Chantageando a garotinha de 9 aninhos


Click to this video!
Autor

Meu nome é Diogo, tenho 26 anos e trabalho como professor/técnico em Informática.
Sou concursado e trabalho ministrando cursos na área de informática em uma comunidade carente, tenho vários alunos divididos em turmas de várias faixas etárias. Nas turmas formadas por alunos de meia idade, a maioria são mulheres, mãe de família, donas de casa, etc. devido ao meu conhecimento em informática é comum essas alunas me pedirem para olhar um computador, dar um jeito no celular e coisas do tipo. Em uma dessas minhas turmas, tenho uma aluna chamada Aurora, aluna aplicada, humilde, divorciada que trabalha durante o dia e faz o curso 3 vezes por semana a noite. Aurora tem uma filha de 9 anos que eu já havia visto uma ou duas vezes acompanhando ela.
Numa segunda feira, após encerrar a aula, aurora vem até mim e me pergunta se eu poderia dar uma olhada no celular da filha dela, pois não estava ligando. Eu peguei o aparelho e falei que daria uma olhada, mas ela teria que deixar comigo, falei que ela poderia buscar no dia seguinte após o almoço que ou estaria pronto ou eu não conseguiria arruma-lo. Ela disse que sua filha Valeska não desgrudava do celular e iria falar para ela passar na escola e buscar.
Pois bem, fui para minha casa e após o jantar conectei o aparelho no computador, depurei o dispositivo, fiz um backup dos arquivos e reinstalei o sistema. Eu tenho o ótimo hábito de "xeretar" nos arquivos alheios quando faço isso e fui vendo os arquivos da Valeska, musicas idiotas, fotos do espelho, quando vejo uma foto dessa garota dentro nua dentro do banheiro, quando vi não acreditei. O celular é simples e a câmera não é muito boa então a foto estava meio embaçada, mas dava para ver ela em pé dentro do banheiro, cabelos loiros cacheados, os seios somente os mamilos salientes e uma bucetinha que era só um risquinho sem pelos nenhum. Nessa hora fiquei extasiado, que garotinha linda, passei a vasculhar com mais atenção os arquivos para encontrar alguma outra foto. Foi quando encontrei algo ainda melhor, um vídeo dela dançando funk no quarto, o vídeo começava com ela só com um shortzinho curto que ela tira em menos de 15 segundos passando a rebolar só com uma daquelas calcinhas de largas de criança. 30 segundos depois ela tira a calcinha mostrando tudo para a câmera, ela fica de quatro ao som de um funk bem pornográfico e começa a abrir sua bundinha com as mãos, exibindo seu cuzinho enquanto rebola, depois começa a passar o dedo na sua bucetinha, dá para ver seu dedinho todo melado enquanto ela enfia ele dentro da bucetinha. O vídeo tinha apenas 3 minutos, mas eu assisti umas três vezes enquanto eu batia a melhor punheta da minha vida.
Depois disso, salvei os arquivos dela no meu computador e deixei o celular pronto. No outro dia fui para a escola após o almoço, uns 40 minutos antes da minha primeira turma pois não trabalho pela manhã. Quando encostei o carro no portão e o segurança o abriu eu já vi aquela loirinha safada na porta do escola, estacionei e fui até o portão.
– Oi professor, minha mãe deixou meu telefone com o senhor, você conseguiu consertar?
– Oi Valeska, tudo bem? Ela deixou sim, entra aqui eu vou te entregar ele.
Peguei minha mochila no carro, e fui para minha a sala onde dou aula, entrei e a garotinha me segui. Sentei na minha mesa e o meu notebook.
– Valeska, eu consertei o seu telefone, mas você tem que tomar mais cuidado com ele, você instala muitos aplicativos, deixa a memória muito cheia e isso faz o seu celular ficar lento.
– Tá bom professor, vou instalar menos aplicativos nele.
– Valeska, quanto anos você tem?
– Eu tenho 9.
– Eu falei para sua mãe que ai entregar o celular para você, mas eu prefiro entregar para sua mãe, amanhã é quarta e ela tem aula, falar para ela que eu vou entregar nas mãos dela.
– Mas porque professor, entrega para mim, por favor. Eu preciso do celular, se ele já esta pronto você pode entregar para mim. Minha mãe traz o dinheiro para você amanhã.
– Valeska, não é por causa de dinheiro, eu não costumo cobrar esses serviços dos meus alunos.
– Então o que foi?
– Eu salvei seus arquivos antes de reinstalar o sistema no celular e quando eu estava transferindo de volta eu achei um negócio que eu tenho que mostrar para ela. Você deve saber o que é.
Nessa hora, a garotinha que é branquinha e loira, ficou em choque. Dava para ver as perninhas tremendo, ela olhou para mim e não conseguiu dizer nada.
Eu perguntei para ela.
– Você sabe o que é né?
Ela começou a gaguejar.
– Por… por favor, pro.. fessor. Não faz isso é o vídeo?
– Sim Valeska, eu vou mostrar o vídeo para sua mãe, você só tem 9 sua mãe tem que saber, se você manda um vídeo desse para algum colega e ele coloca na internet, você arruína a sua vida. Imagina na escola, se o seus colegas verem esse vídeo seu, como vai ser a sua vida? Eu tenho que mostrar para ela, ai ela decide o que fazer.
– Não professor, por favor não faz isso, eu nem sei o que minha mãe é capaz de fazer comigo se ela ver isso.
– Não tem jeito Valeska. Eu vou entregar para ela.
A garotinha que já estava tremendo começa a chorar e a implorar, ela ficou chorando de joelhos.
– Por favor, não mostra isso para minha mãe, por favor, eu faço qualquer coisa, eu imploro professor. Minha mãe vai me matar, ela vai me colocar para fora de casa, eu nem sei o que ela vai fazer comigo. Por favor, eu faço qualquer coisa.
Eu levantei, fui até o filtro, peguei um copo com água e coloquei uma cadeira ao lado da minha mesa e me sentei na minha.
– Valeska, senta aqui na cadeira, toma essa agua, para de chorar.
– Professor, por favor não faz isso.
– Toma essa água, vai te acalmar.
– Por favor, eu faço qualquer coisa para você não mostrar esse vídeo para ela.
Ela tomou a água, mas não parava de soluçar e choramingar.
– Valeska, é o seguinte. Eu não mostro o seu vídeo para sua mãe, mas eu quero algo em troca.
– Obrigado professor …sic.. obrigado mesmo …sic… eu faço o que você quiser …sic… o que você quer que eu faça?
– Eu gostei bastante do seu vídeo, você é linda e dança muito bem, eu não vou mostrar ela para sua mãe, mas você vai ter que fazer um showzinho daquele igual ao vídeo só para mim.
Ela já tinha parado de chorar, mas ainda soluçava um pouco. Quando eu falei o que queria ela ficou mais vermelha do que já estava e não falou nada.
Então eu repeti a ameaça.
– A condição é essa, se você não fizer um showzinho desse para mim eu vou mostrar o vídeo para sua mãe. Vou mostrar o vídeo em que você esta peladinha de quatro para a câmera, rebolando e arreganhando o seu cuzinho, onde você esta enfiando o seu dedinho na sua buceta. Você que sabe.
– Não, por favor não. …sic… eu faço, eu faço, só não mostra para minha mãe.
– Tudo bem, eu não mostro. Eu vou fazer o seguinte, aqui o seu celular pode pegar, eu tenho o seu vídeo salvo no meu computador então se você mudar de ideia eu mostro para ela.
– Eu não vou mudar de ideia, só não mostra para ninguém.
– Sua mãe chega que hora do serviço?
– Ela chega em casa às 7 horas da noite.
– Você estuda de manhã, né?
– Sim.
– Então, amanhã você não vai para a aula. Você vai sair de casa no mesmo horário como se fosse para a escola, mas não vai entrar. Você vai me esperar na rua de traz da escola. Eu vou passar lá para te buscar e você vai fazer o showzinho para mim. Se você não aparecer eu vou mostrar o vídeo para sua mãe assim que ela chegar para o curso.
– Não professor, não mostra. Eu vou te esperar atrás da escola amanhã. Eu vou.
– Então tá, agora vai para sua casa e não se esquece que amanhã você tem que me encontrar atrás da escola.
– Eu não vou esquecer professor.
Ela estava visivelmente constrangida, ainda choramingava quando saiu. Eu não faço a menor ideia de como eu dei aula naquele dia. Eu não parava de pensar na garotinha de joelhos na minha frente, chorando e falando que fazia qualquer coisa. Meu não amoleceu um minuto naquele dia.
Fui para casa a noite e só consegui dormir um pouco depois de me masturbar umas duas vezes, agora imaginando o que eu faria na manha seguinte.
Eu nem precisei do despertador, as 5 da manhã já sai da cama e me preparei para aquele dia. Meu pau já estava duro, mas não me masturbei pois queria guardar toda minha porra para aquela garotinha de 9 aninhos. Eu tenho alguns brinquedinhos eróticos em casa, coloquei eles no porta malas do carro e fui em direção a escola da Valeska.
Eram 6:50h quando passei na rua de trás da escola dela, passei devagar com o carro e não a vi. Quando ia fazer o retorno a vejo vindo por uma rua adjacente. Ela estava com a camisa de uniforme branca da escola, uma calça jeans azul, uma mochila rosa nas costas, o cabelo dela solto com seu cachos loiros caindo abaixo do ombro. Eu dei a volta no quarteirão ao lado e peguei a mesma rua pela qual ela vinha. Reduzi a velocidade, passei por ela com o vidro abaixado e encostei logo a frente. Ela entrou no carro e eu segui em frente desviando da escola dela.
– Bom dia linda, dormiu bem?
– Bom dia.
– Você esta com fome, já lanchou?
– Ainda não, eu não consegui comer.
– Relaxa um pouco, quando chegarmos você come alguma coisa.
– Aonde nós vamos?
– Vamos num lugar mais reservado, onde podemos ficar mais a vontade.
– Mas aonde é, vamos para a sua casa?
– Não, eu vou te levar num motel.
Eu tenho uma Capitiva com vidro fumê e por ser um carro alto, não dá para o recepcionista do motel ver o passageiro e devido aos vidro escuros, não dá para as câmeras focarem no interior do veículo.
Entramos no motel sem nenhum problema, eu escolhi um suíte confortável com sauna, hidro, cama king, etc…
Era nítido o nervosismo da garota, depois que eu eu falei que iria levar ela para um motel ela não disse mais nenhuma palavra, se quer olhou para mim durante o trajeto, ela entrou no quarto muda com a cabeça baixa e ficou parada com a mochila ainda nas costas e olhando para o chão.
– Relaxa Valeska, fica tranquila. Vamos comer alguma coisa, você deve estar com fome.
Eu tirei a mochila das costa dela, telefonei para a recepção e pedi café para dois e assim que chegou nos sentamos a mesa para lanchar. A garotinha tomou leite com chocolate e comeu um bolo, agora estava mais tranquila. Falei para ela.
– Valeska, sua mãe só chega do serviço as 7 da noite e vai direto para o curso. Então temos tempo, pode relaxar.
Ela olhou para mim e disse: "Me promete que não vai mostrar o vídeo para ninguém?"
– Sim Valeska, eu não vou mostrar para ninguém, esse é o nosso segredinho.

[Pessoal, eu preso bastante pelos detalhes da história, devido a isso o conto acaba se tornando longo. Vou finalizar a 1º parte aqui. Em breve posto a continuação]