai encher o seu rabão de porra e ela retruca:

– Goza seu puto, frouxo mal começou a bombar igual homem já vai gozar, quero ver se pelo menos vai encher meu rabo de porra.

Carlos é quem se irritou nesso momento, lascou um tapão na bunda de Carla que ela gritou de dor, puxou-a pelo cabelo com força e falou em seu ouvido:

– Biscate, santinha do pau oco, mau me conhece direito e já to fazendo barba, cabelo e bigode vou encher seu cú de porra sim e sei que vai sair daqui sonhando com a minha piroca e também em repetir essa noite.

Assim ele enche o rabo dela de porra, tira o pau da bunda dela encha a bunda dela de tapas apoiou-se na parede do banheiro e sentou-se no chão mesmo para admirar o trabalho que havia acabado de realizar. Carla por sua vez estava exausta, preocupada mas ao mesmo tempo nunca tinha gozado tanto e trepado tão gostoso na vida, pediu licença para o Carlos e disse que ia ligar a ducha para tomar um banho pois precisava ir pediu também para ele chamar um táxi para que fosse embora até o estacionamento da empresa sem que ninguém visse os dois juntos. Ele levantou passou por ela dando uma mordidinha na sua orelha sentou no assento sanitário e disse a ela para tomar banho que ele ia assistir e enquanto isso chamaria o táxi pois queria admirar ela até o último momento possível. Ela se banhou rapidamente se enxugou e trocou-se na frente dele e disse que precisava ir. Carlos apenas fez que sim com a cabeça e falou:

– Agora já conhece outra pica, tá pronta para casar rsrs … mas … se depois do casamento tiver meio estressada de saco cheio do casamento a gente pode fazer um flash back rsrs.

Carla respondeu dizendo que ele era pretensioso, mas que apesar de bom de cama e com uma pica deliciosa aquilo não iria se repetir, agradeceu a despedida de solteira falou que estava precisando apesar de estar se sentindo um pouco mau com o que havia feito comigo não se arrependia e que havia sido uma delícia. O táxi buzinou na porta eles se despediram e ela voltou até a empresa, pegou o carro e chegou em sua casa tarde da noite.

Ela disse que estava me contando aquilo apenas porque já não conseguia mais esconder, pois sentia-se mal pois a tratava muito bem e não merecia o que ela havia feito então a consciência pesou e ela decidiu por contar mesmo que não casasse mais com ela. Acabei me decidindo por casar apesar de ter ficado muito magoado com o que ocorreu, porém acabei entendendo, ela nunca tinha tido outras experiências e estava frágil naquele momento, agora sei que ela não vai repetir o ocorrido nunca mais, não é mesmo ?

Agradeço a atenção de todos e peço desculpas pela extensão do conto, tentei contar da melhor maneira possível.

Mas e vocês o que acham ?