Meu vizinho

Click to this video!

Me chamo Clara, tinha 12 anos e morava só com minha mãe que era viúva. Moravamos em uma boa casa em um bairro de classe média em uma pequena cidade do interior de SC de origem alemã. Sou loira natural, muito clara de cabelos e pele, minha mãe trabalha em uma empresa meio afastada da cidade e passa todo o dia fora, retornando a noitinha para casa. Eu estudo pela manhã e fico as tardes sozinha em casa. Ao lado da nossa casa mora um casal sem filhos eles tem uns 40 anos, são muito amigos da minha mãe. O marido dela era muito querido, o Jorge.
Um dia minha mãe chega em casa e fala que terá que fazer um curso na capital e ficará fora por 4 dias, e disse que pediria para a Cláudia (a vizinha) para eu ficar na casa deles estes dias, não gostei muito porque tenho minhas coisas, mas também não me opus demais. Tudo acertado minha mãe foi viajar e na noite anterior já fui para a casa deles.
Me instalei no quarto de hóspedes, um belo quarto com banheiro e banheira de hidro.
Vou a pé para o colégio que fica a apenas 3 quadras, isto não foi problema também. Na manhã seguinte fuia a aula equando retornei meio-dia o almoço já estava pronto, almoçamos e a Cláudia diz que já tem que sair ma sque o Jorge ficaria em casa pois sua empresa tinha dado ferias coletivas para todos funcionários por 10 dias devido a crise.
fui para meu quarto e depois resolvi tomar um banho.
Quando vi a hidromassagem no banheiro fiquei louca, resolvi encher ela, mas queria que funcionasse a Hidro e eu nunca tinha mexico numa, me enrolei na toalha e chamei o Jorge, ele veio até o querto e perguntou,
– que houve Clarinha? (ele sempre me chamou assim)
– Jorge eu não sei ligar a hidro e queria tomar banho tu me ensina?
– Claro, é só deixar encher mais um pouco para a água tapar todos os jatos e apertar este botão aqui.
– a tá, eu nunca tomei banho nelas, não sabia rsrsrs,
aí notei que havia me enrolado em uma toalha pequena, e estava muuuito curta, na altura das polpinhas da minha bundinha, que aliás é redondinha e empinada, meus peitos pquenos como dois moranginhos de biquinhos rosados e pequeninhos, minha xana ainda sem pelos, e o Jorge olhava para meu corpo como nunca havia notado ele olhar. fiquei meio sem graça e ele falou
– tu estás muito linda, uma mocinha já
– obrigado Jorge (meio sem graça)
– imagino que deves ter muitos namoradinhos
– não jorge nunca tive nenhum
– nunca? (ele falou)
– não, namorado não, só um menino eu fiquei uma vez, mas foi só.
– ah bom, ele falou, então já fez algumas coisinhas
eu estava ficando com vergonha e sem graça, e interrompi o papo
– já encheu, é só apertar o botão?
– Sim clarinha
Ele se adiantou e ligou a hidro e falou,
– podes colocar estes sais aqui, faz uma espuma legal e tem um cheirinho bem gosotso.
Despejou um pouco na hicro e logo começou a se gformar espuma.
Agradeci a ele e ele saiu do banheiro.
Me deliciei no banho com espuma, saí, me sequei e coloquei uma roupinha de ficar em casa, fazia calor entao coloquei uma blusa de alcinhas e uma mini rodada e curtinha, bem confortável.
Desci para a sala pois já havia feito minhas tarefas e o Jorge estava assistindo tv, perguntou se eu estava com fome e falei que sim, e fomos a cozinha fazer um lanche, ele sentou-se a mesa e pediu para eu pegar coisas na geladeira, eu fui e ap pegar umas coisas que estavam nas prateleira de baixo me abaixei e senti que minha bundinha ficou de fora pois a mini rodadinha era beeem curtinha, olhei rápido para trás e vi o Jorge com os olhos grudados em minha bunda, me recompuz rápido.. lanchamos e fomos assistir tv. sentei no sofá e ele em uma poltrona que ficava em frente ao sofá.
Distraída vendo um programa, não me dei conta que estava com as pernas entreabertas e olho para o jorge e ele estava com os olhos na minha xotinha, usava uma calcinha branca de algodão pequena, tipo asa delta. me arrumei no sofá e o Jorge vem e senta-se ao meu lado. A blusa de alcinhas era larguinha e se me debruçasse paraa frente meus peitos ficavam de fora, ele viu isso e sentou-se bem junto de mim.
_ Clarinha me fala do garoto que tu ficasses
– falar o que Jorge?
– vcs se beijaram e o que mais?
– como assim?
– é natural Clarinha, uns carinhos…
– sim a gente se fez uns carinhos, disse já com vergonha
– onde?
– ai Jorge, assim tu me deixa com vergonha falei…
– pra que vergonha Calrinha, é natural, e sou como da tua família, te conheço quase desde bebê, pode falar comigo.
– sim a gente fez, falei meio sem graça
– ele passou a mão nos teus peitinhos?
– sim
– e na bundinha?
– sim
– e tu tocou no pinto dele?
– sim, mas tudo por cima da roupa. ai Jorge, tu ta me deixando sem graça.
– imagina Clarinha, isso é muito normal, mas tens que aprender que esses meninos são afoitos, de repente eles podem fazer a coisa errada, tens que te cuiddar até pra não ficar falada.
– como assim fazer a coisa errada?
– eles não tem experiência, podem sem saber fazer direito te machucar nas primeira vezes, ou fazer sem camisinha entende?
– sim minha mãe já me falou pra eu me cuidar quando eu menstruei pela primeira vez.
– teus peitos são lindos (ele falou olhando para o decote)
aí notei que conversando com ele eu havia desencostado do sofá e a blusa estava caida para frente deixando meus peitinhos a mostra, ficquei roxa.
– ai Jorge, para..(me arrumando toda)
– verdade, os mais lindo que já vi
– imagina nem cresceram ainda, são pequeninhos
– assim que gosto, Clarinha eu posso te ajudar numa coisa
– o que?
– posso te deixar com mais experiência para que nenhum menino abuse de ti.
– como assim Jorge?
– se tu topares e ñunca falares pra ninguém, te ensino um monte de coisas
– sobre sexo?
– sim, sexo
– não sei Jorge, tenho vergonha
– vergonha do que, tu és a garota mais linda que há.
– acho que não..
Ele coloca a mão em minha coxa, e fazendo carinho nela fala
– que pele macia, deliciosa tu tens
eu me arrepio toda e ele nota, com a outra mão alisa meus cabelos , toca minha bochecha, e me da um beijinho ho rosto. Eu coro mas fico imóvel
Ele vagarosamente sobe a mão até minha barriga, e vai subindo até tocar meu peito, ele na hora fica com o biquinho entumecido. me arrepio novamente, e ele fala
– viu como tu gosta? e pega e solta a alça da minha blusa, um lado cai e dixa mei peitinho de fora. ele fala
– nunca deixe um garoto apertar demais teu seio, eles devem ser tocados devagar, com carinho, e foi acariciando meus peito. E
u a esta altura estava encharcada, mas imóvel.
– Beijar teus seios também tem que ser com carinho ele baixa a cabeça e começa a lamber meu biquinho e chupar, eu quase me contorcia de tesão. Ele levanta a cabeça e vendo-me sem reação (externa) me tasca um beijo na boca, aí não resisti e retribuí.
Logo eu estava só de calcinhas e ele totalmente pelado, o pau dele era normal, nem grande nem pequeno, o corpo dele atlético, lindo nos seus 40 anos. eu ainda com vergonha falei pra ele que era virgem e que minha mãe me mataria se descobrisse que tinha deixado de ser com apenas 12 anos, ele me disse pra ficar calma. Me falou que não poderia ter filhos pois tinha feito vasectomia porque e claudia não queria filhos, entào não tinha risco de eu engravidar etc.
ele passou a me chupar toda eu deitada no sofá e ele de joelhos no chão aproveitava cada centímetro do meu corpo até que foi tirando minhas calcinhas, abriu minhas pernas e passou a chupar minha xotinha virgem e sem pelos. Eu gozei em um minuto, ele lambeu todo meu mel. me colocou na posição de frango assado e ainda de joelhos no chão passou a lamber meu cuzinho, sentia a lingua dele forçando pra entrar no meu buraquinho, era uma sensação maravilhosa, logo sinto algo duro olho e vejo ele metendo um dedo no meu cuzinho, fui a loucura, ele então pede para eu esperar, sobe e logo desce com um tubo de KY, me vira de costas, deitada no sofá com as pernas no chão, ele passou a lamber minha bunda, eu me arrepiava toda, abriu minhas nãdegas e voltou a lamber meu cu, logo sinto algo gelado, era o KY lambusou muito e foi enfiando um dedo logo 2 e depois 3 ele me falava,
– que bunda maravilhosa, perfeita, branquinha, tá gostando clarinha
isso com 3 dedos no meu cu
– sim Jorge, tá bom demais
– agora vais literalmnte tomar no cu,
apontou seu cadete na portinhae e forçou.
Entrou a cabeça dei um gritinho e ele foi empurrando tudo, entrou até o talo, e ele começou a bombar. Nunca imaginei que seria tão bom dar o cu, gozei feito louca e de repente sinto ele respirar mais forte e um quentinho nas minhas entranhas, ele socou com mais força me enchendo de porra.
caimos um pra cada lado, saia porra pela minha bunda e a minha da minha xotinha virgem que estava vermelhinha de tanto ele chupar e esfregar.
fomos para a banheira e tomamos banho juntos, ele fez eu chupar o pau dele e gozou novamente na minha boca, me encheu de porra, achei meio nojento, engoli um pouco cuspi outro tanto (depois de umas 3 vezes passei a adorar hehehe).
ficamos trepando a tarde toda, e depois de umas 3 semanas houve outra oportunidade ele foi la em casa quando eu estava s’o e me descabaçou, doeu muito, minha xotinha era muito apertada, foi difícil romper o himen, doía muito, quando ele enfiou parecia um ferro em brasa entrando, ardeu muito, fiquei dias ardida porque depois que entrou ele demorou a gozar porque machucou ele também.
Só ficou bom transar depois da terceira vez que trepamos. depois da segunda eu me masturbava e enfiava os dedos pra xotinha se acostumar. O Jorge fala ainda que minha xotinha ainda é muito apertada, e realmente sinto que é difícil de o pau dele entrar, a sorte que tem o pau normal, se fosse que nem nos filmes não entraria ou iria me rasgar toda.