Fui ser cachorrao e acabei virando cadelinha 2


Click to Download this video!

Bom voltando ao relato de como eu tentei transformar meu cão em minha putinha e quem acabou levando ferro no cu fui eu, depois daquele dia em que eu perdi minha virgindade anal eu fiquei confuso não sabia mais o que pensar porque eu era macho e eu que deveria estar metendo meu pintinho em um cuzinho ou na bucetinha de alguma menina, mas em minha cabeça ficava uma briga de sentimentos e emoções variadas, sei que tinha doido no começo a penetração mas o prazer que o Dick me deu foi o melhor que tinha sentido em toda minha vida.
No outro dia quando fui colocar agua e comida para ele quando o vi me arrepiei todo e meu cuzinho não parava de piscar e ele já veio me cheirar e metendo seu focinho no meio das minhas pernas, eu fiquei parado em estado de choque como uma estatua e ele fungava que quase me derrubava, depois ele foi pra trás de mim e fungou meu rabo neste momento eu dei um pequeno gemido como se ele já estivesse me fungado e eu todo pelado, eu falava bem baixinho como uma menininha, para Dick não faz assim comigo, e tentava manter a razão e mostrar quem era o dono mas não estava com muita convicção na voz e corria pra dentro de casa pra não cair mais uma vez em tentação.
Mas a noite quando ia me masturbar no banho eu pegava no meu pintinho de 12 cm e batia como louco lembrando das mulheres peladas e das cenas de sexo das revistas mas parecia que faltava algo e então em um momento de devaneio eu me lembrava do Dick me fudendo e eu comecei a colocar a pontinha do dedo indicador no meu cuzinho e me subia um tesão do caralho e quando menos esperava eu gozava gostoso e ate sorria de abobalhado pela situação, e ficava pensando eu e o Dick éramos virgens e perdemos juntos o cabaço só que eu perdi de uma forma que não estava esperando.
Isso durou uns três dias e no terceiro dia à noite já praticamente doido para mais uma vez sentir aquele prazer que ele tinha me proporcionado eu resolvi que me entregaria mais uma vez ao desejo do meu cachorro e deixaria ele me usar como sua cadelinha só que eu estava tão doido por isso que nem esperei o dia raiar ou minha mãe sair para o trabalho, era umas 21:00hs e minha mãe disse que iria dormir porque amanha pegava bem cedo porque tinha escala no hospital que trabalhava e me mandou dormir eu já nervoso pedi que me deixasse ver tv ate mais tarde porque não teria aula por ser sábado ela me olhou e eu ate pensei que ela tinha desconfiado de alguma coisa mas disse que tudo bem mas que fosse baixinho e eu fiquei vendo tv ate ter certeza que ela tinha caído em sono profundo.
Passei duas vezes na porta de seu quarto para ter certeza que ela estava dormindo ou esperando para me pegar em flagrante (como se ela sabia que eu estava era mesmo querendo dar o cu pro cachorro, que burro kkk) então eu fui bem devagar ate a porta da cozinha que da pros fundos do quintal e onde fica a casa do Dick, ela é de tijolos deve ter uns 1,60×1,60m e a porta 50x40cm para ficar mais fácil de entrar quando for lavar ela então vocês imaginam que da pra entrar lá e não ficar apertado.
Fui em meu quarto e tirei a roupa e depois eu vesti um shortinho que eu tenho de futebol que é folgadinho sem cueca e me olhei no espelho e vi que tinha uma bundinha rabudinha e empinada e pensei o Dick é um cachorro de sorte tem esse cuzinho praticamente cabaço só pra ele e ate puxei o short para ele entrar mais no meu rego e pensei é agora ou nunca e fui em direção ao meu macho, passei na geladeira e peguei um potinho de catchup para tentar novas coisas que tinhas passado em minha cabeça e quando eu abri a porta estava tudo escuro e uma leve brisa da cerração me fazia se arrepiar e olhei em volta para ver se alguém estava me vigiando ou pudesse me ver ali naquela hora, já eram 00:30hs e parece que o Dick sentiu minha presença como um cão sente o cheiro de uma cadela no cio e ele saiu de sua casa e veio logo ate mim e mais uma vez paralisei de medo e tesão e ele começou a me cheirar e lamber no meio das minhas pernas e as polpinhas de minha bundinha que aparecia por meu short esta suspendido.
O bico dos meus peitinhos se arrepiou e meu piruzinho ficou durinho como se quisesse furar minha roupa eu lutava contra meus desejos eu não queria estar ali mas também não queria ir embora e o Dick já nervoso por eu estar enrolando começou a latir e isso me fez sair do meu devaneio e fiquei com medo de minha mãe ou algum vizinho acordar e me pegar ali naquela situação e como eu iria explicar, segurei seu focinho e o mandei calar a boca e fui o levando pra dentro de sua casa e ao entrar ele já veio todo animado me lambendo braços, pernas, coxas e ate o rosto e neste momento ele sem querer me lambeu a boca me deu um nojo mas também um tesao e comecei a deixar lamber a minha língua e depois já excitado ofereci a ele meus peitinhos com catchup que ele não se fez de rogado e lambia com prazer.
Eu gemia cada vez mais e depois de um tempo fiquei de 4 e ele não perdeu tempo e já me montou e fazia os movimentos de foda me cutucando ora meu saquinho ora meu rego que sentia seu pau toca-lo mas não entrava porque estava vestido queria sentir as preliminares de uma boa foda ele ficava nervoso e descia e fungava e linguava meu rabo e tentava de novo, só de poder sentir aquilo já estava me dando muito prazer mas eu queria mais e na outra vez que ele desceu eu sentei e como o chão de sua casa era azulejada tirei meu short ficando totalmente nu e na posição de frango assado ofereci meu rabo que já estava molhadinho de seu suco pra sua língua ele começou a lamber e que na primeira linguada gemi deliciosamente.
Ele lambia e cheirava e depois parava e para que ele não parasse aquela delicia eu passava catchup por meu saco e mais ainda no meu cuzinho eu mais parecia um frango besuntado de padaria (he he) era tanto prazer que de meu pintinho saia muito pré-gozo como uma aguinha transparente e eu só gemia baixinho e pedia, assim gostoso língua meu cuzinho, não para que to quase gozando e peguei no meu pintinho e comecei a me punhetar e em menos de 5 minutos eu acho gozei muito que escorria entre meu saco e ia pro meu cu, o Dick não se fez de rogado começou a lamber também minha porra que estava no meu cu e depois o resto que ainda tinha na cabeça do meu pau, eu fiquei mole e minha respiração ficou acelerada e aos poucos fui me recuperando, olhei no relógio e tudo que tinha acontecido durou apenas 40 minutos eu queria mais e teria tudo.
Quando olhei o Dick ele me olhava com uma carinha era como se ele pudesse dizer, gozou gostoso vadia agora você vai cuidar do seu macho, e eu sentei e notei que sua pica estava pra fora e estava enorme como da primeira vez e eu não sei explicar mas minha boca começou a salivar muito que ate escorria baba e pingava no chão e eu ficava pensando será que ela tem um gosto bom me lembrava das revistas onde eu via as mulheres mamando cada pauzão dos caras e também da revista de zoofilia que uma mulher mamava a pica do cachorro, senti um pouco de nojinho nunca tinha feito isso mas também uma curiosidade e peguei aquela tora que era muito grande quase não conseguia fechar a mão e o Dick só ficava parado ali com a língua de fora esperando minha próxima ação, me abaixei perto do seu pau e dei a primeira linguada pra sentir o gosto, não era tão ruim então comecei a lamber como se fosse um picolé e por instinto de femea e lembrando dos boquetes já vistos eu o enfiei na boca e mamava com gula, tirava da boca batia com ela no rosto como uma vadia e depois voltava a mamar.
O Dick depois de um tempo começou a fuder minha boca como uma buceta e eu deixava mas não conseguia engolir tudo porque seu pau era muito grande sentia ele na minha garganta que ate me dava ânsia de vomito, engasgava às vezes mas depois de um tempo me acostumei, ficava feliz que ele estava sentindo prazer, meu pauzinho já estava mais uma vez duro e meu cuzinho piscava de tesão e depois de um tempo comecei sentir seus jatos de porra me encher a boca e não sabia o que fazer e resolvi engolir tudo era tanto que escorria pelos cantos e caia no chão, depois que ele já tinha terminado o deixei descansar para que ele me comesse e neste tempinho colocava mais catchup no meu cuzinho para ele me lamber.
Quando ele já estava em ponto de bala eu passei mais catchup em todo meu rabo de cócoras e enfiei um pouco no cuzinho com meu dedo para lubrificar e quando fiquei de 4 ele mais que depressa já veio me linguando gostoso e me montou foi só umas 3 bombadas para que seu pinto escorregasse por inteiro pra dentro de minhas entranhas e nesse momento gemi gostosamente e ele começou a me fuder como macho viril que é, eu só dizia bem baixinho, isso Dickzinho fode meu cu, meu estrupa, mete na sua cachorra vadia, e ele não parava, sentia suas patas me arranhando o quadril mas não ligava só queria gozar eu encostei a cara no chão frio daquela casinha nem liguei e abri mais uma vez minha bunda para ele entrar mais fundo (como se isso fosse possível ele já estava todo dentro de mim) e depois de um tempo o nó entrou me rasgando mais uma vez mas também me dando muito prazer e eu peguei meu pintinho e me punhetava sentindo sua porra me lavando e tive mais um orgasmo intenso .
Então como já sabem ficamos grudados bunda com bunda e neste tempo ainda me masturbei umas 2 vezes não gozando saindo porra mas só com a sensação de prazer que escorria por meu ser, depois que ele saiu de mim escorreu seu mel de meu cuzinho que ele lambeu como um cavalheiro e quando ele foi se limpar eu rapidamente peguei sua vara e sorvi todo suco de sua porra com o do meu cuzao e mamei ate me saciar, vesti minha roupa e fui pra casa com as pernas bambas, quase que não consigo entrar tive que me escorar muitas vezes e o Dick sempre me acompanhando, entrei e guardei o restinho de catchup na geladeira passei e vi se minha mãe tinha acordado e percebi que não olhei as horas eram 02:03hs, desliguei a tv e nem banho tomei cai na cama exausto e tive um dos melhores sonos da minha vida e ainda sem mentira sonhei com o Dick me enrabando mais uma vez, delícia.
Bom gente tai a parte dois do conto espero que tenham gostado e ate à próxima, queria que me enviassem bons contos de zoofilia adoro ler, no mais tchau.