Invasão Anal 1

Click to this video!

Bom galera estou aqui pra contar mais uma aventura espero que gostem, me chamo Carlos e hoje estou com 20 anos e tudo que me aconteceu foi a exatos 02 nos atrás, morava no interior do estado e tinha me formado no ensino médio e queria fazer uma faculdade de agronomia que não existia perto de casa então com um dinheiro já guardado e com a ajuda dos meus pais resolvi ir morar na cidade grande para poder realizar meu sonho e poder voltar pra minha terra e melhorar a fazendinha que meus velhos tinham.
Procurei uma casa ou quitinete barata porque não poderia gastar muito e depois de rodar bastante encontrei um quarto e sala bem modesto não era lá grandes coisas mas não podia esbanjar mas estava nas minhas condições que ficava num beco de muitas casas devia ter umas 15 e ficou arranjado que me mudaria na próxima semana, me deixa falar um pouco de mim, tenho 1,65m, 60 kilos distribuídos em meu corpo malhado da lida na roça e com uma bundinha bem empinada, na minha adolescência já fui alvo de muitas gozações por ter uma bunda de menina.
Eu tinha exatamente recém-completado meus 18 anos e estava morando sozinho na cidade grande e estava deslumbrado com tudo que via, muita gente, carro pra lá e pra cá aquela correria que todos conhecem, eu logo em uma semana procurei um emprego porque não achava justo explorar mais meus velhos e consegui com muito custo um emprego de embalador em um mercado grande do bairro, logo fiz amizades com algumas pessoas da faculdade só trabalhava e estudava e os vizinhos que quase não via devido minha sempre correria também eram gente boa.
Eu era virgem de tudo nunca tinha me relacionado nem com mulher e nem com homem esse ultimo eu nem cogitava mesmo que muitos de meus amiguinhos da roça tentavam me levar pro meio do mato pra fazer troca troca, não vou dizer que eu não batia punheta porque era mentira, já sabia de sexo porque já tinha visto muitas vezes animais da fazenda cruzando e também meus pais fudendo, alias ficava impressionado como era estranho o corpo feminino, a buceta da minha mãe era enorme e bem cabeluda e os bicos dos seus seios eram bicudos e escuros, mas o que me chamou a atenção foi o pinto do meu pai que era gigantesco o meu não dava nem 3 do dele eu não acreditava como minha mãe nas suas trepadas aguentava uma coisa daquelas dentro dela e pior quando ele metia eu só ouvia seus gritos pedindo pra ele meter cada vez mais fundo e forte.
Masturbava-me muito depois dessas sessões de sexo deles mas não conseguia que alguma garota me desse a chance de botar em pratica tudo que eu aprendi com meus pais nas suas fodas, as meninas além de serem poucas também só davam trela pros caras mais velhos e experientes e eu pequeno, e virgem ficava só no 5 contra 1 e isso foi mudar depois de um tempo quando passei a morar sozinho mas não do jeito que eu imaginava ou aceitasse, depois de mais ou menos 03 meses já nesta vida de estudo e faculdade mudou-se pra casa do lado da minha um homem estranho devia ter na faixa de uns 45 anos ele era enorme uns 1, 90m e parecia pesar uns 100 kilos em seu pescoço ele tinha vários cordões de ouro e prata e também uns colares de conchinhas, anéis em todos os dedos e um olhar bem sinistro.
Todas as vezes que eu retornava da facul lá pelas 00h00min lá estava ele na porta de sua casa e era inevitável não cruzar com ele éramos praticamente vizinhos ele me olhava de cima a baixo e eu sentia meu corpo arrepiar de um modo estranho, me sentia incomodado com sua presença, e todas as sextas a noite na sua casa apareciam umas pessoas estranhas era um entra e sai de gente de lá e não foi duvida que nas raras vezes que conversava com os vizinhos fiquei sabendo que esse vizinho que fiquei sabendo se chamava Paulo mexia com magia negra fazia trabalhos das mais variadas, falaram que ficaram sabendo que ele tinha ate feito trabalho pra um homem importante da sua antiga cidade e que o rival acabou morrendo assassinado e que não tinha sido bonito, eu que já não me sentia bem ai que fiquei mais incomodado quando o encontrava e em uma de minhas muitas passadas em frente de sua casa ele me olhou e quando nossos olhos se cruzaram ele me deu um boa noite e me mostrou um sorriso com alguns dentes amarelos do ouro que tinha, naquele momento eu não consegui lhe falar sem gaguejar e ele disse com aquela voz grave não precisa ficar nervoso eu não mordo muito, fui pra minha casa com mais pressa e tranquei a casa toda com as chaves e as travas não sei por que estava daquele jeito mas aquele homem me passava uma coisa ruim.
Nas outras noites ele começou a puxar papo comigo e eu comecei a responder com menos medo ate que ele me perguntou meu nome e eu respondi Carlos, ele falou seu nome e eu disse que já sabia por que ali todos se conheciam e ele falou hum então já te disseram meu nome, e ele perguntou que serie eu estudava e eu lhe disse que estava na facul de agronomia, ele me falou que sabia que eu trabalhava no mercado porque já tinha visto eu de uniforme de lá e me achava um cara legal e muito bonito, quando ele disse muito bonito eu fiquei arrepiado e ele me falou se podia me fazer uma pergunta um pouco intima e eu disse todo nervoso pode ele falou essa bunda que você tem é sua mesmo ou enchimento porque eu tinha uma bunda carnuda e empinada parecia mais de uma mulher negra, neste momento senti como se meu rosto queimasse e lhe respondi que era natural e que ele me respeitasse porque não gostava desses papos ele se desculpou mas sem tirar aquele sorriso do rosto e me dirigi pra minha casa, quando eu olho pra ele o vejo secando minha bunda e apertando por cima de sua calca folgada um grande volume, neste momento ele me deu uma piscada e apertou mais descaradamente sua pica, senti um calafrio na espinha e entrei logo em casa.
Nos outros dias ele sempre me cumprimentava com um boa noite e eu retribuía mas evitava e sempre que eu olhava ele estava lá olhando pro meu rabo apertando sua pica e passando a língua nos lábios e com aquele sorriso no rosto, ate que em uma de minhas muitas passadas na porta de sua casa ele me chamou pelo nome e me disse que queria se desculpar pelo mal entendido entre nos e me disse que pra isso ele tinha lembrado de uma lembrança que ele tinha em casa que achou que eu iria gostar era um cordão de prata com uma bolinha de pingente e ele disse que dentro dela tinha varias essências de flores e muito bonito que ele falou que iria me proteger de todo mal que se levantasse contra mim e que eu não deveria tirar em hipótese nenhuma se não cortaria a proteção, eu nunca fui muito de ir na igreja e essas coisas era quase ateu e antes que eu lhe disse que não precisava ele já se levantou tão rápido e me disse que não aceitaria um não como resposta e me virou pra colocar o cordão e não foi difícil sentir aquele seu grande volume tocar em minha bunda eu fiquei sem reação e não conseguia me mover de pavor, medo sei lá não sei porque mas quando ele se afastou me pediu desculpas mais uma vez e estendeu a mão para apertar a minha e me fez uma pergunta estranha que não compreendi na época mas depois desses 02 anos eu comecei a entender ele falou você aceita tudo que estou te oferecendo eu falei logo que sim pra ir logo embora estava muito cansado.
Naquele dia eu tomei meu banho e nem comi de tão cansado e quando fui tirar o cordão pensei em suas palavras e resolvi não tirar pensei ele viu que estava sendo inconveniente e aquele gesto era pra se desculpar por tudo e também porque tinha gostado do presente nunca tive muita coisa de valor e agora estava na cidade grande e trabalhava em um grande mercado e ainda já tinha um belo cordão de prata que deveria custar caro, e lá pelas 03h00min da manha mais ou menos senti como se tivesse alguém subindo em cima de minha cama e como eu sempre dormia de bruços não dava pra ver quem era ate pensei que estava sonhando mas nunca tive um sonho daqueles e essa pessoa chegava e puxava o lençol que minha mãezinha tinha feito pra mim a mão e desnudava meu corpo, nessa época eu dormia só de cueca por causa do calor e ela se prostrava em cima de mim e eu sentia que ele era enorme porque me cobria inteiro e sentia seu bafo no meu cangote que me arrepiava e uma coisa grande cutucando meu rego por cima da cueca, eu tentava abrir meus olhos mas não conseguia e meu corpo estava todo paralisado eu na conseguia se mover minha boca não saia um som só pedia em pensamento me solta, sou homem , então ele descia beijando minhas costas e parava em minha bunda e ficou amassando ela como se fosse pão e dava tapas.
Foi quando eu senti suas mãos dos lados dos cos dela e ela sendo baixada ate meus joelhos e depois senti em cada banda de minhas nádegas e aquelas mãos a apertavam como se aquilo fosse a coisa mais deliciosa do mundo e eu me sentia incomodado com aquilo e em meus pensamentos ficava pensando o que é isso que sonho estranho é esse e tentava acordar mas não conseguia meus olhos permaneciam fechados, ate que senti seus dedos abrindo meu rabo expondo meu cuzinho virgem e cheio de pregas e um de seus dedos roçar de leve em volta dele neste momento eu senti uma sensação nunca sentida em minha vida um misto de medo e prazer e neste exato momento dei um pequeno gemido que foi notado por meu invasor e ele pegou um travesseiro que tinha ali do lado e colocou embaixo de minha barriga me deixando com a bunda mais empinada.
Ele voltou a abrir meu rabo e deu uma baforada na portinha do meu cuzinho apertado e foi quando eu senti o meu primeiro beijo grego, aquele ato despertou em mim uma coisa tão forte que gemi intensamente e depois eu comecei a sentir as forças de minha garganta voltar e comecei a pedir ainda muito fraco e baixo que não fizesse aquilo porque eu era homem e aquilo não era certo e tal e que dava tudo que ele quizesse e ele nem recuou e deu a primeira linguada que foi subindo do meu rego em direção ao meu cuzinho que eu fiquei todo mole mas não parava de gemer e pedir pra parar e gritava socorro pra alguém me ajudar porque eu iria ser estrupado mas minha voz não tinha forca, a minha voz quase que não saia porque suas linguadas me deixavam cada vez mais mole, e eu começava a gostar mas também me recusava admitir que estava sentindo prazer sendo abusado sexualmente.
Ele continuava lamber meu cu ate que senti ele enfiar sua língua no fundo e eu gemi que nem uma vadia nem eu sabia de onde vinha aqueles gemidos eu poderia esta dizendo com a boca que não mas meu corpo aceitava cada estimulo sexual que sentia e percebi que meu pintinho de 15cm estava muito duro nunca senti ele assim e acho que ele queria me fazer gozar de todo jeito porque ele a chupava e enfiava seu dedo lá no meu fundo que acho ele acabou tocando minha próstata e foi neste momento eu senti o um calor que sempre sentia quando me masturbava mas era muito mais forte e gozei tão forte sem tocar meu pau e amoleci de vez e cai arriado na cama.
Então senti aquele corpo enorme subir em cima de mim mais uma vez e aquele mastro duro que sabia que era imenso roçar sua cabeça na porta do meu cuzinho que piscava sem parar e fazia uma pressão ate que gostosa mas eu ainda não queria aceitar aquilo mesmo tendo gozado tao forte, era homem mas estava morrendo de vergonha por ter gozado tão gostoso com uma chupada no meu cuzinho, foi quando eu senti aquela voz no meu ouvido dizendo hoje eu não vou estourar esse seu cuzinho virgem minha putinha porque foi só o começo, mas ainda vai ter mais e você vai estar pedindo pra eu socar meu caralho nessa bunda e vai virar minha putinha pode esperar mas não vou deixar você sem seu leite pra voce ir se acostumando e vou gozar bem gostoso na portinha da sua bunda pra ela se acostumar em ficar sempre melada ficava roçando a cabeça daquela pica pra baixo e pra cima e davas umas vezes forçadinhas e depois de um urro de prazer que foi bem no meu ouvido ele molhou todo meu cu e saco com seu esperma quente e depois disso ele sai de minha cama e sumiu.
Acordei no outro dia na mesma posição da noite anterior olhei pros lados e dentro de cada canto do meu pequeno lar mas não tinha ninguem e a casa estava toda fechada como eu tinha deixado o outro dia quando entrei, mas algo estava diferente eu estava vestido como se não tivesse acontecido nada e me senti estranho, pensei que só tinha sonhado tudo aquilo mas eu nunca pensei em nada com outro homem, eu não era gay e aquilo martelava em minha cabeça porque eu tive aquele sono e porque eu tive tanto prazer pela bunda e quem era o meu abusador e naquele sábado eu não sai da casa pra nada fiquei tentando entender tudo o que me aconteceu e ficava sentindo meu cuzinho piscando como se faltasse algo e me sentia normal mas tambem mudado, ate chegar a noite e outras noites vieram.