O prédio da alegria

Click to this video!
Autor

Olá, me chamo Renan, tenho 30 anos e vou contar através desse conto como tive uma experiência sexual incrível com o amigo do meu filho de 8 anos.

Teve início quando me mudei para este prédio, moro sozinho desde os 21 anos, quando sai da casa de meus pais. Tive um filho com uma namoradinha na época, mas não deu certo e seguimos caminhos diferentes. Meu filho, Wellington, hoje com 8 anos, fica os fins de semana comigo. E foi durante um fim de semana desses que conheci o Nicolas, filho de um vizinho, com mesma idade do meu filho, 8 anos. Eles se conheceram no playground do prédio e viraram amigos. Até então, eu não tinha muito contato com o garoto, até que num dia de chuva desistiam de brincar no playground molhado e Well convidou nicolas pra jogar no meu computador. Nicolas é loirinho, de pele dourada do sol, mesmo tipo físico do meu filho well. Durante a jogatina deles, eu reparei o nicolas olhando meu corpo, focando no volume da minha cueca. Enquanto wellington estava vidrado na tela do computador, a atenção do nicolas estava em meu corpo só de cueca andando pela casa. Para meu filho era normal ver o pai de cueca, e ele nem ligava, mas o nicolas estava enfeitiçado pelas formas do corpo masculino. Isso começou a mexer com a minha cabeça, nunca havia sentido esse tipo de tesão, especialmente por um garoto, Mas a sensação de estar sendo desejado tão intensamente por um, estava mexendo com o interior da minha cueca. Comecei um showzinho particular pro nicolas, sem que o well percebesse. Cheguei na porta do quarto com o meu pau duro dentro da cueca branca, well nem deu atenção pra mim e continuou vidrado no computador, mas vi que a minha exibição surtiu forte efeito no nicolas que mordeu o lábio inferior e ficou com a respiração forte. Ainda fingindo que não havia percebido minha própria ereção dentro da cueca, ofereci um lanche para os garotos como se nada estivesse acontecendo. Nicolas nem respondeu, estava sem reação com a cena de uma rola adulta pulsando dentro de uma cueca, Wellington não queria lanchar, quando ele começa a jogar não dá atenção a mais nada. Antes de sair do quarto dei um sorriso sacana pro nicolas que correspondeu com outro sorriso. Fui pra cozinha e não demorou muito pra o nicolas aparecer pedindo água, ainda com a rola dura, servi água ao garoto que não tirava o olho do volume na minha cueca.

-nunca viu um desses não, nicolas?
-Já vi o do meu pai, mas desse jeito é a primeira vez.
-Que jeito?
-mexendo e apontando pro lado.
-rsrsrs tá assim porque preciso muito fazer xixi, aliás vou fazer agora…
-As vezes o meu fica assim também, fica bem duro.
-O seu tá duro agora?

Ele ficou meio envergonhado de responder então meti a mão pra conferir o pinto dele, ele se assustou e deu um pulinho.

-aham, tá furinho também. Vamos fazer xixi.

Sem que o wellington percebesse, levei o amiguinho dele até o banheiro e fechei a prota. O coloquei bem do meu lado na frente da privada e expus minha rola dura como pedra. Seu olhar de admiração e desejo era bem perceptível.

-O senhor não vai fazer xixi?
-Acho que entupiu, você pode me ajudar?
-como?
-coloca sua boca aqui nesse furinho e sopra…

Sem precisar insistir, o garoto agarrou minha rola e meteu na boca. Enquanto ele soprava peguei a outra mão dele e coloquei debaixo de meus ovos.

-Acho que soprar não está adiantando, tenta chupar nicolas.

Meu pau começou a babar, e eu sentia a língua do garoto passando na ponta da minha rola tentando atrair mais líquido. Segurei em sua nuca e o puxei contra meu corpo fazendo o pau entrar naquela boquinha quente, iniciei um movimento de vai e vem. Porra que delícia!

Acabei gozando na boca do garoto que de imediato cuspiu na privada, dois jatos foram na parede.

-O que é isso?
-leite de homem! Tem muitas vitaminas e é bom pra saúde.

Sem precisar mandar, nicolas abocanha meu pau outra vez em busca do meu leite. Arranquei o pau, ainda duro, da boca dele, tirei a roupa dele e o coloquei de quatro em cima da maquina de lavar. Que visão linda eu tive, um furinho virgem, sem pelos, todo rosadinho. Meti a língua pra sentir o sabor daquele cú, que delicia sabor sabor, o cheiro, só quem já provou sabe como é bom. Dei várias linguadas naquele cuzinho enquanto com uma mão tentava silenciar os gemidos do nicolas. Minha intenção não era penetrar aquele garoto, ele poderia se queixar de dor no cú para os pais e decidi ficar só nas preliminares. Enquanto eu degustava aquele cú com a língua, o wellington bate na porta do banheiro.

-pai? Tô apertado! O nicolas foi embora? Preciso fazer xixi, abre!

No susto, botei o garoto no chão e o vesti rapidinho enquanto eu tentava pensar em algo. Até que tive uma idéia que poderia me salvar.

-filho, vai na dispensa da cozinha buscar pra mim papel higiênico, o daqui acabou.
Botei o ouvido na porta, quando ouvi o barulho do well abrindo o pacote de papel na cozinha, abri a porta e joguei o nicolas pra fora que de imediato correu pro quarto. Well chega no banheiro com o papel, não me dando tempo pra esconder ou desfarçar o pau duro na cueca. Vi que ele olhou pro volume e por vergonha não falou nada. Quando eu ia saindo do banheiro ele fala:

-Pai, olha quanto papel tem ainda no rolo, pra que o senhor pediu outro?
-pra deixar de reserva aí filho. -dizendo isso fui pra cozinha.

Da cozinha escuto wellington falando com o nicolas:

-nicolas! Onde você tava? Achei que tivesse ido embora depois que bebeu água, te procurei na casa toda e não te vi!

Com toda sua ingenuidade e falta de criatividade pra criar uma desculpa qualquer nicolas solta essa:
-fui no banheiro. -puta que pariu, agora fudeo!
-no banheiro? Quem tava lá era meu pai…
-eh… anh… eu sai antes dele entrar e… e… Acho que você não me viu…

Sem deixar tempo pro wellington raciocinar decidi entrar na conversa e mudar de assunto:

-Well, quer ir no Mac hoje?
-Quero! Tem uns brinquedos novos no lanche!

Por um tempo consegui fazer o Well esquecer do acontecido, mas ele é mais esperto do que eu imaginava. De noite, depois do lanche no Mac, quando estávamos voltando pra casa ele toca no assunto:

-pai, eu vi o nicolas entrando no banheiro com o senhor hoje… -Nessa hora eu quase perco o ar.
-eu fui ajudar ele a abrir o botão da bermuda, estava preso -foi a única coisa que pensei em dizer na hora.
-sei… vi o senhor saindo de pinto duro do banheiro, o nicolas também tava de pinto duro depois que apareceu no quarto, e eu sei o que era aquela meleca branca escorrendo na parede do banheiro, eu vi vários vídeos no celular do breno (primo de 15 anos, sobrinho da mãe do wellington) , eu ouvi você e o nicolas gemendo!

Puta Que pariu! O eu poderia dizer pra negar todas essas evidências? Mas o que mais me virou a cabeça foi o pedido do meu filho:

-também quero fazer o que vocês fizeram hoje no banheiro…

[Continua…]