Estupraram minha mulher


Click to this video!
Autor

Dia 26-12, eu e minha esposa Fatinha, fomos para a chácara de uma amigo nosso, nas imediações do rio jaguarí. Chegamos lá em torno das 20h00, e iriamos ficar lá até hoje dia 29-12., amanhã cedo dia 30-12, deixaríamos o local, para outras pessoas. Estávamos tão a vontade que ao arrumar nossas coisas, deixamos a porta aberta.
Num dado momento, apareceu dois rapazes, em torno dos seus 30 anos de idade, sendo que um deles continha uma arma de fogo.
Eles trancaram todas as portas e janelas, e disse para nós que estavam afim de meter. Aquilo me gelou mais, fazer o que ? Um deles ficou nos vigiando e o outro fazendo o reconhecimento da casa. Em dado momento, o que estava observando a casa, tirou o colchão de uma cama de solteiro, e também tirou o extrado que sustenta o colchão na cama e trouxe para o quarto de casal onde nós estávamos à merce deles. Ele colocou o extrado em pé, meio inclinado num dos cantos do quarto. A seguir virou a arma de fogo para mim e disse: Tire toda a roupa seu corno. Pensei comigo, será que ele conhece minha esposa de algum lugar e nos seguiu até aqui.
Fiquei pelado com meu pênis mole de medo. Ele mandou que eu deitasse de costas no extrado e me amarrou as mãos e os pés, com as cordas de nylon do varal que lá estava e equeu o extrado deixando ele e eu em pé. Para piorar eles amarraram uma cordinha do meu saco, ele ainda disse: ele tem o pênis pequeno, então vamos amarrar no saco mesmo, onde eu fiquei imoblizado e o mais horrível veio depois… Eles pegaram dois prendedores de roupas e fixaram bem no biquinho do meus peitos…que dor miserável. Mais essa dor me deixou de pão duro.
Daí deitaram a Fatinha de costas na cama, e foram tirando a roupa dele, peça por peça, até chegar na calcinha. Antes de tirar a calcinha, os dois, cada um de um lado, mamaram a vontade em seus peitinhos que ficou com os biquinhos até apretejados e durinhos. Do meu pênis escorria um líquido grudento de esperma. Eles rasgaram a calcinha da Fatinha e até se empurravam um ao outro para chupar e lamber o clítores dela. Eu ouvia ela gemer, me dava mais tesão, até que ela não aguentando falou em voz alta: vou gozar e o que estava chupando não tirou a boca da buceta dela, mesmo ela pedindo, pára..pára..
Assim eu assisti o primeiro gozo da minha loirinha nos braços de outros homens, sendo que um deles tinha o pênis bem avantajado, já o outro devia ter uns 18 cts. Eles não se pronunciavam os nomes, eu só os conhecia pelo tamanho dos cacetes. Um deles deitou de costas e fez a Fatinha por sua bucetinha na boca dele, enquanto o outro começou a chupar o cuzinho dela. Eles estalavam as línguas e ela se virava feito uma cobra na cama. Isso não demorou muito ela gozou abundantemente novamente gritando, aí aí aí que delícia…vou gozar de novo. Meus testículos doiam pra caramba, meus peitinhos então nem se fala, latejavam com aqueles dois prendedores de roupas apertando no último. Ai chegou a hora gostosa em que o mais taludo, sem preservativo sem nada, foi penetrando minha esposa e ela dizendo, vai devagar, vai devagar, tá doendo.. num instante ele colocou toda aquela tora dentro dela e o outro ficou batendo com o cacete no rosto dela, na bocam etc, até que gozou esporreando todo o rosto, nariz, olhos e boca dela. Neste instante eu não aguentei e comei a gozar também sem por a mão nem nada no meu pênis..que bom gozei também, instante em que ele e o taludo gozaram juntos. Depois o menos avantajado, virou minha esposa de quatro e enfiou aquele pênis, ainda maior que o meu no cuzinho dela.. ela gritava ,pois eu nunca tinha mexido ali. O mais taludo, deu o pênis para ela chupar, ela parecia que estava chupando um sorvete, em 10 minutos ele gozou, enchendo a boca dela de esperma, que escorria pelo queixo abaixo.
Ela ficou satisfeita, eles também e eu fiquei por tabela. Com isto, eles saíram para irem ambora e disseram a ela…desamarre o corno e bata uma punheta pra ele, assim ela fez, onde eu também gozei gostoso. Nem fomos na polícia nem nada. Tudo ficou por isso mesmo. Valeu a pena, não acontecei nada de pior.