Mamadeira do amigo


Click to this video!
Autor

Prazer sou Xandy, vou contar o que vivenciei na minha adolescência. Tinha 14 anos e meu amigo, Jairo tinha 19 anos, ambos virgens. Mas meu amigo comia uns veados que davam bandeira pra ele. Não podia ver um veado e deixava tudo pra traz e pimba. Aquilo era normal entre nossos amigos. Depois esperávamos pelas histórias que ele nos contava com detalhes. Eu ficava muito curioso quando ele dizia que só tinha deixado o veado chupar seu pau. Enchia ele de perguntas, o que ele sentia ? o que os veados diziam ? como faziam ? Realmente sentia tesão nesse assunto. Ele dizia que tinha um em especial que só procurava ele para chupar, ainda dava um dinheirinho pra ele. Contava que ele tomava todo seu leitinho. Na hora senti nojo e ao mesmo tempo tesão com esta história. Fiquei imaginando dar de mamar também, mas tinha vergonha de procurar alguém. Era um sábado, quando meu amigo disse que estava com tesão recolhido, te estar muito tempo sem transar. Ele disse que ia ter que bater uma punheta, porque o veado tinha dado "o bolo" nele e não tinha aparecido. Falou que ia entrar no pátio de um dos nossos vizinhos que morava sozinho e não estava em casa. Entrei com ele, ele pediu para eu tirar o pau pra bater punheta junto com ele, foi o que fiz. Mas não fiquei muito a vontade com ele pelado comigo. E ele ia seguindo com sua punheta, e eu só olhando. Quando fiz uma pergunta crucial naquela hora, que gosto tinha a porra ? Ele respondei que era salgada, mas pra quem gostava era saborosa. Ele olhou com uma cara de lobo mau e perguntou se eu estava querendo provar ? Instantaneamente respondi "ta louco". Segundos depois pensei comigo, aqui sozinho com ele, no escurinho ninguém ia saber, se não gostasse, não faria mais. Fiz um trato com ele, se não gostasse, era pra ficar em segredo. Ele concordou e foi apontando o pau pra mim, mandou eu passar a língua na cabecinha até pegar o jeito. Segurei no pau dele e coloquei todo na boca, derramei baba até pelo saco dele, em meio aos gemidos, ele me incentivava a seguir deste jeito que estava ótimo. Pensei em desistir, mas ele estava gostando muito e disse que era pra eu me preparar pra beber todo seu leitinho. Dei umas aceleradas pra terminar logo com a curiosidade provar porra. Mesmo sabendo que ele ia gozar, recebi o primeiro jato sem saber se tinha gostado mas bebi tudinho. Agora foi a vez dele perguntar se eu tinha gostado. Mesmo gostando fiquei com medo de dizer. Ele disse que eu tinha chupado muito bem, e que quando quisesse de novo era só falar, que ele tinha muito leite pra me dar. Saímos pra rua pra procurar nossos amigos, e eu repetidas vezes pedi para ele manter segredo. De repente o veado que ele estava esperando apareceu de carro e chamou ele. Conversaram por um tempo dentro do carro, meu amigo saiu do carro e o veado foi em bora. Meu amigo disse que ele tinha se atrasado, mas ainda queria chupar ele. Meu amigo disse que ainda estava com tesão, mas não quis porque tinha batido uma punhetinha e não estava mais a fim, mas era só pra ele não atrasar mais. Perguntei se ele não queria bater aquela punheta que ele tinha começado. Então ele disse pra voltarmos pra casa do vizinho. No caminho ele perguntou se eu não queria chupar novamente. Eu queria, mas estava com medo de não parar mais. Eu mesmo tirei o pau dele pra fora e fiz endurecer na minha boca, chupei desesperadamente e bebi todo o leite dele. Passei a chupar ele toda a semana, como éramos amigos, chapa no quarto dele e no meu. Ele queria me comer também, algumas vezes deixei ele gozar na minha bunda e passar sua porra no meu cuzinho e enfiar o dedo dentro por uns instantes. Me segurei para não ceder. Achava que tinha que ir somente até ai, não queria virar veado. Meu amigo foi para o quartel em outra cidade e demorava a aparecer e eu só tinha coragem de chupar ele. Em outra ocasião contarei como e quem conseguiu me comer.